Ciberataques no Brasil cresceram 62% de 2020 para 2021

Educação e pesquisa aparece como o setor preferido por criminosos; governo e FFAA vêm sem segundo lugar.

O número médio de ataques de hackers em geral por semana no mundo às organizações aumentou 40% em 2021 em comparação com 2020. No Brasil, o aumento foi consideravelmente maior, com uma média semanal de 967 ataques e um crescimento de 62%. É o que apontou Relatório da Check Point Research (CPR).

Globalmente, após uma ligeira diminuição nas semanas anteriores a março de 2020, a partir daquele mês houve um aumento significativo no número médio de ataques semanais a cada organização ao longo dos meses seguintes, incluindo este ano. Em setembro de 2021, o número médio de ciberataques semanais em cada organização atingiu globalmente seu pico com mais de 870 ataques. Isso é mais do que o dobro do número de ataques em março de 2020.

Embora a África seja a região mais visada por ataques cibernéticos, a Europa e a América do Norte enfrentaram os maiores aumentos em ataques cibernéticos entre 2020 e 2021. As organizações na África experimentaram o maior volume de ataques até agora em 2021, com uma média de 1.615 ataques semanais por organização (aumento de 15% em relação a 2020). Em seguida está a região da Ásia-Pacífico com uma média de 1.299 ataques semanais por organização (aumento de 20%), logo após estão as regiões da América Latina com uma média de 1.117 ataques semanais (aumento de 37%), Europa com 665 (aumento de 65%) e América do Norte com 497 (aumento de 57%).

Os setores que estão enfrentando os maiores volumes de ciberataques são educação e pesquisa com uma média de 1.468 ataques por organização a cada semana (aumento de 60% a partir de 2020), seguido pelo governo/militar com 1.082 (aumento de 40%) e pelo setor da saúde com 752 (aumento de 55%).

Além disso, o levantamento observou que os ataques semanais de ransomware a empresas brasileiras aumentaram 8% em 2021, em comparação com 2020. A CPR também constatou que globalmente em 2021, em média, uma em cada 61 empresas foi afetada por ransomware semanalmente, um aumento de 9% em relação a 2020.

O setor de ISP / MSP (Internet Service Providers / Managed Service Providers) é o setor mais atacado por ransomware neste ano. O número médio semanal de organizações impactadas neste setor em 2021 é de uma em cada 36 (aumento de 32% a partir de 2020). O setor de saúde está em segundo lugar, com uma em cada 44 organizações impactadas (aumento de 39%), seguido por fornecedores de software em terceiro lugar, com um em cada 52 organizações (aumento de 21%).

Em relação aos ataques por ransomware nas regiões geográficas, Ásia-Pacífico apresentou o maior volume de tentativas deste tipo de ataque com uma em cada 34 organizações sendo afetadas semanalmente em 2021; isso é uma redução de 10% em comparação com 2020. Em seguida está a África com uma em cada 48 organizações sendo afetadas (7% redução) e América Latina, em terceiro lugar, com uma em cada 57 organizações (aumento de 6%).

Com relação aos malwares, o tipo que mais afetou as organizações no mundo foi o botnet, com uma média de mais de 8% das organizações sendo afetadas semanalmente (uma redução de 9% em relação a 2020); seguido pelo malware bancário com 4,6% (um aumento de 26%) e criptomineradores com 4,2% (uma redução de 22%).

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.

Marrocos quer se desenvolver como polo de tecnologia

Setor digital emprega 120 mil pessoas no país; país tem investido em acordos e memorandos para aumentar investimento na área.

Últimas Notícias

Sudeste teve alta de 5% nas vendas por internet em maio ante abril

Considerando a mesma base de comparação, o faturamento do setor também cresceu: 7%.

Marca chinesa de automóveis de luxo Hongqi abre 1º showroom em Israel

A concessionária de carros israelense Samelet Group abriu nesta terça-feira o primeiro showroom da marca chinesa de limusines Hongqi na cidade de Tel Aviv, no centro de Israel.

AstraZeneca continuará a aumentar o investimento na China

AstraZeneca, a gigante farmacêutica britânica, está otimista sobre as perspectivas econômicas e o crescimento do setor de saúde chinês, e continuará a aumentar seu investimento na China, disse Leon Wang, vice-presidente executivo da AstraZeneca, informou o Chinanews.com nesta quarta-feira.

Setor de energia é um dos alvos preferidos de hackers

Mais de 60% de todos os ataques foram de phishing; organizações criminosas de hackers são ameaça às infraestruturas críticas do Brasil.

Países árabes planejam expansão de energia limpa

Omã, Marrocos, Argélia e Kuwait estão entre os que têm planos mais ambiciosos.