Coincidência?

Não poderia ser com mais falta de timing o lançamento da candidatura do ministro da Saúde, José Serra, à Presidência. Coincidiu com manchetes sobre o agravamento da epidemia de dengue no Rio de Janeiro. E não há quem convença o eleitor que o mosquito é municipal, ou estadual.

Deus & o pateta
Carente da legitimidade popular, negada aos perdedores de eleição, o presidente Eduardo Duhalde se equilibra no fio da navalha destinado aos que acendem uma vela a Deus e outra ao diabo. Pressionado pela falta de liquidez que permita acelerar o fim do confisco, retoma as ligações perigosas com o FMI que derrubaram De la Rúa e Cavallo.
Para satisfazer ao diabo – ou pateta, como se diz em espanhol – tem de transferir o pagamento da conta da crise da banca para os correntistas e para o setor produtivo, transformando poupança em dólar em perdas de pelo menos 30% em peso. Ao descumprir sua principal promessa de campanha – honrar na moeda original os depósitos bancários – arrisca-se a não contar com apoio nem da própria família, como mostra a presença de sua  filha nos “panelaços”.
Não se trata de uma escolha de Sofia, mas de opções antípodas: entrar para a História ou sair pelos fundos da Casa Rosada, ainda que à saída esteja a esperá-lo um desses cargos de consultoria financeira que costumam brotar, como brinde previsível, diante de ex-governante$ com viés financeiro$.

É a volta do Maílson?
Esta coluna não resiste à curiosidade: afinal, se eleita for, Roseana Sarney vai nomear para o Ministério da Fazenda Maílson da Nóbrega? Campeão nacional de inflação – 84% em março/90 – Maílson, último ocupante do cargo no longo governo Sarney, é hoje um dos mais bem-remunerados consultores financeiros do país e muito festejado por PFL e PSDB.

Não é panacéia
O presidente da Associação de Economistas da América Latina e Caribe (Aealc) e membro do Conselho Editorial do MM, Adhemar Mineiro, alerta que a adoção de uma moeda única para o Mercosul – tema que será debatido na reunião de cúpula do bloco, em fevereiro, no Uruguai – não pode ser uma espécie de pronto-socorro para a crise Argentina. Para Mineiro, a crise argentina não se limita à fragilidade de sua moeda. O problema, tanto lá como aqui, é a dependência externa, frisa o economista, que, no entanto, considera a moeda única importante no longo prazo desde que inserida num processo de integração regional consistente: “A moeda comum deve estar vinculada a um projeto comum de desenvolvimento, que ainda está longe de atingir o amadurecimento. Tem de ser discutida como elemento de um contexto mais amplo”, defende.

Volta à agenda
A professora Lia Valz, da Fundação Getúlio Vargas (FGV-RJ), concorda com Mineiro, mas acredita que podemos estar diante do renascimento do Mercosul. “É precipitado implementar uma moeda única neste momento, mas discuti-la é uma sinalização de que o Mercosul voltou a ser importante para a Argentina”, destaca. Ela também lembra que a moeda única exige uma agenda prévia de integração. “Há um caminho longo a percorrer, a começar pela harmonização de uma série de políticas de tributo, macro e micro econômicas”, lista.

Para inglês ver
Afinal quando e onde o ministro Raul Jugman vai entrar com o prometido processo contra a Neesweek?

Para inglês ver II?
E o prefeito César Maia vai informar o número do processo que prometeu abrir contra o meteorologista do Inmet?

Artigo anteriorRadar
Próximo artigoDesce
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

G20 analisa aumentar taxação de corporações, mas…

Proposta tem que ser vantajosa para todos, não só para as sedes das multinacionais.

Botes salva-vidas para a classe A

No mundo de negócios, é tudo uma questão de preço.

Mortes dos essenciais

Aumentam em mais de 50% óbitos de caixas, frentistas e educadores.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

‘Eu quero uma casa no campo…’

Êxodo urbano: mais de 1,3 milhão de famílias brasileiras pretendem migrar para áreas rurais.

Direita vence no Equador

Banqueiro Guillermo Lasso vence socialista Andrés Arauz no segundo turno da eleição.

Mercados internacionais abrem com cautela

Enquanto isso acontece lá fora, aqui Ibovespa ensaia leve alta.

Semana começando sob tensão

Desde a semana passada, segue a novela do Orçamento.

Eleição no Peru está indefinida. Empate técnico entre 5 candidatos

Primeiro turno será no domingo. segundo turno está previsto para o dia 6 de junho.