Combate ao vírus não passa de manipulação em larga escala

Por José Carlos de Assis.

Opinião / 16:04 - 19 de mar de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A histeria mundial em torno do coronavírus remete diretamente ao Ensaio sobre a Cegueira, do genial escritor português José Saramago. Entre nós, a cegueira se aplica a diferentes campos, desde o da manipulação política ao regime religioso (inclusive os chamados pentecostais). Na história de Saramago, todos vão progressivamente ficando cegos, destruindo as relações pessoais, familiares e de amizade. Só escapa, milagrosamente, uma mulher. Será ela que controlará as relações sociais e a regeneração progressiva da cidade suja.

É uma metáfora sem paralelo. Não vou narrá-la porque não quero tirar dos leitores o prazer de saborear página por página dela. Contudo, vale a pena ver os paralelos. A forma como a Organização Mundial da Saúde está tratando o combate ao coronavírus, arrastando outros sistemas públicos de saúde no mundo para um combate histérico ao vírus, é absolutamente irresponsável. Está se movendo segundo a cegueira de Saramago. E tem elementos religiosos charlatães porque explora a ignorância do povo.

 

Aqueles que não estão cegos entenderão

que em algum lugar existe luz do sol

 

Não sou cientista da área da saúde. Contudo, o que aprendi no curso de doutorado em Engenharia da Produção me possibilita concluir, com toda a certeza, que os níveis de letalidade do coronavírus atingem sobretudo idosos e doentes, sem afetar de forma alguma os jovens e o conjunto da população. Estes pegam gripe. Na Itália, onde se concentram os maiores casos na Europa, a letalidade é muito pouco significativa, e atinge, conforme observado, principalmente idosos e doentes. Contudo, qual foi a origem dessa pandemia verbal mundial?

Em primeiro lugar, pode ter sido um ataque biológico da CIA à China, que teria saído do controle, algo que autoridades chinesas já denunciaram formalmente. Pode ter sido, por outro lado, condições bioquímicas favoráveis à propagação do vírus em Wuhan, em razão de alta poluição e outros fatores atmosféricos. Não sabemos se a Ciência poderá rastrear o vírus, mas tendo em vista as atividades pregressas dos Estados Unidos, bem documentadas, no campo da agressão ilegal a outros países, há dúvidas sobre seu papel a no episódio.

Independentemente da eficácia de seu tratamento, o coronavírus, não mais que uma gripe, cria embaraços para milhões de pessoas, o que acabou estabelecendo uma sobrecarga para serviços hospitalares. É um exagero. Como disse acima, a letalidade do vírus não é maior que uma gripe comum, para pessoas da mesma idade. Isso significa que aqueles que não estão cegos – a personagem-mulher de Saramago, que acordou os outros – acabarão entendendo que em algum lugar do planeta existe luz do sol.

Sem considerar metáforas, as iniciativas de saúde no Brasil, acompanhando as de praticamente todos os países, parecem a um governo desacreditado e incompetente uma oportunidade única de aparecer. O coronavírus fez com que fosse escondido o infame projeto de privatização das estatais da água, a devastação da Amazônia, a degradação do sistema previdenciário, a crise demolidora na bolsa de valores, o esgotamento das reservas cambiais. Ah, me esqueci: tudo isso vai acabar com as reformas, para salvar o país!

José Carlos de Assis

Economista e jornalista.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor