Chuva causa transtornos e deixa o Rio em estado de atenção

Primavera começou nesta terça-feira às 10h31 e termina no dia 21 de dezembro, às 7h02.

Rio de Janeiro / 12:38 - 22 de set de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Rio de Janeiro entrou em estágio de atenção às 8h15 de hoje. Desde ontem à noite, a cidade enfrenta chuvas e ventos fortes em várias regiões. Em muitos bairros há bolsões d'água nas pistas, como na Barra da Tijuca, na Zona Oeste, e na Praça da Bandeira, na Zona Norte. Na Avenida Brasil, uma das principais vias da cidade, os motoristas também enfrentam problemas com a quantidade de água nas pistas.

Segundo o Centro de Operações da Prefeitura do Rio (COR), por causa do acumulado de 24h foram acionadas sirenes na favela da Rocinha, na Zona Sul. O Alerta Rio informou que, neste momento, o núcleo de chuva permanece estacionário no Maciço da Tijuca, mas começa a perder intensidade gradualmente.

A previsão de chuva moderada a forte, com ventos moderados a fortes, continua ao longo desta terça-feira. De acordo com a Marinha, continua a ressaca no litoral do Rio e as ondas podem chegar a três metros. Por isso, a recomendação é não entrar no mar.

De acordo com o Centro de Operações, o estágio de atenção é o terceiro nível em uma escala de cinco e significa que uma ou mais ocorrências já impactam a cidade, afetando a rotina de parte da população.

A prefeitura pede que a população evite o deslocamento entre a tarde de hoje e madrugada de amanhã, não vá pelas regiões mais atingidas pela chuva, evite áreas sujeitas a alagamentos e/ou deslizamentos e não force a passagem de veículos em áreas aparentemente alagadas. Em casos de ventos fortes e/ou chuvas com descargas elétricas, não se deve aproximar de árvores ou áreas descampadas. Nos pontos de alagamento, o melhor é não ter contato direto com postes ou equipamentos que possam estar energizados. O contato com a água de alagamentos também deve ser evitado porque a água pode estar contaminada e oferecer riscos à saúde.

Nesta terça-feira, às 10h31, chega a primavera no Hemisfério Sul. A estação das flores termina no dia 21 de dezembro, às 7h02, quando dará lugar ao verão. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), climatologicamente este é um período de transição entre as estações seca e chuvosa no setor central do Brasil. A estação também marca o início da convergência de umidade vinda da Amazônia, que define a qualidade do período chuvoso sobre as regiões Centro-Oeste, Sudeste e parte Centro/Sul da Região Norte.

Os meteorologistas explicam que, durante a estação, os volumes acumulados de precipitação no norte da Região Nordeste costumam ser inferiores a 100 mm, principalmente no norte do Piauí e noroeste do Ceará. As temperaturas são mais elevadas em grande parte da Região Norte, interior da Região Nordeste e em alguns pontos da parte central do Brasil.

Os primeiros episódios da Zona de Convergência do Atlântico Sul (Zcas) podem ocorrer durante a primavera, com chuvas no Sudeste, Centro-Oeste, Acre e Rondônia. Já na Região Sul, podem ocorrer episódios de Complexos Convectivos de Mesoescala (CCM), que estão associados a chuvas fortes, rajadas de vento, descargas atmosféricas e eventual granizo. Com o gradativo aumento das chuvas em grande parte do país nesta época do ano, tem-se o início do plantio das principais culturas de verão.

 

Com informações da Agência Brasil, citando o Inmet

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor