Comércio torce pelo frio para aumentar vendas

Pesquisa do CDL-Rio e do Sindilojas-Rio mostra que, com queda de temperatura, 80% dos lojistas esperam aumento nas vendas.

A anunciada onda de frio animou o comércio carioca que torce por um inverno mais rigoroso para aquecer as vendas e estima um crescimento de 2,5% se a temperatura realmente continuar esfriando. É o que mostra a pesquisa do Clube dos Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio) e do Sindicato dos Lojistas do Município do Rio de Janeiro (Sindilojas-Rio), que ouviu 250 lojistas do Centro e das zonas Norte, Sul e Oeste.

Segundo Aldo Gonçalves, presidente das duas entidades, com a queda da temperatura aumenta a venda de roupas de inverno e de produtos como botas, cachecóis, luvas, gorros e acessórios além de edredons, colchas e cobertores.

“O comércio precisa urgentemente se recuperar e cita como exemplo que todas as datas comemorativas no primeiro trimestre não confirmaram as expectativas de crescimento apontadas pelos institutos de pesquisas especializados em comércio varejista”, explica.

A pesquisa mostra que, com a queda da temperatura, 80% dos lojistas esperam aumento nas vendas, 20% dizem que serão iguais às do ano passado. Dos comerciantes ouvidos 82% afirmaram que a mudança da temperatura influencia bastante as vendas e que a expectativa é que 62% procurem por artigos do vestuário, como casacos, moletons e camisas de flanela de manga comprida, seguido de 38% por acessórios como meias de lã, cachecóis, segunda pele, luvas, toucas e cobertores.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) informou que a situação do clima na Região Sul do Brasil pode se agravar caso haja a evolução do ciclone subtropical que se formou ontem à noite, em uma tempestade subtropical chamada Yakecan. Conforme a previsão, até a noite de amanhã, a Yakecan poderá se intensificar e ser classificada como tempestade tropical. Neste caso, as rajadas de vento poderão superar os 110 km/h, do extremo sul e leste do Rio Grande do Sul para o litoral sul de Santa Catarina.

Segundo o Inmet, a onda de frio continuará atuando no Centro-sul do Brasil nos próximos dias. Nesta madrugada houve formação de geada em grande parte do Paraná, incluindo a capital Curitiba e a Região Metropolitana, além do sul do Mato Grosso do Sul e de São Paulo.

As temperaturas registram quedas mais acentuadas em áreas das regiões Centro-Oeste e Sudeste, mas podem atingir o sul da região Amazônica, “configurando o segundo episódio de friagem neste mês de maio”, informou o instituto.

Para amanhã, permanece previsão de ventos fortes no leste e litoral gaúcho, e litoral sul de Santa Catarina com rajadas acima de 110 km/h. “No final do dia os ventos tendem a diminuir de intensidade”, completou o Inmet.

Há previsão também de formação de geada no centro-norte do Paraná; em São Paulo, especialmente na Serra da Mantiqueira e Vale do Paraíba; no triângulo e centro-sul de Minas Gerais; no Mato Grosso do Sul e no sul de Goiás.

“Estas condições persistem, pelo menos, até o final de semana quando volta a ter condições de geada no Sul do país. Segue a condição de neve até amanhã nas serras Gaúcha e Catarinense e sul do Paraná”, completou.

O Inmet também prevê neve em áreas do Sul.

 

Com informações da Agência Brasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Crescem buscas por passagens aéreas

Com férias de julho à vista, procura sobe em até 99% para voos internacionais e 108% para domésticos

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

Últimas Notícias

Crescem buscas por passagens aéreas

Com férias de julho à vista, procura sobe em até 99% para voos internacionais e 108% para domésticos

Geladeiras devem exibir nova etiqueta de eficiência

Comércio varejista tem prazo até 30 de junho de 2023 para continuar vendendo os produtos com a etiqueta antiga.

Mercado pet deve crescer 14% em 2022

Chile é o país que mais importou produtos pets brasileiros no primeiro trimestre; setor prevê novas exportações neste ano.

FGTS vira moeda do governo para movimentar a economia

Atualização monetária das contas do Fundo não acontece e trabalhador continua no prejuízo.

EUA: tiroteio em escola bate maior número em 20 anos

Segundo relatório, houve apenas 23 incidentes com vítimas fatais durante o ano letivo de 2000/2001.