Comércio cresceu 5% em maio e registra a primeira alta do ano

Resultado positivo do mês foi puxado principalmente pelo segmento de material de construção.

Conjuntura / 15:13 - 6 de jul de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

De acordo o Indicador da Serasa Experian, a atividade do comércio em maio trouxe números positivos, registrando um aumento de 5,0%, na comparação com abril deste ano, feito os devidos ajustes sazonais. Segundo o economista da Serasa Experian, Luiz Rabi, a perspectiva a partir de maio é de uma melhora gradual.

"Mesmo que pequena, a movimentação da variação mensal tende a continuar positiva nos próximos meses, já que várias regiões brasileiras estão retomando o funcionamento dos comércios", diz.

A alta mensal foi puxada pelo segmento de material de construção, que apresentou crescimento de 9,7% na mesma comparação.

"Parte da população que está mais casa pode ter encontrado tempo e necessidade de executar pequenas obras, reparos e manutenções, por isso, o movimento positivo neste setor", ressalta Rabi.

Alimentos e bebidas aparecem em segundo lugar, com alta de 6,7% e móveis, eletrodomésticos, eletroeletrônicos e informática em terceiro (6,1%). O restante dos segmentos continua acumulando quedas: combustíveis e lubrificantes (-1,8%); veículos, motos e peças (-0,4%) e tecidos, vestuário, calçados e assessórios (-0,5%).

Na análise anual, a atividade do comércio caiu 31,2% em maio deste ano, na comparação com o mesmo mês do ano passado. A queda mais significativa (40,9%) veio do segmento de tecidos, vestuário, calçados e assessórios.

A média diária de vendas com nota fiscal eletrônica (NFe) atingiu R$ 23,9 bilhões em junho, o maior patamar de 2020. As vendas tiveram resultado 15,6% maior que o mês de maio e 10,3% superior ao de junho de 2019, informou a Receita Federal.

Na comparação com o mês anterior, a queda de abril foi seguida de aumentos de 9,1% em maio e de 15,6% em junho.

De acordo com a Receita, o movimento agregado da NFe capta, principalmente, as vendas entre empresas de médio e grande porte, bem como as vendas não presenciais de empresas para pessoas físicas.

Segundo a Receita, dados das vendas semanais indicam recuperação gradual. No total, após o pico de R$ 180 bilhões na última semana de maio, as semanas de junho mostraram vendas superiores a R$ 150 bilhões, exceto a semana do feriado de Corpus Christi (R$ 137 bilhões). A última semana de junho registrou vendas de R$ 177 bilhões.

A Receita informou que em 2020, o comércio eletrônico teve vendas crescentes em quantidade e em volume, com tendência de elevação intensificada a partir de março. Em relação ao mesmo mês de 2019, a média diária de vendas apuradas com a NFe em 2020 cresceu 20,6% em março, 17,5% em abril, 37,4% em maio e 73,0% em junho.

 

Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor