Classes D e E seguram consumo no lar, A/B e C puxam retomada fora

O consumo em valor de bens de consumo massivo (FMCG) dentro do lar caiu 3,8% no terceiro trimestre de 2020 em comparação aos meses de abril, maio e junho, quando a vida ainda estava concentrada em casa, mas ainda assim registrou 12% de crescimento se comparado ao mesmo período do ano passado. É o que aponta o mais recente levantamento Consumer Insights da Kantar.

Grande parte desse impulso deve-se ao auxílio emergencial concentrado na base da pirâmide social, visto que 72% da classe DE e 61% da classe C declaram ter recebido o valor. De acordo com o levantamento da Kantar, esse dinheiro foi destinado para três despesas principais: compras de alimentos e bebidas (63%), pagamento de serviços básicos (47%) e abastecimento de produtos de limpeza (38%).

Já fora do lar, a flexibilização nas restrições do confinamento gerou uma estabilização na tendência de queda do consumo (+0,2%) entre julho e setembro no Brasil, porém o cenário para o consumo out of home ainda é negativo se comparado ao ano anterior (-17%). A volta de consumidores para as ruas e o desembolso de valores maiores a cada ocasião de compra são os dois fatores que ajudaram nessa estabilização. Os adultos entre 30 e 39 anos das classes A/B e C são os responsáveis por puxar essa contribuição em valor e, no geral, têm gastado até 7% mais nas refeições principais fora de casa, especialmente aos finais de semana.

No curto prazo, os gastos com bufês e cardápio aumentaram 35%, e com sanduíche e hambúrguer 27%. No entanto, os com snacks industrializados, como salgadinhos, balas e chocolates, caíram 19%.

Com a possibilidade de voltar a fazer refeições fora de casa entre julho e setembro, bares, restaurantes, lanchonetes e padarias viram os valores gastos crescerem em 59%, 11% e 36%, respectivamente, nesses meses.

A flexibilização do isolamento, juntamente com o impacto nos preços, influenciou na escolha de quais produtos o brasileiro levou para casa entre julho e setembro.

Nesse cenário, alguns alimentos se destacaram ao aumentar sua penetração, ou seja, conquistar novos lares compradores, como é o caso do pão industrializado (+11,8 p.p.), creme de leite (+8,7 p.p.) e linguiças (+8,3 p.p.). Ao mesmo tempo, alguns produtos perderam relevância, como bolo pronto (-4 p.p.), caldos (-3,8 p.p.) e salgadinhos (-2,8 p.p.). Em relação às bebidas, o consumo de embalagens maiores e retornáveis cresceu, enquanto as embalagens menores tiveram resultado contrário.

A cesta de limpeza cresceu 4% em unidades neste último trimestre, com destaque também para as embalagens maiores e econômicas, principalmente das categorias de água sanitária, desinfetante e cloro. Já a cesta de higiene e beleza cai 3,7% em unidades no curto prazo, mas categorias como cremes para pele, deo colônia, tintura para cabelo e maquiagens voltam a ganhar compradores com o retorno gradual das rotinas fora do lar.

Para o futuro, 81% dos consumidores se declaram muito preocupados com o cenário de Covid-19 e as principais citações são: 24% com a saúde das pessoas de modo geral, 16% com a falta de hospital para todos e 13% com a saúde dos filhos e crianças da família. Apenas 4% colocam economia entre as principais preocupações, mas 53% acreditam que o país estará em situação econômica pior em 2021.

No último dia 8, a SC Johnson anunciou os resultados de uma nova pesquisa que destaca mudanças importantes no comportamento de higiene entre os brasileiros durante a pandemia. Agências de saúde em todo o mundo têm enfatizado a necessidade de desinfetar as superfícies para proteção contra a doença, e o levantamento realizado pela empresa descobriu que 63% – quase dois em cada três brasileiros – mudaram seus hábitos de desinfecção em suas casas durante a pandemia.

De acordo com o estudo, brasileiros vivendo com filhos abaixo dos 18 anos mudaram seus hábitos de desinfecção durante a pandemia: 68% deles aumentaram as rotinas de desinfecção da casa para diariamente durante a pandemia – antes da pandemia, 34% mantinham uma rotina diária; 54% procuram por mais informações sobre desinfetantes antes de comprar; quase 7 em 10 (69%) afirmam que mudaram os hábitos de desinfecção durante a pandemia; e 72% pretendem manter suas rotinas de desinfecção em casa por, pelo menos, duas vezes por semana quando a pandemia acabar – antes da pandemia, 57% mantinham a rotina de desinfecção por esse mesmo período.

Pessoas que não possuem filhos em casa também aumentaram seus hábitos de desinfecção: 91% desse segmento aumentaram suas rotinas de desinfecção para, pelo menos, duas vezes por semana durante a pandemia – antes da pandemia, 46% mantinham a rotina de desinfecção por esse mesmo período; e 65% planejam desinfetar suas casas pelo menos duas vezes por semana depois que a pandemia acabar.

A pesquisa foi realizada por questionário virtual com adultos que usaram produtos desinfetantes nos últimos seis meses. No total, 3 mil pessoas pela Argentina, Brasil e México (1 mil por país) foram consultadas.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Artigos Relacionados

Covid-19: Brasil poderá superar EUA

A incapacidade de o governo adotar medidas para frear o coronavírus e os temores de que as variantes brasileiras comecem a aumentar o número...

Covid-19: Brasil poderá superar EUA

A incapacidade de o governo adotar medidas para frear o coronavírus e os temores de que as variantes brasileiras comecem a aumentar o número...

Dólar rumo aos R$ 6 engole isenção sobre diesel e gás

Mercado eleva pressão após alta de imposto para bancos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Planta da BRF é habilitada a exportar empanados para Omã

Companhia informou que sua unidade de Toledo foi habilitada pelo governo do país árabe a exportar empanados de frango.

Migrantes detidos no México sofrem com pobreza e violência

Cerca de 70 mil pessoas ainda estão em situação de vulnerabilidade extrema, segundo Médicos Sem Fronteiras.

ANS determina que planos cubram novos remédios, exames e cirurgias

Novos exames e tratamentos passaram a fazer parte da lista obrigatória de assistência, que deverá ser observada a partir de abril.

IPC-S sobe em seis capitais brasileiras em fevereiro

A inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu em seis das sete capitais pesquisadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV), na...

Trava política impede recuperação mais forte

Nesta segunda, mercados aqui foram na mesma direção do exterior em recuperação, mas sem mostrar maior tração.