Comandante

Comentário de um leitor no site Conversa Afiada: “Se Pinheirinho fosse no mar, o Geraldo Alckmin ia dizer que não salvou o povo porque ele escorregou e caiu dentro de um bote.”

Soberano indeciso
Ex-diretor do Instituto Nacional de Estatísticas e Estudos Econômicos da França e diretor de pesquisas do Centre National de la Recherche Scientifique e  da presidência da Associação Francesa de Economia Política, o economista André Orleán, sustentou, em entrevista, ao jornal Le Monde esta semana, o que, embora óbvio, é indizível pela maioria dos seus pares: quem governa hoje a Europa é o mercado, mas, não o mercado de bens tangíveis, mas o de capitais: “O poder político se conforma às suas prioridades e teme suas avaliações”, observa, acrescentando que o mercado financeiro é um soberano indeciso e incoerente.

Fim da democracia
Orleán, que acaba de publicar o livro L”Empire de la Valeur, Refonder l”Economie, afirma que, historicamente, o primado da política sobre a economia se baseava no controle dos bancos centrais. Ou seja, os BCs eram diretamente submetidos ao poder político, o que deixou de ocorrer na Europa, onde o Banco Central Europeu (BCE) obedece apenas ao sistema financeiro internacional. Para Orléan, tal anomalia constitui-se numa ameaça de morte à democracia européia. E observa que a autonomia do BCE implica o fim da democracia na região.

Meu pirão primeiro
Até o meio-dia desta quarta-feira, mais de 30 mil portugueses já haviam assinado a petição online que pede a demissão do presidente da República, Cavaco Silva. Ele está sob pressão após cometer uma gafe ao reclamar dos efeitos dos cortes orçamentários e da recessão econômica sobre seus próprios ganhos. Estima-se que Cavaco Silva tenha um rendimento 11 vezes superior à média dos ganhos dos portugueses. Segundo o texto da petição, o presidente recebe pensões num total acumulado 10.042 euros (em 2011), “sendo uma delas através do Banco de Portugal, a qual não esteve sujeita aos cortes aplicados aos restantes cidadãos da República Portuguesa”.

Ação entre amigos
O Governo de Portugal está prestes a colocar 6,6 bilhões de euros nos três grandes bancos privados do país – BCP, BES e BPI. Em troca, o Estado não vai ter direito a sequer uma ação em qualquer uma das três instituições, denunciam os jornais portugueses. A fórmula heterodoxa para permitir este escândalo – ainda maior se considerar que Portugal corta pensões e aposentadorias a partir de 600 euros – são instrumentos híbridos de capital contingente, conhecidos por CoCos, que poderão ser emitidos pelos três bancos e subscritos pelo Estado, segundo as novas regras do Banco de Portugal.

Alvo errado
Sem condições e vontade de enfrentar a banca, o Ministério das Finanças grego sai à caça de devedores de impostos: publicou uma lista com os nomes de 4.152 contribuintes que devem ao fisco quase 15 bilhões de euros em impostos. O primeiro nome da lista é Nicos Kasimatis, um empresário de 57 anos próximo do partido conservador Nova Democracia. Segundo o governo grego, Kasimatis tem uma dívida de 952 milhões de euros. Ele está preso desde 2009, condenado a 504 anos de prisão por evasão e fraude fiscal. Ex-jogadores e empresários ligados ao esporte também estão entre os nomes mais conhecidos.
De acordo com o jornal espanhol El Pais, pelo menos 15 contribuintes devem ao Estado mais de 100 milhões de euros cada um, e outros 15 são cobrados por dívidas entre 50 e 100 milhões de euros.
Na semana passada, a polícia grega já havia detido uma série de cidadãos no país, por acumularem milhares de euros de impostos em dívida.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorCaminho
Próximo artigoMula sem cabeça

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.