Comércio do Rio pode perder mais de R$ 4,2 bi com feriados este ano

Segundo Aldo Gonçalves, os 11 feriados castigam principalmente as lojas de rua, 'especialmente o Centro, que fica completamente deserto.'

Com nove feriados nacionais, além de outros estaduais e municipais, o comércio varejista da Cidade do Rio de Janeiro pode perder mais de R$ 4,2 bilhões em receitas de vendas no ano. A estimativa é do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDLRio) e do Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro (Sindilojas-Rio). Segundo as entidades, cada dia parado representa uma perda média de cerca de R$ 385 milhões.

Segundo Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio e do Sindilojas-Rio, que juntos representam mais de 30 mil lojistas, os 11 feriados do ano, mesmo com apenas um com o possível prolongamento, “vão punir os lojistas, principalmente as lojas de rua que são as que mais sofrem, especialmente o centro da cidade que fica completamente deserto.”

“Não há dúvida que este excessivo número de dias parados prejudicará o comércio. E não são apenas os empresários lojistas que perdem com isso. Perdem o governo que deixa de arrecadar impostos; os comerciários que deixarão de vender e também o próprio consumidor que não pode comprar. No caso dos comerciários, estimativa mostra que eles podem perder até 50% do salário no ano. Não somos contra os feriados em datas comemorativas – e até mesmo, quando possível, o adiamento deles. Mas somos a favor de que a sociedade civil organizada, empresários, líderes de classe e autoridades se sentem à mesa para discutir outras soluções que evitem tamanho desperdício”, conclui Aldo Gonçalves.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Boris Johnson diz ao Parlamento britânico que fica

Primeiro-ministro enfrenta crise após renúncia de 2 importantes ministros, seguida pela saída de outros 20 integrantes do governo.

Trabalhador gasta R$ 40,64 em média para almoçar fora de casa

Nacionalmente, valor desembolsado ficou 17,4% maior que o apurado em 2019, no período antes da pandemia.

Índice de variação dos aluguéis caiu 0,31% em junho

Taxa acumulada em 12 meses passou de 8,83% em maio para 8,05% em junho; brasileiro gasta mais com habitação do que com reforma e construção.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução