Como adequar o Privacy by Design nos processos empresariais?

78
criptografia de dados
Foto: Markus Spiske

Integrando a segurança de dados no desenvolvimento de produtos e serviços

 

O conceito de “Privacy by Design” (“Privacidade desde a concepção”) ficou ainda mais famoso nos últimos anos em face da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)¹ ter fomentado a preocupação das empresas quanto às questões de privacidade em seus processos, em especial no fornecimento de produtos e serviços para o mercado. Essa metodologia visa incorporar a privacidade nas práticas, na tecnologia e nos sistemas, servindo inclusive como baliza na criação de novos produtos e serviços.

É evidente que a sobrevivência das empresas depende da observância à legislação, visto que o compliance viabiliza a competitividade de mercado, a contratação ou realização de parcerias com grandes players e a redução do contencioso judicial. Sendo assim, a adoção de metodologias que venham a garantir o cumprimento da legislação é medida necessária para a permanência dos agentes de tratamento no mercado.

A proteção da privacidade em todas as etapas do processo já é uma realidade na legislação europeia, visto que é um requisito legal a sua aplicação, de acordo com o GDPR (General Data Protection Regulation)². A título exemplificativo, caso uma empresa deseje criar e vender uma boneca falante, a qual promete fazer perguntas e responder as que são feitas pelas crianças, será mister incorporar considerações de segurança e privacidade no desenvolvimento do produto, sendo inclusive prudente realizar uma “Avaliação de Impacto” antes da criação.

Espaço Publicitáriocnseg

O GDPR, em seu artigo 25, considera infração o não atendimento a essa metodologia e, de acordo com o Guideline 4/2019³, é uma obrigação para todos os responsáveis pelo tratamento de dados, independentemente do volume e da complexidade do tratamento.

Por outro lado, com a promulgação da Lei Geral de Proteção de Dados e a readequação dos processos pelas empresas, algumas passaram a aplicar o framework em questão, preocupando-se com a privacidade tanto antes do tratamento e também continuamente no momento do tratamento, ao reverem com regularidade a eficácia das medidas e das garantias escolhidas.

Na legislação brasileira, previsto de forma expressa no §2º do artigo 46, tem-se que as medidas deverão ser observadas desde a fase de concepção do produto ou do serviço até a sua execução.

Além disso, de acordo com os sete princípios que fundamentam o Privacy by Design, as empresas podem considerar adotar em suas atividades as seguintes considerações:

  1. Adotar abordagens proativas, em vez de corretivas;
  2. A privacidade deve ser o padrão a ser adotado nas escolhas, como, por exemplo, de softwares, serviços etc.;
  3. Incorporar a privacidade desde a concepção do produto/serviço;
  4. Coletar dados de acordo com o mínimo necessário;
  5. Adotar a segurança de ponta a ponta;
  6. Promover os direitos dos titulares dos dados e promover a transparência no tratamento; e
  7. Respeitar a privacidade do usuário.

Dessa forma, é importante adotar o Privacy by Design na operação dos agentes de tratamento, uma vez que estão submetidos à legislação de proteção de dados, além de transmitirem uma maior segurança aos titulares, de modo a respeitarem os seus direitos e, por conseguinte, a sua privacidade.

 

Catarina Linhares é advogada, sócia do escritório Fortes Nasar Advogados.

 

Notas
¹ Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/l13709.htm
² Disponível em: https://gdpr-info.eu/
³ Disponível em: https://edpb.europa.eu/our-work-tools/our-documents/guidelines/guidelines-42019-article-25-data-protection-design-and_en

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui