Clima: desacreditado, Bolsonaro faz promessas sem presença de Biden

Presidente e vice norte-americanos deixaram reunião antes da fala do brasileiro.

A saída do presidente dos EUA, Joe Biden, após a fala do presidente argentino, Alberto Fernández, durante a reunião da Cúpula do Clima, não ficando para ouvir o breve discurso de Jair Bolsonaro, é a imagem que marca o distanciamento do Brasil com o resto do mundo. A vice-presidente norte-americana, Kamala Harris, também não assistiu ao discurso do presidente brasileiro.

Após a fala de Bolsonaro, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, deu uma entrevista em que garantiu que o governo vai dobrar o orçamento deste ano para ações de combate ao desmatamento ilegal na Amazônia. Salles não citou, entretanto, os valores, que, segundo ele, ainda estão pendentes na negociação do orçamento, dando razão a quem cobra do governo brasileiro ações concretas.

Bolsonaro prometeu aos líderes mundiais alcançar, até 2050, zero emissões de gases de efeito estufa no país, antecipando em dez anos a sinalização anterior, prevista no Acordo de Paris. Salles, na entrevista, afirmou que o governo desencadeará as ações de comando e controle contra o desmatamento ilegal a partir de 1º de maio.

Os Estados Unidos prometeram cortar as emissões de gases de efeito estufa do país entre 50% e 52% até 2030, em comparação com os níveis de 2005. Com a nova meta, espera induzir outros grandes emissores a mostrarem mais ambição no combate à mudança climática.

Na quarta-feira, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, disse que seu departamento adotará uma abordagem de “economia como um todo” para enfrentar as mudanças climáticas. “Especificamente, estamos empenhados em direcionar o investimento público para áreas que possam facilitar nossa transição para a meta zero e fortalecer o funcionamento do nosso sistema financeiro para que os trabalhadores, investidores e empresas possam aproveitar a oportunidade que o combate às mudanças climáticas apresenta”, disse ela.

“Uma estimativa situou os investimentos incrementais necessários em mais de US$ 2,5 trilhões apenas para os Estados Unidos. O capital privado precisará preencher a maior parte dessa lacuna”, disse Yellen. Página 3

Leia também:

Biden toma medidas duras para conter mudanças climáticas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.

Otimismo dos comerciantes melhora em maio

Segundo a CNC, é o maior nível desde dezembro de 2021.

Turquia quer acordo escrito para Finlândia e Suécia na Otan

Até agora, turcos têm sido os únicos membros da Otan que se opõem às propostas dos dois nórdicos.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.