Ciência: basta de retrocessos

Por Isaac Roitman.

A história brasileira nas últimas décadas é muito triste. No século passado era moda se falar que o Brasil era o país do futuro. Os argumentos eram múltiplos. Informação genética dos brasileiros diversificada, fruto do cruzamento de diferentes etnias. Terras cobertas de florestas verdejantes. Água em abundância, terras abençoadas para a produção de alimentos ricas em minérios de diferentes aplicações, diversidade na matriz energética, cultura e artes diversificadas e encantadoras, berço de poetas, escritores e compositores e belezas exuberantes. Sistema de Ciência e Tecnologia em consolidação. País com tradição de acolher imigrantes, de alegrias mil, expressa nos estádios de futebol e no Carnaval.

O nosso Brasil teria tudo para dar certo. E não deu. Deu no que deu. Continuamos como um país colonizado, com perda gradativa de soberania. Testemunhamos um aumento da desigualdade social e pobreza com poucas perspectivas e esperanças.

A implantação de nosso sistema de Ciência e Tecnologia é relativamente recente. Os principais marcos históricos são:

1 – Criação do Museu Nacional (1818);

2 – Primórdios da Fundação Oswaldo Cruz (1900);

3 – Fundação da Academia Brasileira de Ciências (1916);

4 – Fundação da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (1948);

5 – Criação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico / CNPq (1951);

6 – Criação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino Superior / Capes;

7 – Criação da Fundação de Ampara à Pesquisa do Estado de São Paulo / Fapesp (1960);

8 – Criação da Financiadora de Estudos e Projetos / Finep (1967);

9 – Criação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária / Embrapa (1972);

10 – Criação do Ministério de Ciência e Tecnologia / MCT (1985).

Apesar de altos e baixos nas últimas décadas a Ciência brasileira avançou com posição honrosa na contribuição ao conhecimento e consolidou um sistema de pós-graduação com qualidade. No entanto, decisões recentes de cortes orçamentários estão provocando uma crise nunca vista na história do desenvolvimento científico brasileiro.

O orçamento total previsto para o MCTI neste ano é da ordem de R$ 8,3 bilhões, comparado a R$ 11,8 bilhões em 2020. O valor reservado para “despesas discricionárias” (ou seja, efetivamente disponível para investimentos em pesquisa), porém, é de apenas R$ 2,7 bilhões, 15% a menos do que em 2020 e 58% a menos do que em 2015 (quando o orçamento já estava em queda).

Considerando o crescimento da comunidade científica ao longo das últimas décadas, o orçamento pode ser considerado o menor da história, em termos da sua capacidade de atender às demandas do setor. E para o nosso espanto, mais um corte em torno de R$ 600 milhões, um genuíno retrocesso.

Quais seriam as consequências principais desse retrocesso?

1 – A descontinuidade de inúmeros projetos de pesquisas;

2 – O gradual desaparecimento de grupos e redes de pesquisas que estavam em consolidação nos últimos anos;

3 – A fuga de cérebros, principalmente de jovens pesquisadores, para países que entendem o papel da Ciência e Tecnologia no seu desenvolvimento social e econômico;

4 – O desencanto e desestimulo dos jovens para se prepararem para uma carreira científica.

A sociedade civil organizada, comandada pela Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e Academia Brasileira de Ciências, não está calada. É fundamental todos protestarem. Não é o momento de silêncio e passividade.

Lembremos de Martin Luther King que disse: “Quem aceita o mal sem protestar, coopera com ele”. Não vamos ser cúmplices daqueles que planejam e agem para assassinar o futuro. É hora da luta. Diga não ao retrocesso.

 

Isaac Roitman é professor emérito da Universidade de Brasília, pesquisador emérito do CNPq, membro da Academia Brasileira de Ciências e do Movimento 2022-2030 O Brasil e o Mundo que queremos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Fome dói, adoece e mata!

Por Renata Abreu.

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...