Clone

O presidente do PMDB, senador Jáder Barbalho, está a um passo de virar ACM. A senha para a metamorfose depende apenas do apoio do PMDB, na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, à nomeação de Teresa Grossi para a diretoria de Fiscalização do Banco Central. Com esse gesto, Jáder oficializa como pantomina a CPI dos Bancos, da qual foi patrono. E eleva o blefe, comportamento recorrente em ACM, a postura política.
Blefe
Por falar em ACM, o presidente do Senado já prepara sua reação à decisão da equipe econômica de limitar o reajuste do salário mínimo às migalhas de sempre. Deve soltar um miado capaz de assustar uma criança de dois anos, no máximo.

Nas alturas
O presidente da Varig, Fernando Pinto, recebe, hoje, às 13h, na sede da Confederação Nacional do Comércio (CNC) no Rio, o Prêmio Mascate, dedicado pela CNC a empresários que se destacam no comércio de bens e serviços. A escolha de Pinto ocorreu por unanimidade pela diretoria da entidade, que apontou a Varig como a empresa que, “isoladamente, mais contribuiu para o turismo e o comércio exterior do País”.

Apoio
O ex-deputado Lindberg Farias, hoje no PSTU, anuncia amanhã, na Uerj, o apoio de seu partido a Vladimir Palmeira, que disputa com  a vice-governadora Benedita da Silva a vaga de candidato do PT a prefeito do Rio. Resta saber se o barulho dos militantes do PSTU compensa o desgaste trazido pela política isolacionista do partido.

Liberou geral
A decisão do presidente do Banco Central, Armínio Fraga, de liberar completamente o fluxo de dólares para o exterior, sob a alegação de que seria impossível controlá-lo, deve ter enchido de esperança a malandragem. Na mesma linha capitulacionista, poder-se-ia esperar a “flexibilização” do estupro, dos seqüestros, dos homicídios, diante dos quais os governos também têm se revelado impotentes.

Dois pesos
A decisão do Banco do Brasil de admitir ter errado na aplicação do dinheiro de 315 mil cotistas e de devolver-lhes R$ 73 milhões deu novo alento a clientes do Banco Boavista que brigam na Justiça com o banco, acusando-o de prejudicar 3.800 investidores de fundos com variação cambial. O Movimento dos Lesados pelo Banco Boavista (MLBB) questiona a defesa do banco de que dos clientes apostaram e perderam com o colapso do real, alegando que o Boavista também apostou, mas na “ponta” compradora e ganhou. Como  representante da “ponta” perdedora, o movimento taxa a instituição de banco B.O. – bom para otário.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorDura lex
Próximo artigoObstáculo

Artigos Relacionados

Bolsonaro invade TV Brasil

Programação foi interrompida 208 vezes em 1 ano para transmissão ao vivo com o presidente.

FMI: 4 fatores ameaçam inflação

Fundo acredita que preços deem uma trégua no primeiro semestre de 2022, mas...

Pandora Papers: novos atores nos mesmos papéis

Investigação mostra que pouco – ou nada – mudou desde 2016.

Últimas Notícias

Confiança de serviços recupera parte da queda de setembro

Já índice de confiança do comércio se mantém estável em outubro, ficando em 94,2 pontos, após dois meses de queda.

Mercados operam mistos no exterior

No Brasil haverá resposta ao Copom.

Elevação na Selic deve repercutir no mercado

EUA: divulgação de PIB do terceiro trimestre e balanços de grandes empresas são o foco das atenções no cenário internacional.

TSE forma maioria contra cassação da chapa Bolsonaro-Mourão

PT, PCdoB e PROS pedem cassação da chapa por cometimento de abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação.

IGP-M acumula inflação de 21,73% em 12 meses

Alta da taxa de setembro para outubro foi puxada pelos preços no atacado.