Com o Rio em crise, comércio vendeu -4,4% fevereiro

O comércio lojista da Cidade do Rio de Janeiro vendeu menos 4,4% em fevereiro em relação ao mesmo mês de 2017. É o...

O comércio lojista da Cidade do Rio de Janeiro vendeu menos 4,4% em fevereiro em relação ao mesmo mês de 2017. É o segundo resultado negativo do ano (janeiro registrou menos 3,7%). Os dados são da pesquisa Termômetro de Vendas divulgada mensalmente pelo Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio), que abrange cerca de 750 estabelecimentos comerciais da cidade. No acumulado do ano (janeiro/fevereiro de 2018) em comparação com o mesmo período de 2017 as vendas caíram 4%. Em comparação com o mês anterior (janeiro) o índice foi de menos 9,2%.

– Normalmente fevereiro é um mês fraco em termos de vendas. É um mês curto (este ano teve 28 dias e com apenas 23 dias úteis de vendas) e tem as férias, quando muita gente viaja. Além disso, é também nos dois primeiros meses do ano que recaem diversos pagamentos de impostos como IPVA, IPTU e matrícula escolar. Mas o resultado negativo refletiu mais uma vez a crise econômica, especialmente a do Estado do Rio de Janeiro, que vem afetando as atividades produtivas, principalmente o comércio – diz Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio.

A pesquisa mostra também que todos os setores do ramo mole (bens não duráveis) e do ramo duro (bens duráveis) apresentaram resultados negativos. Os que tiveram as maiores quedas no faturamento no ramo mole foram tecidos (-7,7%), calçados (-5%) e confecções (-3,7%) e no ramo duro (bens duráveis) jóias (-8,1%) óticas (-5,8%), eletrodomésticos (-4,6%) e Móveis (-2,1%). A venda à vista com menos 5,1% e a venda a prazo com menos 3,9% foram as formas de pagamento preferidas pelos consumidores.

Também o faturamento das lojas conforme a localização dos estabelecimentos foram negativos. No ramo mole (bens não duráveis) as lojas da Zona Sul venderam menos 5,3%, as da Zona Norte e do Centro, ambas, com menos 3,1%. No ramo duro (bens duráveis) as lojas do Centro, da Zona Norte e da Zona Sul venderam menos 6,9%, 4,7% e 3,2%, respectivamente.

A pesquisa mostra também que a inadimplência no comércio lojista da Cidade do Rio de Janeiro aumentou 0,8% em fevereiro em relação ao mesmo mês de 2017, de acordo com os registros do Serviço Central de Proteção ao Crédito do CDL-Rio. É o menor crescimento para o mês de fevereiro desde 2016. As dívidas quitadas, que mostra o número de consumidores que colocaram suas dívidas em dia aumentaram 1,7% e as consultas, item que indica o movimento do comércio, diminuiram 4,8%, também em relação ao mesmo mês de 2017. Em relação ao mês anterior (janeiro) a inadimplência aumentou 4% e as consultas e as dívidas quitadas diminuíram, respectivamente, 5,9% e 18.4%. No acumulado dos dois primeiros meses do ano (janeiro/fevereiro) em relação ao mesmo período do ano anterior, a inadimplência cresceu 0,6% (menor índice desde de 2011) as consultas recuaram 5,3% e as dívidas quitadas cresceram 0,2%.

Segundo o registro de cadastro da entidade, as consultas ao LIG Cheque em fevereiro em relação ao mesmo mês de 2017, a inadimplência aumentou 0,5% e as consultas e as dívidas quitadas diminuíram, respectivamente, 6,2% e 1,4%. Em relação ao mês anterior (janeiro) a inadimplência aumentou 1% e as consultas e as dívidas quitadas caíram, respectivamente, 7,5% e 14,2%. No acumulado dos dois primeiros meses do ano (janeiro/fevereiro) em relação ao mesmo período do ano passado, as consultas e as dívidas quitadas recuaram, respectivamente, 6,6% e 4,1% e a inadimplência cresceu 0,6%.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Black Friday: sobe para 95% número de lojas físicas que vão participar

Lojistas acreditam que eletrodomésticos, eletrônicos/informática, smartphones, moda e artigos para casa e decoração serão os produtos mais procurados.

Baixada: quase 85% das cidades têm situação fiscal crítica ou difícil

Segundo a Firjan, entre os 77 municípios avaliados, Guapimirim está na última colocação do ranking; Magé está na 76ª; e Paracambi, na 72ª.

União Química abrirá centro de distribuição no RJ

O Estado do Rio de Janeiro ganhará uma unidade da farmacêutica União Química, no município de Itatiaia, no Sul Fluminense. O anúncio foi feito...

Últimas Notícias

Campos Neto vai à Câmara explicar conversa com banqueiro

A Comissão de Trabalho, Administração e Serviços Públicos da Câmara aprovou nesta terça-feira pedido do deputado Rogério Correia (PT-MG) para que o presidente do...

Marfrig lucra R$ 1,7 bi no terceiro trimestre de 2021

A Marfrig, produtora de hambúrgueres e uma das maiores empresas de carne bovina do mundo, apresentou à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), nesta terça-feira,...

Covid: Aéreas terão de fiscalizar regras de entrada nos EUA

As empresas aéreas serão responsáveis por exigir dos passageiros que viajam do Brasil para os Estados Unidos a comprovação de vacinação contra a Covid-19...

Relatório da CPI da Pandemia vai para a PGR

Por 7 votos a 4 a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia aprovou o relatório final de Renan Calheiros (MDB-AL) que pede punição...

TCU alerta sobre comprometimento de despesas

O risco de comprometimento da capacidade operacional dos órgãos federais para a prestação de serviços públicos essenciais aos cidadãos foi alertado pelo Tribunal de...