30.1 C
Rio de Janeiro
domingo, janeiro 17, 2021

Classe média

“A curto prazo, um dólar barato reduz os riscos dos credores que emprestaram seu dinheiro no Brasil, e com isso o risco Brasil diminui. O governo e parte da imprensa comemoram como se se tratasse da economia brasileira, e não é o caso. Ao contrário.” Essa política é mantida para tirar do buraco empresas que se endividaram em dólar, no Real, e porque “ajuda a conter a inflação e estimula o consumo da classe média e a acomoda politicamente”, analisa o prefeito do Rio, Cesar Maia.

Subsídio
A política de dólar baixo implicou um subsídio implícito de US$ 9 bilhões, que favoreceu quem remete lucros e dividendos e quem investe (capitais brasileiros) fora do Brasil, produzindo emprego lá fora. A conta é de Cesar Maia, que, em seu Ex-blog, detalha: em 2006, os investimentos de empresas brasileiras no exterior bateram recorde e superaram US$ 20 bilhões. “Supondo, generosamente, que antes alcançavam US$ 5 bilhões, teremos um acréscimo de 15 bilhões”, calcula o prefeito carioca. No caso das remessas de lucros e dividendos, a alta foi de US$ 10 bilhões. Total: US$ 25 bilhões.
Um dólar considerado pelos exportadores como aceitável, diz Maia, deveria estar, no mínimo, no patamar nominal da Argentina, ou seja, em R$ 3. Uma diferença de R$ 0,80 centavos entre os câmbios brasileiro e argentino. “Ou seja, 36% de subsídio. Se aplicamos estes 36% sobre os US$ 25 bilhões de acréscimo dos fluxos financeiros, teremos US$ 9 bilhões este ano”.

Estado ausente
A notícia – a princípio, equivocada – de que os ataques na madrugada desta quinta-feira no Rio foram uma reação a supostas milícias que atuariam nas favelas parece que partiu de uma ONG que defende os traficantes. O erro contagiou o prefeito do Rio, Cesar Maia, que afirmou que o tráfico, sufocado, parte para fazer roubos e outros crimes. Nessa teoria, seria simples a solução para a segurança: deixar os traficantes agirem à vontade nas favelas e ficarem longe do asfalto.

Marcha lenta
Após cinco anos consecutivos de recordes de vendas, as vendas globais de automóveis devem ficar estáveis em 2007, à medida que a desaceleração do crescimento econômico reduza as vendas nos Estados Unidos, Canadá, Europa Ocidental e Japão. De acordo com o Relatório Global sobre Automóveis (Global Auto Report) divulgado pela Scotia Economics, as compras de veículos na China, Índia e América Latina continuarão em ritmo acelerado.
“As vendas de carros na China dispararam quase 40% em 2006, atingindo 4,1 milhões de unidades, superando as vendas de 3,4 milhões na Alemanha. A maioria do crescimento se concentra em carros de passeio de porte médio e pequeno, que representam agora dois terços das vendas totais de carros na China, o dobro da sua participação ao final do milênio”, declarou Carlos Gomes, especialista no setor de automóveis do Scotiabank.

Nacionais
A China deve superar o Japão e se tornar o segundo maior mercado de carros do mundo (após os Estados Unidos) antes do final da década. A penetração de veículos no mercado da China continua sendo de 24 para cada 1 mil habitantes, em comparação com 749/mil nos mercados maduros do grupo G7.
As marcas estrangeiras respondem por 75% do mercado de carros na China, mas os fabricantes nacionais de carros chineses (Geely, Chery e outros) estão conquistando uma participação significativa no mercado, justamente com modelos de pequeno e médio porte, que apresentam ganhos anuais de vendas superiores a 50%.

Peru lidera
O Brasil e o México são os maiores mercados de automóveis na América Latina, mas o Peru é o mercado de crescimento mais rápido da região. Durante os três primeiros trimestres de 2006, as vendas de veículos no Peru aumentaram 41%.

Barbárie
Depois das agências reguladoras e seus efeitos desastrosos para a economia e para os consumidores, o Brasil vive nova-velha forma de terceirização do Estado: as milícias formada por policiais e ex-policiais que substituíram os traficantes em comunidades carentes. Na verdade, apenas uma versão contemporânea dos jagunços e outros “protetores” menos afamados.

Artigo anteriorCeará com todo o gás
Próximo artigoDesconectada
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Grande produtor rural não paga impostos

Agronegócio alia força política a interesses do mercado financeiro.

Não foi a disrupção que derrotou a Ford

Mercado de automóveis está mudando, mas montadora sucumbiu aos próprios erros e à estagnação que já dura 6 anos.

Quantas mortes pode-se debitar na conta de Bolsonaro?

Se índice de óbitos por Covid-19 no Brasil seguisse a média mundial, teriam sido poupadas 154 mil vidas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Varejo sente redução no auxílio e alta da inflação

Comércio ficou estável em novembro e quebrou sequência de recuperação.

Senado quer que Pazuello se explique

Pedido de convocação para cobrar ação do Ministério da Saúde no Amazonas.

Lenta recuperação na produção industrial dos EUA

Setor ainda está 3,6% abaixo do nível anterior à pandemia.

Realização de lucros em âmbito global

Bolsas europeias e os índices futuros de NY operam em baixa nesta manhã de sexta-feira.

Desaceleração deve vir no começo do primeiro trimestre

Novo pacote de estímulo fiscal, bem como o avanço da imunização, deve garantir reaceleração em direção ao final do período.