Comércio internacional e as eleições norte-americanas

Embora ainda não finalizada – ainda resta o referendo do Colégio Eleitoral, que será realizado em 14 de dezembro -, a eleição de Joe Biden está praticamente concretizada. Partindo-se dessa evidência, com a posse de Biden e considerando-se os Estados Unidos da América – EUA o maior mercado consumidor do mundo, já se pode prever algumas situações.

Sob Trump, o estímulo aos negócios internacionais diminuiu consideravelmente – efeito da pandemia à parte – pela sua aversão ao processo de globalização e ao comércio sem fronteiras. Com Biden, há a perspectiva de uma valorização da Organização Mundial do Comércio – OMC e consequente ampliação das relações comerciais internacionais.

As relações com a China, principalmente comerciais, passam por delicada situação com Trump, que vem estabelecendo tarifas de importação elevadas com a finalidade de estimular a produção interna. Biden, por outro lado, ao sinalizar a aproximação com a OMC tenderia a, pelo menos, diminuir essas barreiras protecionistas.

Essas diretrizes do novo governo norte-americano possibilitaria o retorno dos investimentos na produção em torno do mundo e estimularia o comércio internacional.

A perspectiva dessas situações se tornarem realidade já se fez manifestar no final da semana passada e continuam neste início de semana, com a desvalorização do dólar em vários mercados (inclusive brasileiro) e elevação dos negócios nas bolsas internacionais.

O comércio internacional precisava desses estímulos!

#Francisco Américo Cassano

Doutor em Ciências Sociais – concentração em Relações Internacionais, Professor Ajunto e Pesquisador dos temasInternacionalização de Empresas e Relações e Negócios Internacionais na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Ana Borges
Colunista.

Artigos Relacionados

Mercados globais continuam receosos com aumento dos preços

Principais índices da Europa caíram devido ao movimento de alta dos yelds; Paris perdeu 0,24%.

Ibovespa futuro sobe no momento, mas com muita cautela

Bolsas globais recuam em meio a preocupações com a inflação nos EUA.

Mau humor alastrando

Ontem, o mau humor dos investidores se fez presente no mundo e trouxe reviravolta para os mercados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.