Maior consumo de energia eleva interesse por painéis solares

Brasil está próximo de um salto histórico no seu mercado de energia

42
Painéis de energia solar em telhado, geração distribuída
Painéis de energia solar em telhado (Foto: José Cruz/ABr)

O aumento no consumo de energia elétrica no Brasil, impulsionado sobretudo pela onda de calor que atingiu várias regiões nos últimos meses, tem elevado o interesse do consumidor pela instalação de painéis solares como alternativa de eficiência energética e redução de gastos.

De acordo com levantamento na plataforma da fintech Meu Financiamento Solar, o volume de simulações de crédito cresceu 20% no mês de novembro em comparação com outubro.

Pela análise, a queda recente da taxa Selic, que saiu de 13,25% em agosto para os atuais 12,25%, é outro fator que impulsionou o crescimento da procura por energia solar tanto para residências quanto para empresas.

Outro ponto fator de crescimento da procura por painéis solares é a proteção contra a inflação energética, que blinda o consumidor das oscilações tarifárias que podem acontecer com escassez hídrica e aplicação de bandeiras vermelhas.

Espaço Publicitáriocnseg

Somente nos telhados das residências brasileiras, a energia solar já representa mais de R$ 60,5 bilhões de investimentos acumulados no País. A potência instalada nas casas dos brasileiros ultrapassa a marca de 12 GW, quase a capacidade da usina de Itaipu, a segunda maior do mundo e que possui 14 GW.

Pelo estudo, a tecnologia fotovoltaica está presente em mais de 1,6 milhão de residências espalhadas em cerca de 5,5 mil municípios, de todas as regiões brasileiras.

Nesse próximo ano entra em vigor a Portaria 50/2022 do Ministério de Minas e Energia (MME), que autoriza qualquer consumidor ligado ao sistema de alta tensão – o chamado Grupo A – a migrar para o mercado livre. O setor estima que 165 mil novos consumidores possam fazer a migração do mercado cativo procurando preços melhores.

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) mais de 8,7 mil consumidores já haviam entrado com o pedido de migração – isso deve ser feito com 06 meses de antecedência. Para a Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), 24 mil consumidores devem se retirar do mercado cativo em 2024. Isso se justifica porque a nova regre vai permitir que 37 mil consumidores do total de 202 mil que o país tem em alta tensão possam fazer a opção pelo ambiente de comercialização livre. O mercado livre já atende 90% da indústria permitida pelas regras atuais e a Confederação Nacional da Indústria (CNI) estima que mais de 55% das unidades que vão se encaixar nas novas regras querem fazer a migração.

O Brasil tem hoje mais de 510 comercializadoras de energia.

Atualmente está no Congresso Nacional a abertura total do mercado em 2026 para clientes comerciais de baixa tensão e dois anos depois, em 2028, para clientes residenciais e rurais. Há uma discussão sobre o assunto sobre os contratos com as distribuidoras do mercado regulado e com os geradores de energia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui