Citroën inicia a produção do novo C3

Promessa de ser um veículo acessível no segmento B-hatch.

Aproveitando a visita de diretores e do CEO da Stellantis, Carlos Tavares, à planta de Porto Real, no Rio de Janeiro, foi dada a largada para a produção do novo Citroën C3. O novo modelo será o primeiro de uma família de três veículos projetada para o Brasil e demais países da América do Sul.

Desenvolvido na região e com o trabalho de uma equipe multicultural de colaboradores do Brasil, Argentina, França, entre outros países, o novo C3 chegará em breve aos mercados brasileiro e sul-americano, com a promessa de ser um veículo acessível no segmento B-hatch.

O novo Citroën C3 inaugura em Porto Real a variante da plataforma CMP e será o primeiro veículo da Stellantis produzido no Brasil a utilizá-la. A plataforma é modular e flexível, podendo ser usada em veículos dos segmentos B e C. A variante dessa plataforma será a base do projeto C-Cubed, que serve ao novo C3 e a mais dois novos veículos.

A fábrica passou por uma grande transformação industrial e tecnológica para receber a nova plataforma e contou com investimentos de mais de R$ 220 milhões. Entre as evoluções aplicadas, inclui-se a instalação de novos robôs, além de um inédito processo polivalente e flexível que permitirá a produção do novo C3 e ainda favorecerá os atuais modelos fabricados na unidade.

 

Toyota quer crescer com eletrificação e SUVs

Masahiro Inoue (foto divulgação Toyota)
Masahiro Inoue (foto divulgação Toyota)

Focado no plano de descarbonização, ou carbono neutro, o CEO da Toyota para América Latina e Caribe, Masahiro Inoue, mais conhecido como Massa, acredita que o mercado caminha para carros mais eficientes e que o consumidor aos poucos vai deixar de comprar para alugar seu carro.

“O mundo está mudando rápido”, diz o executivo japonês que fala muito bem o nosso português. “Para isso, o carro precisa ser eletrificado ou menos poluente, usando, por exemplo, o etanol”, conta Massa, em entrevista exclusiva para a Via Digital.

 

Mais carros híbridos flex

Enquanto no Brasil a Toyota colhe bons frutos das vendas dos primeiros e únicos híbridos flex – com o sedã Corolla e o SUV Corolla Cross – ao que tudo indica a tecnologia será expandida a outros modelos.

“No Brasil temos o etanol e precisamos aproveitar o máximo possível essa tecnologia. Está tudo pronto, há 40 anos. Já para produzir um veículo elétrico, precisamos fabricar baterias de lítio, muito cara, e não temos ainda uma boa estrutura para carros elétricos. Podemos seguir um caminho diferente”, diz Massa, referindo-se aos flex fuel hybrid. Segundo ele, a Índia mostra interesse nessa tecnologia.

Para o Brasil, existe um planejamento de que outros carros do portfólio Toyota se tornem híbridos flex. Até 2025, cada linha terá opções eletrificadas.

 

Vem aí o SUV do Yaris

Em relação ao crescimento de interesse pelos SUVs, Massa ainda aposta no Corolla para clientes mais tradicionais. O sedã, produzido em Indaiatuba (SP), detém 60% de market share e tende a crescer mais com a saída do Honda Civic, que deixou de ser nacional (que só voltará ao Brasil na próxima geração, importado e mais caro). “Há uma pequena canibalização para o Corolla Cross, mas quem gosta de sedã continua com sedã”, afirma o CEO.

A expansão dos utilitários esportivos é inevitável. “Consumidor global quer SUV. Então, o segmento B, de sedã e hatch, como o Yaris, está indo para o SUV.” Para o bom entendedor, Massa dá pistas de que a próxima geração do Yaris será em carroceria SUV.

Pulse Abarth (foto divulgação Stellantis)
Pulse Abarth (foto divulgação Stellantis)

Abarth retorna com o Pulse

A Fiat escolheu o SUV compacto Pulse para reestrear sua divisão esportiva no Brasil, a Abarth. Mas diferente da estratégia dada no passado, quando lançou a versão Abarth para Stilo e 500, agora a ideia é categorizar a Abarth como uma marca. Serão cerca de 50 concessionárias Fiat dedicadas, com área especializada na venda dos modelos Abarth.

O logotipo Abarth está na grade frontal tipo colmeia, por escrito na tampa traseira e estilizado nas laterais. Novos para-choques, teto pintado de preto, spoiler e saída dupla de escape também denotam sua esportividade. A chegada às lojas está prevista para o último trimestre deste ano.

Ford Ranger FX4 (foto divulgação Ford)
Ford Ranger FX4 (foto divulgação Ford)

Ford estreia versão FX4 da Ranger

Enquanto a nova geração da Ford Ranger não chega, a linha de picapes, já intitulada como 22/23, acaba de ganhar versão mais “aventureira”. A FX4 chega às lojas por R$ 288.990, com visual que combina esportividade e sofisticação. Com ela, a Ford soma 9 versões da picape argentina.

No design, se diferencia pela grade, faróis com máscara escura e santantônio exclusivos e acabamentos em preto fosco e brilhante. Opcionais como snorkel e pneus lameiros também estão disponíveis. De série, são pneus mistos aro 18”.

Sob o capô, a nova versão e as demais receberam Arla32 para atender às novas regras de emissões, sem perder potência ou torque do motor 3.2 turbodiesel de 200 cv, acoplado ao câmbio automático de 6 marchas e tração 4×4.

Nova Nissan Frontier (foto divulgação Nissan)
Nova Nissan Frontier (foto divulgação Nissan)

Nissan dá spoiler da nova Frontier

Próxima de chegar às lojas, a Nissan divulgou as primeiras imagens da picape Frontier reestilizada, que começa a sair da linha de produção da planta de Santa Isabel, em Córdoba, Argentina, onde é produzida desde 2018. A reestilização envolve novos para-choque, capô, grade, faróis de neblina e elementos do conjunto ótico. A previsão é que chegue às lojas em meados de abril.

Em 2021, o modelo foi o que registrou o maior aumento de vendas do seu segmento no mercado brasileiro, com uma evolução de 40% em relação ao ano anterior. Além do Brasil, a picape é exportada para Chile e Colômbia.

Lucia Camargo Nunes
Economista e jornalista especializada no setor automotivo. [email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

208 ganha motor 1.0 na linha 2023

Equipamento é o mesmo do Fiat Argo.

Redução das desigualdades e saneamento

Brasil ainda apresenta 1,6 milhão de residências sem banheiro.

Crianças bruxas

Abandonadas na África, situação piorou com chegada das igrejas pentecostais.

Últimas Notícias

208 ganha motor 1.0 na linha 2023

Equipamento é o mesmo do Fiat Argo.

Mercados caminham para fechar a semana do lado positivo

Bolsas e moedas são destaque, mas o que vale mais a pena ressaltar é a redução no juro futuro nos EUA.

Redução das desigualdades e saneamento

Brasil ainda apresenta 1,6 milhão de residências sem banheiro.

Turquia quer acordo escrito para Finlândia e Suécia na Otan

Até agora, turcos têm sido os únicos membros da Otan que se opõem às propostas dos dois nórdicos.