Comércio de computadores deve ultrapassar equipamentos de comunicação

De acordo com os últimos dados disponíveis da Unctad, três grandes economias mostram que a crescente dependência de tecnologias digitais pode impulsionar as importações e exportações de dispositivos de comunicação, que caíram em 2019. Ao acelerar a digitalização, a Covid-19 pode impulsionar o comércio de tecnologias de informação e comunicação (TIC), que havia diminuído um pouco antes da pandemia.

As importações globais de bens de TIC ficaram tímidas em US$ 2,5 trilhões em 2019, um declínio de 3% em comparação com 2018, de acordo com os dados. Mas os dados preliminares para 2020 da Alemanha, Hong Kong (China) e dos Estados Unidos – três grandes economias de diferentes regiões – mostram alguns sinais de crescimento no comércio de bens de TIC, apesar do declínio geral nas atividades econômicas globais após a pandemia. Isso reflete a crescente dependência de tecnologias digitais durante os bloqueios. “A pandemia teve um grande impacto na digitalização, o que pode ter resultado em um crescimento significativo no comércio de bens de TIC, apesar do severo declínio na atividade econômica no ano passado”, disse a diretora de tecnologia e logística da Unctad, Shamika N. Sirimanne.

De acordo com os números de 2019, a maioria das regiões experimentou quedas tanto nas importações quanto nas exportações de bens de TIC durante aquele ano, com as quedas mais acentuadas observadas nos países menos desenvolvidos (LDCs).

A principal exceção foi o sul da Ásia (especialmente a Índia), onde as exportações de bens de TIC aumentaram 68%, embora a partir de um nível baixo.

As exportações de bens de TIC são geograficamente altamente concentradas, com o leste e o sudeste da Ásia (liderados pela China) respondendo por três quartos do total.

Dos dez maiores exportadores de bens de TIC, o declínio mais acentuado foi observado na República da Coréia (-17%), enquanto o Vietnã relatou o maior aumento (13%).

Outras economias com exportações de bens de TIC superiores a US$ 850 milhões que mostraram altas taxas de crescimento incluem Índia (+70%), Filipinas (+34%), Irlanda (+33%), Egito (+24%) e Austrália (+16%). Entretanto, essas exportações foram afetadas negativamente, notadamente em Israel (-19%), Estônia (-16%), Tailândia (-15%) e Indonésia (-11%).

Os dados para 2020 de três dos principais comerciantes de bens de TIC, que juntos respondem por cerca de um quarto do comércio global desses itens.

Para Hong Kong (China), as exportações de bens de TIC aumentaram 5% em 2020, à medida que a demanda por esses produtos aumentou durante a pandemia. Em contraste, as exportações continuaram diminuindo tanto na Alemanha quanto nos Estados Unidos.

Importadores

Em 2019, o leste e o sudeste da Ásia responderam juntos por 47% das importações globais de bens de TIC, e as economias desenvolvidas por outros 41%. As importações caíram em todos os seis maiores importadores. Em contraste, aumentaram significativamente em alguns países desenvolvidos, como Bélgica (+17%), Irlanda (+14%) e Hungria (+10%).

Uma tendência semelhante foi observada em alguns países em desenvolvimento com importações acima de US$ 850 milhões, incluindo na Nigéria (+33%), Paraguai (+21%), Vietnã (+15%) e Arábia Saudita (+13%).

Para outros, as importações diminuíram acentuadamente, nomeadamente no Equador (-33%), Argentina (-20%), RAE de Macau, China (-16%), Tailândia (-15%), Chile (-11%) e Malásia (-9 %).

Tanto nos Estados Unidos quanto em Hong Kong (China), as importações de bens de TIC aumentaram 5% em 2020 e permaneceram estáveis na Alemanha.

Componentes eletrônicos

Segundo os dados da Unctad, os números mostram que os componentes eletrônicos continuam a representar a maior parte do comércio de bens de TIC, representando pouco mais de 40% das importações globais.

Eles são um componente essencial dos produtos de TIC e corroboram a lei de Moore – que os chips de computador aumentarão dramaticamente em potência e diminuirão em custo relativo.

Os componentes eletrônicos têm impulsionado o ritmo acelerado da inovação tecnológica no setor e, portanto, não surpreendentemente, suas importações mundiais caíram apenas 1%.

A queda em 2019 afetou todas as cinco subcategorias de bens de TIC, com a queda mais significativa observada em equipamentos de comunicação (-6%).

Segundo a Unctad, se essas tendências forem sustentadas, as importações globais de computadores e equipamentos periféricos podem ter se igualado ou ultrapassado as de equipamentos de comunicação em 2020.

Uma avaliação preliminar dos dados de 2020 da Alemanha, Hong Kong (China) e dos Estados Unidos sugere que esse pode muito bem ser o caso.

As importações de equipamentos de comunicação para essas três economias caíram 4% em 2020, enquanto as importações de computadores e equipamentos periféricos cresceram 10%.

Artigos Relacionados

1 em 3 trabalhadores recorre a aplicativos para conseguir renda

Durante a pandemia, número aumentou em 11,4 milhões.

Pacheco vai instalar CPI da Pandemia após dia da Inconfidência

Porém, disse que poderá ser no dia 22...dia 27...quem sabe?

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.