27.9 C
Rio de Janeiro
sábado, janeiro 23, 2021

Com 200 mil mortes, governo insiste que vacina não será obrigatória

Com mais 968 óbitos registrados nesta quinta-feira, o Brasil ultrapassou a marca de 200 mil mortos por coronavírus. Nunca uma doença matou tanto quanto a Covid-19. A segunda causa, doenças isquêmicas do coração, causa em média 109.847 falecimentos por ano. Em 10 meses de pandemia, a Covid-19 provocou uma média de 20 mil mortes por mês.

No mesmo dia em que a simbólica marca foi ultrapassada, o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, voltou à TV para defender a atuação do governo – o Brasil é o segundo país em números absolutos de morte por Covid, atrás apenas dos Estados Unidos – e reiterou que, no que depender do governo a vacinação não será obrigatória.

“São quase 10 milhões de pessoas com infecção confirmadas; e a maioria destas, assim como a maioria das mortes, concentram-se entre os mais pobres, que sempre tiveram acesso precário à saúde, à educação, ao saneamento básico e à moradia digna”, lembra, em nota, a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco).

“Nossas entidades manifestam o seu mais profundo pesar pelas vidas perdidas, muitas das quais evitáveis e resultado da inação e da irresponsabilidade dos mandatários da nação para o enfrentamento da pandemia. Sentimo-nos entristecidos pelo sofrimento incalculável dos milhões de brasileiras e brasileiros infectados e mortos pela Covid-19 e de seus familiares”, prossegue a entidade.

“Precisamos de mais investimentos no SUS, tendo a saúde como direito de todas as pessoas e a manutenção da ajuda financeira emergencial com sua transformação em renda básica universal”, finaliza a Abrasco.

Leia mais:

Saúde dos EUA pode ter ‘colapso total’ em meio a pico de Covid

Agência europeia aprova vacina contra Covid

Artigos Relacionados

Indústria rejeita retrocesso à jurássica lógica colonialista

Entidades criticam 'visão rasa' de que Brasil deveria se concentrar na agroindústria.

Reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação

Em dezembro, o reajuste salarial no Brasil ficou abaixo da inflação (-0,9%). É o que revela o boletim Salariômetro, divulgado nesta sexta-feira pela Fundação...

Proposta do governo é armadilha para caminhoneiros

Categoria ameaça parar dia 1º, o que poderia afetar distribuição de vacinas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Copom está alinhado com maioria da expectativa do mercado

Considerando foco na inflação de 2022, estamos considerando agora que BC começará a aumentar Selic em maio e não em agosto.

Primeira prévia dos PMI’s e avanço da Covid-19

Bolsa brasileira sucumbe ao terceiro dia de queda, mediante aos temores fiscais.

Exterior em baixa

Queda acontece em meio às preocupações com problemas para obtenções de vacinas.

Más notícias persistem

Petróleo negociado em NY mostrava queda de 2,60% (afetando a Petrobras), com o barril cotado a US$ 51,75.

Mercado reagirá ao Copom e problemas internos

Na Europa, Londres teve alta de 0,41%. Frankfurt teve elevação de 0,77%. Paris teve ganhos de 0,53%.