Comercializadora brasileira levará energia à Argentina

Quarta usina de Cuiabá entra em operação nesta quarta-feira

O Brasil começou no último sábado a exportar energia para Argentina. Isso está sendo feito por meio da comercializadora nacional Tradener, com sede em Curitiba. E a zero hora desta quarta-feira estará em operação a Usina Ambar de Cuiabá, a quarta companhia a fornecer energia ao país vizinho.

A Tradener recebeu a autorização do Ministério de Minas e Energia no dia 9 de julho. Já estão gerando a energia desse fornecimento as usinas térmicas Norte Fluminense, Engie e a Companhia Elétrica de Energia–Copel do Paraná através da Uega-Usina Elétrica a Gás de Araucária. O negócio deve gerar em torno de US$ 20 milhões semanais em divisas para o país.

O contrato é direto com a Compañía Administradora del Mercado Mayorista Eléctrico S.A. (Cammesa) representada no Brasil pela Tradener.Toda essa operação contou com o apoio pleno da Câmara de Comercialização de Energia (CCEE) e do Ministério de Minas e Energia (MME). O negócio é uma excelente fonte geradora de divisas para o Brasil.

O presidente da Tradener, Walfrido Avila, comentou que o total dessa operação “equivale a uma vez e meia a potência de uma máquina da Binacional Itaipu. É uma operação complexa, de grande porte, que mostra o esforço da Tradener e dos geradores térmicos trazendo mais divisas para o Brasil”.

A Tradener possui autorização válida para exportação de energia elétrica interruptível para a Argentina até o dia 31 de dezembro de 2022, e as exportações não poderão causar aumento dos custos do setor elétrico brasileiro e deverão se submeter à fiscalização da Agência Nacional de Energia Elétrica.

A companhia foi a primeira empresa do Brasil autorizada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), em 1998, a comercializar energia com consumidores livres e geradores no ambiente de contratação livre (ACL) e com distribuidores no ambiente de contratação regulada (ACR). Além de realizar leilões próprios, de compra e venda de energia convencional e incentivada, participou de mais de 700 leilões de compra e venda de energia elétrica na última década.

 

América do Sul

 

A Tradener exporta e importa energia para Uruguai e Argentina desde 2006. Segundo Walfrido Avila, esse envolvimento comercial é resultante de uma profunda relação de confiança que se desenvolveu, durante os anos, da Tradener com a UTE, do Uruguai, e a Cammesa, da Argentina. “A exportação de energia é operação comercial internacional, com todas as responsabilidades junto às autoridades de todos os setores envolvidos. Por isso, é preciso destacar o trabalho da CCEE e do ONS, que orientam e coordenam todas as operações. Ambos são fundamentais”, salientou Avila.

A Tradener é uma das maiores comercializadoras independentes de energia elétrica e gás natural do país, com foco nos consumidores livres de energia elétrica e produtores independentes. Pioneira no segmento desde 1998, foi a primeira empresa do Brasil autorizada pela Aneel a comercializar energia com consumidores livres e geradores no ambiente de contratação livre. Com investimentos em geração renovável, a companhia está no ranking das maiores e melhores empresas do Brasil.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Tesouro: Queda do investimento líquido em ativos não financeiros

O Tesouro Nacional informou nesta sexta-feira que no 2º trimestre de 2021, a necessidade líquida de financiamento do Governo Geral alcançou 7,1% do PIB,...

Leilão de Excedentes da Cessão Onerosa terá sucesso?

Após a realização da 17ª Rodada de Licitações de Blocos para exploração e produção de petróleo e gás natural no último dia 7, considerado...

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...