Combate à discriminação e assédio nas empresas

127

Violência, discriminação e assédio baseado em gênero é um dos temas de destaque nesta segunda-feira (10), na agenda de compartilhamento de boas práticas que antecede a Semana de Sustentabilidade 2024 do BID Invest, programada para 11 a 13 de junho, em Manaus, com participação de representantes do setor privado da América Latina e Caribe.

A abordagem ganha especial relevância levando em conta que quase metade das mulheres que trabalham na região já enfrentaram assédio sexual no trabalho, conforme levantamento da Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) da Organização das Nações Unidas. No Brasil, onde as estatísticas são ainda mais elevadas, a legislação obriga empresas a criarem canais de acolhimento e denúncia (Lei 14.457/22).

Já organismos nacionais e internacionais vêm elaborando recomendações sobre o tema para empresas para as quais concedem financiamento. O BID Invest desenvolveu uma Nota de Orientação sobre como gerenciar reclamações sobre violência e assédio de gênero em conjunto com a Veredas DH, consultoria especializada em Direitos Humanos. sócias-fundadoras da consultoria, Joana Zylbersztajn e Mayra Cotta são as responsáveis pela apresentação.

“A criação de um canal de escuta e denúncia é apenas o primeiro passo do processo de apuração de ocorrência de discriminação e assédio nas empresas. É preciso criar também as ferramentas necessárias para de fato apurar e resolver os casos apresentados pelas vítimas, em prol da credibilidade do canal e da resolução efetiva das denúncias de assédio”, pontua Joana Zylbersztajn.

Espaço Publicitáriocnseg

Mentora do primeiro curso do país de Apuração de Casos de Assédio, criado pela Veredas DH, Mayra Cotta destaca que o gerenciamento dos canais de escuta e denúncia constituem ainda hoje um grande desafio para as empresas.

“Após mais de um ano do prazo limite dado pelo governo para adaptação à Lei 14.457/22 e criação dos canais, muitas organizações não conseguiram ainda estruturar um sistema eficiente de apuração dos casos de assédio e de responsabilização efetiva e justa da má conduta no âmbito corporativo. Para que isso ocorra, é essencial qualificar de forma adequada as pessoas responsáveis pela gestão dos canais”, destaca.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui