Com limitações

Os desafio feito pelo TSE aos hackers para atestar a segurança da urna eletrônica brasileira pode ser um artifício para impedir a adoção do controle do sistema de votação eletrônica através da impressão do voto. O engenheiro Amilcar Brunazo Filho, um dos maiores especialistas no tema, lembra que, em agosto, o Senado retirou do projeto de mini-reforma eleitoral o artigo, aprovado pela Câmara dos Deputados, que criava a auditoria independente da votação, através da recontagem de um percentual dos votos impressos.
O projeto voltou à Câmara e sua votação está prevista para semana que vem, com grandes chances de a impressão do voto voltar a constar do projeto. Brunazo ironiza o “timing” do TSE, que fez a proposta do “teste de segurança” justamente às vésperas da votação na Câmara.
O especialista informa que foram PT e PDT que solicitaram, ainda em 2006, os testes; depois, o pedido foi apoiado pelo PR. Porém, os partidos desistiram de participar do teste, “porque vislumbraram que as regras seriam (e são) limitadoras”.

Patologia
Se a esquizofrenia é uma doença de sérias consequências na vida de quem dela sofre, danos maiores pode causar a quem padece da patologia na área econômica. Depois de verem ruir em poucos meses os pilares do Estado mínimo que defenderam por anos a fio, economistas e assemelhados neoliberais preferem se manter alheios à realidade, que desmente suas teorias.
Especificamente no Brasil, a fuga da realidade se dá no momento em que o Brasil ensaia uma recuperação, turbinada pela quebra dos dogmas do superávit primário. Ao mudar a política e aumentar – ainda que timidamente – os gastos públicos, o governo virou um jogo que tinha tudo para caminhar para o mesmo resultado que no México ou outros países que ainda se aferram ao dogma neoliberal.
A “responsabilidade fiscal” (que no Brasil assumiu a forma de pagamento dos juros mais altos do Universo conhecido) não fez o país entrar mais tarde na crise e dela sair mais cedo, como insistem – para ver se eles mesmos acreditam – os analistas neoliberais. Ao contrário, o Brasil entrou de cabeça na crise e foi o segundo país (atrás apenas dos EUA) a mais demitir, no final do ano passado.
Além disso, sofreu mais que seus pares em desenvolvimento – ou emergentes, como reza a nova terminologia – incluindo nesse grupo a vizinha Argentina. Insistir na visão de quem se afasta da realidade só levará à repetição do que vinha ocorrendo nos últimos anos: crescimento inferior ao dos países que caminham para serem os protagonistas do novo século.

Volta à pauta
O deputado federal Hugo Leal (PSC-RJ) vai propor a formação de uma Comissão Especial na Câmara dos Deputados para elaborar uma proposta de emenda constitucional (PEC) ou projeto de lei (PL) para reintroduzir a obrigatoriedade do diploma de Jornalismo para o exercício da profissão. O objetivo é formalizar na comissão uma proposta para unificar todas iniciativas apresentadas sobre o assunto no Congresso Nacional: “Com a participação proporcional de todos os partidos, em cinco ou seis sessões, com pedido de urgência, será possível votar a proposta no plenário até o final deste ano”, prevê Leal.

Licitação
O programa Progredir, do Crea-RJ, oferecerá no dia 21 próximo a palestra “Licitar Obras e Serviços de Engenharia – Aspectos Jurídicos”, ministrada pelo advogado e diretor do HdG, Arthur Hannig da Gama. A palestra é gratuita e será realizada das 18h30 às 20h, na sede do Crea (Rua Buenos Aires, 40, Centro). Informações pelo telefone (21) 2179-2087 ou no site www.crea-rj.org.br

Limites
Do conselheiro da OAB/RJ Sérgio Batalha Mendes, no artigo Julgamento de Battisti: “STF usurpa poderes do Presidente da República” (www.viomundo.com.br/voce-escreve/julgamento-de-battisti- stf-usurpa-poderes-do-presidente-da-republica), criticando a pretensão, ainda que por maioria precária e transitória, do Supremo Tribunal Federal (STF) de avocar para o Judiciário a decisão sobre o direito de conceder ou não asilo político: “Qual será o próximo passo? O STF irá decidir sobre a compra dos caças franceses ou sobre o modelo de partilha no pré-sal? Não há limite para o golpismo de uma parte de nossa elite e temos de reagir vigorosamente, exigindo o respeito pelo STF de suas competências constitucionais. O povo brasileiro não elegeu nenhum ministro do STF para governar o país, muito menos para usurpar os poderes legitimamente conquistados nas urnas pelo presidente Lula.”

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorPetroguerra
Próximo artigoEm busca do turista

Artigos Relacionados

Rio manda R$ 2,4 tri para União e só recebe R$ 171 milhões

Estado é um dos mais prejudicados da Federação.

Não, a Petrobras não quebrou

Na época em que os preços dos combustíveis não eram descontrolados, caixa da estatal era superior ao atual.

Hood Robin e o ICMS nos combustíveis

Reduzir impostos tira da sociedade para dar a poderosos.

Últimas Notícias

Electrolux lança desafio para arquitetos e designers de interiores

A Archademy, primeiro Market Network de Arquitetura e Design de Interiores do Brasil, abre inscrições para a edição do seu Archathon Electrolux 2022. O...

Gestão do Hopi Hari ganha na justiça e se mantém no parque

A gestão do Parque Temático Parque Hopi Hari acaba de obter decisão favorável, proferida pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, para...

Bancos chineses registram compra líquida de divisas em 2021

Os bancos chineses registraram uma compra líquida de divisas em 2021, pois a taxa de câmbio do iuan permaneceu geralmente estável e os fluxos...

RNI: Plano de negócio tem o melhor resultado dos últimos 7 anos

Prévia do 4T21 da construtora e incorporadora RNI, do grupo Empresas Rodobens, indica resultados superiores aos últimos sete anos. A empresa, que completou 30...

Chile quer renacionalizar cobre e bens públicos estratégicos

A campanha pela renacionalização do cobre e dos bens públicos estratégicos entregues às transnacionais durante o governo de Augusto Pinochet (1973-1990) tem sido impulsionada...