Comércio eletrônico faturou R$ 14,1 bi no Natal

Valor representa aumento de 29,9% em relação ao mesmo período de 2018.

De acordo com levantamento do Compre & Confie, o varejo digital brasileiro faturou R$ 14,1 bilhões entre 15 de novembro e 24 de dezembro, cifra que representa uma variação positiva de 29,9% no comparativo com o ano passado.

Segundo levantamento da ClearSale, empresa especialista em antifraude em diversos segmentos, o prejuízo evitado com compras fraudulentas aumento 91% em relação a 2018, chegando a R$ 292,5 milhões. As categorias preferidas pelos fraudadores são: celulares, games e bebidas.

Além do faturamento, o número de pedidos também cresceu em 2019: foram realizadas mais de 31 milhões de compras no período e a alta no volume foi de 29,9% comparando com 2018. O valor do tíquete médio não sofreu variação e permaneceu em R$ 454,09.

Analisando as categorias de produtos que mais faturaram, telefonia & eletrodomésticos e ventilação lideram com 14,8% e 14% respectivamente. Em seguida, entretenimento, com 10,3%, e moda e acessórios, com 7,4%, foram as que mais faturaram. Por fim, informática e câmeras completam o total com 6,8% do faturamento.

Nas categorias mais compradas, moda & acessórios lideram o volume de pedidos: 15,2% do total. Em seguida, entretenimento & beleza seguido de perfumaria & saúde aparecem com 10,9% e 10,1% das compras. Completando as cinco-mais aparecem artigos para casa & telefonia que somam 6,7% e 5,7% respectivamente.

"O ano de 2019 foi de forte crescimento para o comércio eletrônico e as vendas do Natal seguiram a mesma tendência e apresentaram resultados bem expressivos, puxados por boa experiência de compra, mix de produtos variados e integração com operações do varejo físico", afirma André Dias, diretor-executivo do Compre & Confie.

Segmentando por gênero, as mulheres lideraram as compras de Natal no comércio eletrônico com 53,4% dos pedidos. Completando o total, 46,6% das compras foram realizadas pelos homens.

Já no comparativo de faixa etária, pessoas entre 36 e 50 foram os principais consumidores online neste natal com 34,6% dos pedidos. Logo atrás, consumidores entre 26 e 35 anos somam 33,3% das compras. Jovens até 25 anos e compradores acima de 51 anos completam a totalidade com 18% e 14,1%. A idade média do consumidor no natal foi de 37 anos.

O Sudeste foi a região líder em compras com 66,7% do total de pedidos. Sul e Nordeste aparecem em seguida com 13,7% e 12,1% do share, respectivamente. Por fim, Centro-Oeste com 5,5% e Norte com 2% completam a totalidade.

O aumento no valor das fraudes evitadas está relacionado ao aumento de compras pela internet e a uma melhora nos mecanismos de detecção de comportamentos suspeitos. "Atualizamos e ajustamos constantemente nossos modelos de análises antifraude, tanto com a utilização de novas tecnologias, como o uso de novos elementos de inteligência de estatística. Isso possibilita aprimorarmos o perfil de comportamento de compras dos clientes e a identificarmos vulnerabilidades nos processos de compras", explica Omar Jarouche, diretor de Soluções da ClearSale.

Entre 15 de novembro e 24 de dezembro R$ 292,5 milhões em fraudes evitadas, contra R$ 153,1 milhões em 2018. O trabalho desenvolvido pela ClearSale garante um ambiente de compras mais seguro na internet, protegendo lojistas e compradores dos fraudadores.

 

Previsão de crescimento na AL – Para identificar as tendências do comércio eletrônico em mercados-chave da região, bem como oportunidades, desafios e como a logística pode ajudar a acelerar seus resultados, a DHL desenvolveu um estudo sobre o comportamento do setor em toda América Latina. Segundo o material, a previsão é que o comércio eletrônico cresça, anualmente, 22% até 2021, em toda a América Latina, índice similar ao do Brasil, com uma expectativa de crescimento de 17%, ficando atrás apenas do México, com 25%.

A pesquisa divide a região em três segmentos: mercados maiores, como Brasil e México, que são a porta de entrada para muitos players de comércio eletrônico; os de médio porte, como Colômbia, Argentina, Chile e Peru; e os menores, localizados na América Central e Caribe. Os dois últimos oferecem um potencial significativo para o crescimento do comércio eletrônico cross-border, entre países, com capacidade para estocar produtos e atender a várias localidades de forma rápida e com baixo custo.

Esses dados reforçam que a América Latina deve ser a próxima para a fase de revolução do comércio eletrônico.

A logística ainda é um dos principais desafios para um crescimento mais dinâmico na América Latina. De acordo com a pesquisa, dentre os principais problemas estão: os entraves e a lentidão do desembaraço aduaneiro, congestionamentos e infraestrutura abaixo do ideal para entrega no last mile, além da complexidade dos processos de logística reversa para devoluções.

O último item listado é apontado como um dos maiores obstáculos para o desenvolvimento do segmento, devido aos altos índices de trocas e a falta de lucro e rentabilidade quando isso acontece. Nos EUA, algumas categorias, como moda, possuem taxas que chegam a 50% nas lojas online, enquanto as unidades físicas respondem por 9%. Já no Brasil, as devoluções respondem por 25% das compras totais, sendo o volume mais alto da região. Para contornar estes problemas, a pesquisa apresenta cinco elementos-chave que compõem um centro de distribuição regional eficaz: zona de livre comércio, infraestrutura eficiente de portos e aeroportos, regulamentação comercial e aduaneira favorável aos negócios (como os retornos cross-border), conhecimento específico de logística de comércio eletrônico e a cooperação entre indústrias – com comerciantes, fornecedores de tecnologia e logística trabalhando em sincronia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘Estados nunca respeitaram o princípio da seletividade’

Segundo tributarista, lei do ICMS 'nada mais fez do que acompanhar decisão do STF'.

IPC-S recuou em quatro capitais de maio para junho

Segundo a FGV, a maior queda foi registrada no Rio de Janeiro.

Índice de Preços ao Produtor (IPP) sobe 1,83% em maio

Das 24 atividades analisadas, 21 tiveram alta de preços

Últimas Notícias

‘Estados nunca respeitaram o princípio da seletividade’

Segundo tributarista, lei do ICMS 'nada mais fez do que acompanhar decisão do STF'.

Semana promete com agenda econômica importante lá fora

No Brasil, os destaques ficam com a percepção de que as rachaduras no Teto de Gastos são irrecuperáveis.

Produção mensal da Tesla bate recorde em junho

A Shanghai Gigafactory da montadora norte-americana Tesla retornou à capacidade total de produção em junho, com a produção mensal da empresa atingindo um recorde, informou no domingo o Shanghai Securities News, administrado pela Xinhua.

Feriado nos EUA deve reduzir liquidez global nesta segunda-feira

Hoje é Dia da Independência no país; na Europa, principais Bolsas operam em alta e na Ásia, fecharam sem direção única.

IPC-S recuou em quatro capitais de maio para junho

Segundo a FGV, a maior queda foi registrada no Rio de Janeiro.