Como a disputa sobre o Difal ICMS pode atingir os negócios

Por André Luís Miranda de Macêdo

Uma nova disputa jurídica tributária ganha os holofotes na mídia. Diante da Presidência da República ter promulgado somente no ano de 2022 da Lei Complementar no. 190, são vários os questionamentos jurídicos em relação ao início dos seus efeitos. O debate envolve se os seus efeitos já devem aparecer, se irão surtir somente em 1º de abril deste ano, ou em 2023.

Para quem ainda não se encontra familiarizado com o tema, o DIFAL ICMS é o tributo que a empresa paga quando comercializa mercadoria para um consumidor final (não contribuinte de ICMS) que se localiza num Estado diferente do que a empresa se localiza. O DIFAL nada mais é do que a Diferença de Alíquota entre a alíquota interestadual e a alíquota do Estado de Destino. Esse valor que é pago atinge, basicamente, o e-commerce.

O DIFAL ICMS foi criado para que parte da arrecadação do imposto fosse destinado para o Estado de Destino da mercadoria. Com o aumento do e-commerce, os Estados produtores estavam concentrando a arrecadação, concedendo benefícios fiscais. A medida visou diminuir a guerra fiscal pelo comércio eletrônico, protegendo, também, o mercado local de concorrência desleal.

Para complicar ainda mais a questão, há Estados que já reconheceram que o recolhimento do DIFAL ICMS está suspenso nos primeiros três meses de 2022, como é o caso do Rio Grande do Norte. Outros Estados não estão realizando as cobranças do tributo. Além disso, fica a cargo do Poder Judiciário o pedido de alguns setores da economia para que somente em 2023 surtam os efeitos da LC no. 190/22.

E como essa questão atinge, na prática, as empresas, especialmente as de médio e pequeno porte? Primeiro que a Diferença de Alíquota para aqueles que têm suas atividades baseadas no e-commerce pode representar uma diminuição de carga tributária significativa. Empresas que ficam mais atentas a esse movimento, podem estudar melhor suas marcações de preços, pelo fato de ter sobre si uma redução de carga tributária. Também é preciso entender que Estados estão cobrando, o que pode levar a passivos tributários, caso não seja observada a questão.

Para aqueles que não realizam comércio eletrônico, porém tem como concorrentes empresas que atuam neste formato, esses precisam ficar alertas pelo simples fato de seu concorrente ter, logo de pronto, uma redução para o primeiro trimestre de 2022. Tal benefício pode se estender por todo o ano, tendo as empresas locais ter que arcar financeiramente com toda a carga tributária pertinente.

Importante, também, como política pública, apontar que todos os Estados, mesmo os produtores, que têm mercado consumidor de produtos que vêm de outros Estados, devem perder o equivalente a R$ 9 bilhões em arrecadação. Para os Estados consumidores, será uma perda severa em suas contas, além de prejudicar o mercado local como apontado anteriormente.

Diante de mais uma celeuma tributária, o que fazer? Reforça-se a importância de se ter uma Gestão Tributária eficiente. E fazer isso não é simplesmente tocar juridicamente com a busca da tese tributária em vigor. É construir um planejamento tributário adequado, levando não só não essa questão, mas todos os pontos dos aspectos tributários. É preciso buscar as medidas judiciais protetivas para evitar autuações fiscais, adotar as contabilizações adequadas e, principalmente, entender de forma clara os impactos econômicos de medidas que envolvam fluxo de caixa, precificação e tamanho de carga. Com a diminuição das margens, alta inflacionária e os riscos negociais envolvidos, beira a irresponsabilidade que empreendedores deixem as questões tributárias andarem sem o acompanhamento devido.

André Luís Macêdo é contador e advogado com Especialização em Direito Tributário e Gestão Pública. Foi Secretário de Tributação do Município do Natal (2009-2012) e atualmente é Assessor Técnico da Associação Brasileira das Secretarias de Finanças das Capitais (ABRASF). Para o mercado privado, atua como consultor com ênfase em tributação e liderança de projetos estratégicos e de gestão de tributos, além de ser auditor independente certificado pelo IBRACON e conselheiro de administração pelo IBGC. Sócio da MRD Consulting e Conta Contabilidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

E outubro está chegando…

Por Paulo Alonso.

Check-up do acerto de contas com o Leão

Por Sandro Rodrigues

Últimas Notícias

Diesel: novo reajuste pode afetar preço do frete

Já gasolina subiu 1% e fechou quinzena a R$ 7,599; valor médio do combustível no Brasil foi de R$ 7,599 nos primeiros 15 dias de maio.

SP é o segundo estado com maior potência de energia solar em telhados

Geração própria de energia solar no Rio ultrapassa 49,8 mil conexões em telhados e pequenos terrenos.

Mais de um terço das famílias relata queda da renda mensal

Estudo destaca comportamento das pessoas sobre gastos e dívidas no primeiro trimestre; mais impactados são famílias de menor renda.

Despesas de planos médicos atingiram R$ 206 bi na pandemia

Estudo mostra que aumento de 24% durante um ano está relacionado com a retomada de procedimentos médicos a partir de 2021.

Tunisianos investem em azeite orgânico para entrar no Brasil

Segundo executivo, Tunísia está em primeiro lugar no ranking global de azeites orgânicos.