Com liquidação de 50%, TCU segue venda da Eletrobras

Para ministro, patrimônio está subavaliado.

O Tribunal de Contas da União (TCU) formou maioria para aprovar a primeira etapa da capitalização da Eletrobras nos moldes desejados pelo governo. Seis ministros acompanharam o voto do relator do processo, Aroldo Cedraz.

O único ministro da Corte a votar contra a venda da estatal foi Vital do Rêgo. Ele apresentou um relatório sobre a Eletrobras em que mostra que o patrimônio, avaliado em R$ 67 bilhões, vale, na verdade, pelo menos R$ 130,4 bilhões, ou seja, quase o dobro. O ministro criticou a possibilidade de privatização, algo que, afirmou, “nenhum país” com produção elétrica proveniente de energia hidráulica fez até hoje. “Estados Unidos, China, Canadá, Suécia, Noruega, Índia, Rússia… nenhum deles”, disse.

Matéria do Monitor Mercantil mostra que o valor da Eletrobras pode ser ainda maior e chegar a R$ 230 bilhões.

No relatório, o ministro afirmou que as 22 hidrelétricas da Eletrobras, que detêm 50% dos reservatórios do Brasil, já estão “completamente amortizadas e depreciadas”. “Em tese, a partir de então, toda a população passaria a usufruir de todo esse investimento já feito e liquidado”, o que poderia significar contas de energia mais baratas para o consumidor. “Contudo, com a desestatização em curso, o aproveitamento desses investimentos já amortizados será transferido à iniciativa privada, sem qualquer garantia de modicidade tarifária”.

“Em outras palavras, a sociedade arcou com os custos de construção e instalação dessas UHEs, mas, depois de prontas e pagas, não poderá delas usufruir de forma direta. Além disso, poderá ter uma conta para pagar de R$ 100 bilhões nos próximos 30 anos”, destacou Vital do Rêgo em seu relatório.

Com a decisão, o Governo Bolsonaro pode dar continuidade às etapas da privatização. Na segunda etapa, prevista para março, o TCU vai analisar o modelo de venda proposto. A ideia é que a União deixe de ter cerca de 70% do capital votante e passe a ter em torno de 45%. Nenhum acionista poderá votar com mais de 10% do capital.

Além do ministro Walton Alencar Rodrigues, voto que determinou a maioria pela aprovação, também votaram pela aprovação da desestatização da Eletrobras os ministros Benjamin Zymler, Raimundo Carreiro, Augusto Nardes e Jorge Oliveira. Apesar de contar com nove ministros, apenas sete estavam aptos a votar.

Leia também:

Subavaliação ‘gigantesca’ expõe erros na privatização da Eletrobras

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico

Estados reduzem ICMS, mas dólar pode elevar combustíveis

Ao menos 11 governos anunciaram queda do imposto.

Fertilizantes e óleo reduzem superávit da balança comercial em junho

Governo reduz projeção para o ano: US$ 81,5 bilhões.

Últimas Notícias

Ford Brasil: Centro global de exportação de serviços de engenharia

Projetos de ponta voltados ao futuro da mobilidade, como veículos elétricos, autônomos e conectados. 

Senado vai analisar vetos na Lei Aldir Blanc

Existe uma fila de 36 vetos aguardando votação dos senadores e deputados

Caixa: desconto de até 44% para regularizar penhor em atraso

As unidades com serviço de penhor disponível podem ser consultadas no site da Caixa

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Acqio inclui transações via Pix em suas soluções de pagamento

Em abril os pagamentos feitos via Pix atingiram a marca histórica de 11,5%, no comércio eletrônico