Comércio global deve movimentar US$ 28 trilhões em 2021

Comércio de bens bateu recorde no 3º trimestre de 2021, chegando a US$ 5,6 trilhões.

A Conferência da ONU sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad), divulgou nesta terça-feira que o comércio global deverá alcançar a marca de US$ 28 trilhões este ano. O valor é 23% maior do que o registrado no ano passado e 11% acima dos números de 2019, antes da pandemia de Covid-19. Apesar do resultado positivo deste ano, a Unctad revela que o cenário para 2022 continua sendo bastante incerto.

A entidade avalia tanto o fluxo de comércio de bens quanto de serviços e afirma que o crescimento entre países foi desigual. O comércio em Taiwan apresentou a maior alta, de 23%; seguido por China, Vietnã e Brasil, que teve crescimento de 11%. Na outra ponta, estão Reino Unido, Japão e México, que tiveram queda no fluxo do comércio de bens e serviços de -23%, -9% e -8%, respectivamente.

O comércio global de bens teve um novo recorde no terceiro trimestre de 2021, chegando a US$ 5,6 trilhões. Já o comércio de serviços movimentou US$ 1,5 trilhão no período.

O relatório também avalia as importações e exportações das maiores economias do mundo. No terceiro trimestre deste ano, o Brasil registrou alta de 20% no volume de importações de bens e de 33% no volume de exportações, na comparação com os números pré-pandemia, em 2019. No mesmo período, as exportações de serviços tiveram alta de 2%, enquanto as importações de serviços no Brasil tiveram queda de 25%.

Ainda no terceiro trimestre de 2021, o valor do comércio em produtos do setor energético foi o que mais cresceu, devido a alta demanda e ao aumento no preço dos combustíveis fósseis.

Entretanto, o crescimento do comércio no setor da comunicação e de equipamentos para escritório foi relativamente baixo, assim como o aumento do comércio de têxteis e artigos de vestuário.

A Unctad explica que as tendências positivas deste ano aconteceram devido a uma forte recuperação gerada com a redução de restrições ligadas à pandemia, a pacotes de estímulos econômicos e aumento no preço das commodities.

O cenário para 2022 ainda deixa dúvidas devido à lentidão na recuperação econômica global; ao aumento dos custos de envios de bens e a políticas governamentais que afetam o comércio internacional.

Leia também:

Rússia voltará a importar carnes do Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

China reduz juros em empréstimo de médio prazo

O banco central da China reduziu nesta segunda-feira (17) as taxas de juros de seus empréstimos de médio prazo (MLF) e repôs reversos em...

Importação de óleo pelo Brasil quase dobrou em 2021

Somadas a gás natural, compras passam de US$ 18 bilhões.

Taxa única sobre ultrarricos garantiria saúde universal

10 trilionários ganharam US$ 15 mil por segundo durante pandemia.

Últimas Notícias

Empregos na saúde ultrapassa 4,6 milhões

O número de pessoas empregadas na cadeia produtiva da saúde cresceu 0,6% entre agosto e novembro do ano passado ao atingir 4.652.588 de trabalhadores,...

RJ terá dificuldades de pagar R$ 92 bi à União

O Governo do Estado do Rio de Janeiro poderá encontrar dificuldades para cumprir o pagamento de R$ 92 bilhões devidos à União. Isso porque...

China reduz juros em empréstimo de médio prazo

O banco central da China reduziu nesta segunda-feira (17) as taxas de juros de seus empréstimos de médio prazo (MLF) e repôs reversos em...

Petrobras: recorde de produção no pré-sal em 2021

A Petrobras atingiu recorde anual de produção no pré-sal em 2021, ao alcançar 1,95 milhão de barris de óleo equivalente por dia (boed). Esse...

Médicos de SP mantêm greve na quarta-feira

Após se reunirem com o secretário municipal de Saúde de São Paulo, Edson Aparecido, na tarde desta segunda-feira, o Sindicato dos Médicos de São...