Comércio marítimo global: 2019 fraco e 2020 sombrio

China x EUA, Brexit, tarifas, Japão x Coréia do Sul, protecionismo e covid-19 são problemas para o setor.

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento, Unctad, prevê queda de 4,1% do comércio marítimo em 2020 devido à perturbação causada pela Covid-19. Em seu relatório Revisão do Transporte Marítimo 2020, a agência afirma que as perspectivas de curto prazo são sombrias e novas ondas de pandemia podem causar um declínio ainda mais acentuado.

A pesquisa afirma ainda que 2019 já tinha sido um ano fraco, devido a tensões comerciais entre China e Estados Unidos. Outros fatores foram incertezas em torno do Brexit, reclamações de vários países contra tarifas, disputa comercial entre Japão e Coréia do Sul e movimentos gerais em direção ao protecionismo.

O secretário-geral da Unctad, Mukhisa Kituyi, apresentou o novo relatório, e segundo ele, a estimativa é que o crescimento retorne no próximo ano, crescendo 4,8%. Existem, no entanto, muitas incertezas sobre a escala da recuperação. “A indústria de transporte marítimo global estará na vanguarda dos esforços para uma recuperação sustentável.”

Kituvi afirma que o setor precisa estar bem preparado para um mundo diferente depois da pandemia. Segundo ele, “a indústria deve ser uma das principais partes interessadas, ajudando a adaptar a logística de eficiência.”

No auge da crise, o setor cortou a capacidade e reduziu custos para manter a lucratividade. Como resultado, as taxas de frete permaneceram estáveis, apesar da queda na demanda, mas graves limitações de espaço causaram atrasos nas entregas.

Além disso, vários governos, autoridades portuárias e administrações alfandegárias fizeram reformas para continuar com o fluxo do comércio e, ao mesmo tempo, manter as pessoas seguras.

Segundo o chefe da Unctad, “será importante avaliar as melhores práticas que emergiram para fortalecer o comércio nos próximos anos.”

Muitas das medidas requerem mais investimentos em digitalização e automação. Aceitar cópias digitais em vez de originais em papel, processamento antes da chegada, pagamentos eletrônicos e automação alfandegária ajudam a acelerar o comércio internacional.

Embora a Covid-19 tenha destacado como as nações dependem umas das outras, a pandemia também levantou questões sobre globalização e a utilização de locais distantes nas cadeias de produção.

A pesquisa diz que existem questões sobre encurtamento da cadeia de suprimentos, dependência de modelos de estoque reduzidos, diversificação de locais de produção, manufatura e fornecedores.

A crise de saúde também “expôs o quão despreparado o mundo parecia estar” destacando a necessidade urgente de investir na gestão de riscos e preparação de resposta a emergências.

Para a diretora de Tecnologia e Logística da Unctad, Shamika Sirimanne, as políticas de recuperação também devem apoiar o progresso em direção a soluções verdes e sustentabilidade.

Segundo ela, “a dinâmica dos esforços atuais para lidar com as emissões de carbono do transporte marítimo e a atual transição energética dos combustíveis fósseis deve ser mantida.”

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

ONU: 274 milhões precisarão de ajuda e proteção de emergência em 2022

Moçambique é único lusófono coberto na resposta a 63 países.

Honduras: Xiomara já se organiza para os primeiros 100 dias de governo

Renascimento econômico e o retorno às aulas estão sendo priorizados.

BAII: US$ 1 bi para apoiar recuperação pós-desastre em Henan

O Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (BAII) aprovou a alocação de US$ 1 bilhão para um projeto de apoio à recuperação pós-desastre na...

Últimas Notícias

Contração seguida do PIB configura recessão técnica

A quinta-feira foi marcada pela repercussão dos dados divulgados sobre o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos...

Renova Energia fecha negócio da Brasil PCH

A Renova Energia, em recuperação judicial, concluiu nesta quinta-feira a venda de sua posição majoritária na Brasil PCH, sociedade que reúne 13 usinas de...

ANP aprova novas regras para firmas inspetoras de combustíveis

A Diretoria da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta quinta-feira (02) a resolução que revisa os requisitos necessários para...

Dia de alta para Petrobras e Braskem

A quinta-feira foi um dia de propensão a risco. “Tivemos uma alta bastante expressiva de alguns papéis na bolsa como Petrobras e Braskem. A...

B3 faz leilão do Fundo de Investimentos da Amazônia

Dia 16 de dezembro, a B3 realizará o leilão de valores mobiliários integrantes da carteira de ações do Fundo de Investimentos da Amazônia (Finam),...