Clarividência

O governo federal não deveria reduzir suas relações políticas a acordos fisiológicos. A advertência, feita por Leonel Brizola, foi relembrada pelo governador do Rio Grande do Sul, Germano Rigotto, durante homenagem ao ex-governador, em São Borja. Nesta terça-feira, na passagem de um ano da morte de Brizola, a frase foi relembrada por Rigotto como prova da clarividência do fundador do PDT. Ao jogar fora seu projeto para o Brasil e amesquinhar sua relação com o Congresso, o governo Lula abriu o caminho para o mensalão e outras práticas que hoje colocam o PT na berlinda. Rigotto convocou o Brasil a continuar, “sob a inspiração da vida e obra de Brizola, a perseguir seu sonho, de um país limpo.”

Previdência superavitária
Contrariando mistificações em contrário, a seguridade social tem tido superávits crescentes. Conceito modernizante incorporado pela Constituição de 1988, a seguridade social inclui Saúde, Previdência e Assistência Social. Segundo estudo da Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Previdência (Anfip), em 2004, a seguridade social teve superávit de R$ 42,5 bilhões, mais 34% sobre o saldo de R$ 31,7 bilhões, em 2003.
Intitulado Análise da Seguridade Social em 2004, o estudo destaca que, ano passado, a arrecadação líquida da Previdência Social teve crescimento superior ao da maioria dos indicadores econômicos do país: “Cresceu em termos nominais, 16% em relação a 2003, de R$ 80,73 bilhões para R$ 93,77 bilhões”, salienta a Anfip.

Distorção
A principal razão de os números da Anfip serem antagônicos aos do senso comum de “déficit” da Previdência se deve à tentativa – como destaca o estudo – “de isolar o Regime Geral de Previdência Social (RGPS) do sistema de Seguridade Social e distorcer a composição de seu Orçamento”: “As fontes oficiais omitem da sociedade que os repasses constitucionais das fontes exclusivas de recursos que deveriam ser alocados nos programas fins de Saúde, Previdência e Assistência social, são, na execução, realocados para cobertura de gastos fiscais e obtenção de superávit primário”, denuncia a Anfip.
Segundo o estudo, o montante arrecadado, acrescido dos valores recolhidos ao INSS por empresas, instituições financeiras, autônomos e profissionais liberais em geral, a título de contribuição previdenciária, somou R$ 220,34 bilhões, em 2004. No mesmo período, as despesas com encargos e benefícios previdenciários, como saúde, urbanos, rurais e assistências em geral, incluindo o custeio de pessoal ativo dos Ministérios da Previdência Social do Desenvolvimento, entre outros, ficou em R$ 177,80 bilhões, gerando superávit de R$ 42,53 bilhões.

Desvio
O estudo da Anfip comprova que o saldo positivo líquido do sistema de seguridade público tem sido crescente: R$ 26,66 bilhões (2000), R$ 31,46 bilhões (2001), R$ 32,96 bilhões (2002), R$ 31,73 bilhões (2003), chegando a R$ 42,53 bilhões, em 2004. O estudo se baseou em dados da Receita Federal.
A decisão da equipe econômica, porém, de desviar recursos da Seguridade Social para o ajuste fiscal – o mensalão dos bancos – tem feito com que esses megasuperávits não impeçam a Previdência de amargar déficits aparentemente insolúveis. Segundo o estudo, apenas entre 2000 a 2004, o ministro Antônio Palocci drenou R$ 165 bilhões da Seguridade Social para engordar o superávit primário da União.

Marcas
Um dos maiores especialistas em gestão de marcas da atualidade, Kevin Keller, professor da Darmouth College, vai ministrar a palestra “Excelência de marketing, os novos imperativos”, promovida pelo Ibmec-RJ e pela Pearson Education, no próximo dia 30. O professor fará uma análise sobre as mudanças sofridas pelo marketing nos últimos anos, discutirá o conceito de marketing holístico e ainda apresentará os oito imperativos do novo marketing. A palestra começará às 19h, no Jockey Club (Av. Presidente Antônio Carlos, 501 / 10º andar, Centro). Informações e inscrições: (21) 3284-4000.

Nação
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em Goiás, diante de uma platéia de agricultores, que seu governo “incomoda muita gente”. Faltou o complemento: incomoda quem?

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCega e engessada
Próximo artigoCada um por si

Artigos Relacionados

Engie valerá R$ 2,5 bi a mais após acordo com Aneel

Semana passada, o Monitor noticiou que a proposta da Aneel de repactuação do risco hidrológico (GSF) deixaria a conta a ser paga pelo pequeno...

Apelo de Biden ao multilateralismo fica sem crédito

Na ONU, presidente dos EUA desmente mundo dividido em blocos rígidos.

Fintechs e bancos disputam quem cobra mais

‘Não temos vergonha de sermos bancos’, diz Febraban; mas deveriam.

Últimas Notícias

Eve desenvolverá modelo de operação de Mobilidade Aérea Urbana

A Eve Urban Air Mobility, empresa da Embraer, e a Bristow Group Inc. (NYSE: VTOL), líder mundial em soluções de voo vertical, anunciaram, nesta...

China: Ampliar apoio à energia verde agrada banco de investimento

O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII) declarou que dá as boas-vindas ao anúncio da China de aumentar o apoio à energia verde...

XP: Preços de ativos podem sofrer na atual turbulência de mercado

Um dia depois do aumento de 1 ponto percentual da taxa básica de juros, a Selic (agora em 6,25% ao ano), pelo Comitê de...

Projetos de energias renováveis em substituição ao uso do diesel

O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e a Eletrobras firmaram um Pacto de Energia para atuarem conjuntamente na busca de soluções...

Proposta atualiza regulamentação sobre as cooperativas de crédito

Texto em análise na Câmara dos Deputados promove uma série de modificações na Lei do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC), abordando o Projeto...