Comércio deve contratar cerca de 7 mil temporários para fim do ano

Segundo estimativa do CDL-Rio e do SindilojasRio, são 1.500 a mais do que em 2020.

Apesar do desaquecimento das vendas por causa da pandemia nos primeiros nove meses do ano, o comércio lojista da cidade do Rio de Janeiro deverá contratar cerca de 7 mil empregados temporários para trabalhar nas festas de fim de ano: 1.500 a mais do que no ano passado. É o que mostra a estimativa do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio) e do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro (SindilojasRio), que ouviu lojistas dos setores de confecções e moda infantil, calçados, joias e bijuterias, óticas, eletroeletrônicos, papelarias, móveis e brinquedos.

“Mesmo com o atual cenário a estimativa reflete a expectativa de vendas para o Natal – a grande data comemorativa para o comércio, que representa 30% do faturamento do ano, e também porque precede a alta temporada do verão, que é a estação mais importante para a economia carioca, quando a cidade sempre recebe um grande número de turistas que vem aqui curtir as festas do fim de ano, as praias e, se realmente acontecer, o Carnaval. A combinação desses fatores motivou essa estimativa de contratação de temporários, dois mil a mais do que no ano passado”, diz Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio e do SindilojasRio, que juntos representam 30 mil lojistas.

A estimativa revela que, das empresas consultadas, 35,8% pretendem contratar para esse período, 49,3% estão indecisos se vão ou não fazer essas admissões, 10,4% não contratarão e 4,5% pensam em pagar horas extras se for necessário. Dos entrevistados 5% revelaram que já contrataram, 61% devem contratar em novembro e 34% em dezembro.

Do total de vagas, 60% representam o primeiro emprego; a faixa etária predominante é entre 18 a 35 anos; 50% dos contratados serão para ocupar as vagas de vendedores, 18% para operadores de caixa, 12% para estoquistas, 7,5% para supervisores, 6% para auxiliar de vendas, 4,5% para auxiliar de estoque e 2% para montador, entregador e ajudante.

A estimativa mostra também que 48% dos empresários consultados responderam que não pretendem efetivar os temporários após o período de festas, 12% disseram que sim e 40% disseram que depende do movimento das vendas e da recuperação da economia.

Já em São Paulo, o Natal será de baixas contratações, indica pesquisa do Sindilojas do estado. Segundo o levantamento, após o último ano de prejuízos devido à pandemia da Covid-19, a expectativa dos lojistas é de que as vendas em 2021 sejam melhores dos que as do último período. Pelo menos é nisso que acreditam cerca de 60% dos empresários que responderam à pesquisa de sondagem do sindicato. Ainda de acordo com os entrevistados, 24% acham que as vendas serão parecidas com as do Natal de 2020 e 16% estão pessimistas, esperando um período ainda pior do que o último.

Embora otimista, grande parte dos empresários do comércio não sinaliza novas contratações. Dos entrevistados, 75% pretendem manter o quadro atual de funcionários para o período do Natal. Do restante, 20% pretendem contratar novos funcionários e apenas 5% acredita que terá que demitir. De acordo com Aldo N. Macri, lojista e diretor do Sindilojas-SP, “a intenção é utilizar a mão de obra já existente, valorizando os colaboradores que as lojas conseguiram manter no quadro de funcionários durante esse momento tão delicado”.

Investir mais em estoque e divulgação do que em relação ao último ano está nos planos de 37% dos lojistas que participaram da sondagem. 29% devem manter os mesmos valores do ano passado, 23% acreditam que o investimento será menor e 11% não pretendem fazer nenhum desembolso.

De acordo com a Associação Brasileira de Trabalho Temporário (Asserttem), a modalidade gerou um volume de renda no país de mais de R$ 3,36 bilhões no 1º semestre de 2021. Somente para setembro, a previsão da entidade é de geração de mais de 225 mil vagas temporárias até o fim do mês, um aumento de 20% no número de contratações em relação ao mesmo período de 2020.

Leia também:

Cerca de 5 mil vagas temporárias para o final de ano

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Ciência: entidades pedem liberação de recursos

Organizações questionam redirecionamento para outras áreas de R$ 515 milhões, que eram do CNPq.

BC garante cumprir meta de inflação de 2022

Em apresentação nesta sexta-feira em uma conferência promovida pelo banco Goldman Sachs, na capital dos Estados Unidos, o presidente do Banco Central, Roberto Campos...

Últimas Notícias

Crédito consignado: aumenta número de reclamações de cobrança indevida

O crédito consignado não solicitado por clientes está no topo das reclamações de consumidores. Em relação aos registros, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon),...

Geração de energia solar traz R$ 35,6 bi de investimentos ao país

Potência nos telhados e terrenos com sistemas fotovoltaicos equivale a metade da capacidade de Itaipu.

Direito de controle sobre funcionários que trabalham de casa

Por Leonardo Jubilut.

Rio Indústria apoia lei que desburocratiza e facilita novos negócios

Em audiência pública realizada nesta quinta-feira (14), na Câmara Municipal do Rio, sobre o Projeto de Lei Complementar nº 43/2021 que regulamenta a Declaração...