Coerência

Para quem ainda não capturou as razões do nível do incômodo causado à mídia local pela não-renovação da concessão da RCTV, na Venezuela, levantamento do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação dá boas pistas. Em 5 de outubro, vencem as concessões dos canais da Globo em Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Recife: “O PT e até Lula dizem ser democrático (e é mesmo!) o fim da concessão da RCTV, na Venezuela. Então, o governo do PT e de Lula tem de iniciar no Brasil a revisão das concessões de rádio e TV. Lula e sua base parlamentar vão renová-las (as concessões das emissoras da Globo) sem um debate amplo com a sociedade brasileira?”, cutuca o professor e jornalista Dênis de Moraes, em sua página na Internet – http://comcult.blogspot.com.

Liberdade de informação
Hoje, 85% da informação acessada estão nas mãos do complexo financeiro dos Estados Unidos e a maioria dos produtos nacionais repete as mesmas fórmulas, amplificam os valores capitalistas e consumistas e repercutem seus fundamentos ideológicos. “Os oito maiores estúdios cinematográficos de Hollywood repartem 85% do mercado mundial de cinema e ocupam 98% das exibições na América Latina; quatro corporações estadunidenses dividem 85% do mercado mundial de discos. São de língua inglesa nove dos dez escritores mais traduzidos no mundo.”
Ao mesmo tempo, os EUA mantêm sofisticado sistema de proteção cultural e importam nesse setor apenas 2% do seu consumo total.
Os dados são de palestra feita no mês passado, em Caracas, na Venezuela, por Yuri Pimentel, vice-presidente da Telesur, e reproduzidos em artigo de Sidnei Liberal para o site do PCdoB. Eles mostram que a comunicação e a informação no mundo são dominadas por um oligopólio que reproduz aquilo que interessa a seus controladores, grandes grupos financeiros e empresariais.
Oito corporações mundiais controlam os meios de comunicação desde 2000, resultado de progressivas fusões. “Eis um rico exemplo de controle oligopólico”, continua Liberal: “A Time Warner e a AOL controlam 28 editoras de livros, 38 canais de TV, 15 empresas de produção e distribuição de televisão, 79 revistas, além de numerosos sítios de Internet, 170 lojas de produtos Warner em 30 países, parques recreativos, duas produtoras de cinema e serviços telefônicos e de segurança por monitoração.”
A Reuters, adquirida em maio pela canadense Thompson Corp., por cerca de US$ 17 bilhões, é exemplo dessa concentração. É o maior grupo de notícias e dados financeiros do mundo, superando a Bloomberg. A soma dessas duas agências representa cerca de dois terços do mercado mundial de informação financeira.

Um aninho
A editora Nova Razão Cultural está completando um ano de mercado este mês. São 11 livros publicados e oito no prelo, que serão lançados até o final do ano. A editora criou o critério de perfis com o objetivo de facilitar o leitor e o livreiro na hora de optar pelo livro.

Prorrogação
A participação nas comemorações da conquista da Copa do Brasil, após 23 anos sem um título nacional, não ficou restrita aos torcedores do Fluminense. Pelo menos no Rio, foi extensiva, compulsoriamente, a todos vizinhos do clube das Laranjeiras, tricolores ou não. Além dos festejos comuns às outras torcidas e que varam a madrugada que segue a uma conquista importante, os vizinhos do clube foram acordados às primeiras horas do feriado de Corpus Christi com fogos, gravações a todo volume com a narrativa de gols da campanha tricolor e a repetição exaustiva do hino do Fluminense. Vários moradores, ao fim do dia, sabiam a letra na ponta da língua, mesmo sem jamais terem posto um pé num campo de futebol

Carrinho
Quem também celebrou, em muito, o título do Fluminense foi o prefeito do Rio, o botafoguense César Maia (DEM). Os guardas municipais que atuaram durante o feriado nas ruas ao redor do Estádio das Laranjeiras carregavam ao fim do dia verdadeiras coleções de multas aplicadas por estacionamento irregular, sem contabilizar o faturamento da Prefeitura com o pagamento do reboque de um número incalculável de veículos dos torcedores.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Brics+ será gigante em alimentos e energia

Bloco ampliado desafia EUA rumo a nova ordem mundial.

Para combater Putin, adeus livre mercado

Teto para preço do petróleo é nova sanção desesperada do G7.

Inflação engorda lucros de bilionários de energia e alimentos

Fortunas dos ricaços desses 2 setores aumentaram US$ 1 bilhão a cada 2 dias desde 2020.

Últimas Notícias

Exterior cauteloso pode prejudicar negócios locais

Índices futuros acionários em Nova Iorque operam em queda significante: temores relacionados a uma possível recessão nos EUA.

Marrocos quer se desenvolver como polo de tecnologia

Setor digital emprega 120 mil pessoas no país; país tem investido em acordos e memorandos para aumentar investimento na área.

Ipea prevê crescimento de 1,8% para o PIB em 2022

Setores de agropecuária e industrial devem mostrar relativa estabilidade; ´para 2023, a estimativa é de variação positiva de 1,3%.

Receita paga hoje restituições do segundo lote do IR

Estão sendo depositados R$ 6,3 bi a 4,25 milhões de contribuintes; já o prazo de entrega da declaração anual do MEI termina nesta quinta.

Crise leva 65% dos brasileiros a comprarem marcas mais baratas

Inflação derruba poder de compra, mas é favorável a investimento; para Proteste, dificuldade em pagar contas também é consequência da crise.