Comércio eletrônico teve alta de 56,41% em novembro ante outubro

As vendas pela internet continuam com resultados positivos no Brasil, sobretudo, em novembro com a Black Friday que impulsionou ainda mais o setor. Em novembro ante outubro, o segmento teve alta de 56,41%. No mesmo período, o faturamento foi ainda maior: 73,26%. Os dados são do índice MCC-Enet, desenvolvido pelo Comitê de Métricas da Câmara Brasileira da Economia Digital (camara-e.net) em parceria com o Neotrust Movimento Compre & Confie.

Na avaliação entre os meses de novembro deste ano com o ano passado, as vendas virtuais também tiveram crescimento de 51,90%. No acumulado, a variação positiva foi de 101,04%. Ao observar os dados das vendas por região, de novembro frente a outubro, a composição ficou assim: Nordeste (66,92%); Norte (65,87%); Centro-Oeste (63,53%); Sul (54,37%) e Sudeste (53,69%).

Os resultados do acumulado do ano foram: Nordeste (134,82%); Norte (108,11%); Sul (107,76%); Centro-Oeste (107,36%) e Sudeste (92,92%).

O faturamento do comércio eletrônico, na comparação entre novembro deste ano com o mesmo período de 2019, a expansão foi de 55,76%. No acumulado do ano, seguiu com alta de 121,74%. Já no faturamento, na comparação regional, entre novembro frente a outubro, o destaque ficou com o Norte (89,88%), seguido por Nordeste (87,79%); Centro-Oeste (78,57%); Sudeste (70,47%) e Sul (63,91%).

No acumulado do ano, por sua vez, os desdobramentos foram: Nordeste (159,48%); Norte (127,87%); Sul (122,36%); Centro-Oeste (120,37%) e Sudeste (113,25%).

Em outubro, o comércio eletrônico representou 8,6% do comércio varejista restrito (exceto veículos, peças e materiais de construção). No acumulado dos últimos 12 meses, nota-se que a participação do e-commerce no comércio varejista corresponde a 8,9%. Vale destacar que esse indicador foi feito a partir da última Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE, divulgado no dia 10 de dezembro.

A composição de compras realizadas pela internet, por segmento, em outubro, ficou da seguinte forma: equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (40,8%); móveis e eletrodomésticos (25,3%); e tecidos, vestuário e calçados (12,2%). Na sequência, outros artigos de usos pessoal e doméstico (8,2%); artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (8%); hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (3,3%); e, por último, livros, jornais, revistas e papelaria (2,2%). Esse indicador também utiliza a Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE como base.

Outra métrica avaliada pelo MCC-Enet revela que, no trimestre de julho a setembro de 2020, 17,9% dos internautas brasileiros realizaram ao menos uma compra online. Observa-se uma queda de 0,3 p.p em relação ao trimestre anterior (18,2%). Já na comparação com o mesmo período em 2019 (11,3%), houve crescimento de 6,6 p.p.

Ainda segundo o MCC-Enet, o Sudeste continua com bom desempenho nas vendas por e-commerce. Em novembro ante outubro, cresceu 53,69%. Ao considerar o mesmo período de comparação, o faturamento teve um resultado ainda mais expressivo: 70,47%. Mesmo com um bom desempenho, ao analisar a composição regional varejista online, novembro em relação a outubro, o Sudeste ocupou a última posição. O destaque foi o Nordeste (66,92%); na sequência, Norte (65,87%); Centro-Oeste (63,53%); e Sul (54,37%).

Na comparação entre os meses de novembro 2020 e 2019, as vendas pela internet na Região Sudeste cresceram 45,05%. No acumulado do ano, a alta foi de (92,92%), continuando em último lugar na comparação por regiões. Em primeiro, mais uma vez ficou o Nordeste (134,82%); seguido por Norte (108,11%); Sul (107,76%); e Centro-Oeste (107,36%). Na métrica de faturamento, o Sudeste teve alta de 46,22% em novembro deste ano, na comparação com o mesmo mês do ano passo. No acumulado do ano, variou positivamente em 113,25%, o que representa o último colocado por região. A configuração ficou da seguinte forma: Nordeste (159,48%); Norte (127,87%); Sul (122,36%); e Centro-Oeste (120,37%).

Leia mais:

Fecomércio-SP apoia logística reversa de eletroeletrônicos na capital

Comércio eletrônico cresceu 51% durante isolamento

Artigos Relacionados

Produção industrial cresceu 0,4% na virada do ano

A produção industrial brasileira começou 2021 com um resultado positivo, ao crescer 0,4% na passagem de dezembro para janeiro, segundo a Pesquisa Industrial Mensal,...

Cultura sem apoio em centros com medidas restritivas

Os projetos culturais que buscam patrocínio oficial sequer passarão por análise, caso sejam de locais onde os governos, devido à pandemia de Covid-19, tenham...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Investimento chinês em pesquisa aumentará 7% ao ano até 2025

País divulga 14º Plano Quinquenal; desde 1953, PIB cresceu 1.232 vezes.

FMI: orçamento deve atender direitos das mulheres

No Egito, por exemplo, houve mais recursos para serviços públicos de creche.

Planos registram maior número de beneficiários desde dezembro de 2016

Dados de janeiro foram divulgados hoje pela ANS e confirmam tendência de crescimento no país.

MP-RJ pede júri popular para Flordelis e mais oito réus

Deputada é acusada de mandar matar o marido; 11 réus respondem ao processo, mas o MP pediu para não se pronunciar sobre dois deles.

Payroll de fevereiro surpreendeu positivamente as expectativas

Soma-se às surpresas a revisão no número anterior de 49k para 166k e, principalmente, a criação de vagas no setor privado em 465k.