Como fica a economia pós-vacina?

Com troca de farpas, queda de braço entre ministro e governador e piadas, o programa de imunização da população para a Covid-19, finalmente, tem início no Brasil. Mas, ainda vai levar tempo para que a economia do País colha os frutos do fim da pandemia que derrubou o PIB de 2020, provocou a alta do desemprego, agravou a desigualdade social e ampliou o rombo das contas públicas. Diante do quadro atual, em que se vê um cenário de estagflação (economia estagnada com alta nos preços), não se pode esperar que o Brasil escreva um V em sua recuperação econômica.

O primeiro fato a travar a economia é a incapacidade do governo em lidar com a pandemia. A demora em definir e aprovar a vacina já engoliu um percentual do PIB de 2021. O temor no início do ano era que uma segunda onda assolasse a população, o que já está ocorrendo e colapsando o sistema de saúde de alguns estados, vide o Amazonas.

Na verdade, o Brasil mal conseguiu conter a primeira onda e a falta de responsabilidade do governo em informar a população, levou à nova crise. É preciso lembrar que, enquanto o mundo se fecha, mesmo já utilizando o imunizante, nós aglomeramos jovens para fazer provas em pleno ápice da pandemia, algo que poderia ser evitado com um simples adiamento do Enem. Além disso, o número de vacinas disponíveis no país ainda é ínfimo perto do tamanho da população e, até atingir todos os que não têm medo de virar jacaré, estaremos ao final do primeiro semestre, para ser otimista.

O segundo ponto é a perda econômica irreversível no curto prazo deixada pela pandemia. Com o isolamento social, estabelecimentos comerciais e de serviços tidos como não essenciais foram fechados por um período e muitos se mantiveram assim. Esse fim de inúmeros CNPJs que mantinham, no mínimo, o próprio dono empregado, provocou o aumento do desemprego, prejudicou o desenvolvimento econômico local e, num efeito cascata, ampliou o número de pessoas sem renda, ou seja, de dependentes do auxílio emergencial, que chegou ao fim.

A taxa de desocupação no Brasil chegou a 14,6% no terceiro trimestre do ano passado a maior taxa registrada na série histórica do IBGE, iniciada em 2012, e corresponde a 14,1 milhões de pessoas.

Dados de julho do ano passado, dão conta que durante a pandemia mais de 700 mil pequenas empresas fecharam as portas. A recuperação desta parte da economia, que simplesmente morreu, leva muito tempo. Mesmo que as atividades retomem ao normal no segundo semestre, nem todos deixarão o home office. Os sobreviventes da crise se deparam com um cenário desafiador. Os restaurantes têm uma clientela menor, assim como os salões de beleza e todos aqueles que forneciam serviços às pessoas que caminhavam nas ruas em sua hora de almoço. Com menor clientela, menor faturamento, menor a necessidade de funcionários ou fechamento das portas. E aquele salão ali da esquina, deixou de contribuir com sua fatia para o crescimento da economia.

Para agravar a situação, outra parte importante do nosso PIB está sendo perdida com a saída de multinacionais. Não é à toa que o anúncio da Ford, que deixa órfãos 5 mil brasileiros desempregados, trouxe tanta comoção. É preciso lembrar que ao redor de uma fabricante de veículos gira também toda uma cadeia de fornecedores e revendedores.

Ainda há outros dois fatores que impedem uma perspectiva mais otimista: a alta da inflação, que corrói a renda dos mais pobres e a situação fiscal do governo. Estes dois outros problemas serão debatidos nas próximas colunas.

 

Leia mais:

Quarentena aumenta contágio dos semrendavírus

Cresce emprego sem renda

Ana Borges
Colunista.

Artigos Relacionados

Salário mínimo baixo, gasto do Estado alto

Nos EUA, assistência a trabalhadores que ganham pouco custa US$ 107 bi por ano ao governo.

Acesso à água e gênero

O amplo acesso ao líquido e ao saneamento poderia retirar cerca de 635 mil mulheres da pobreza.

É proibido proibir

Todos sem máscara, como se não fosse obrigatório.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Presidente do Banco do Brasil joga a toalha

Centrão tem interesse no cargo.

Imóveis comerciais tiveram estabilidade em janeiro

Nos últimos 12 meses, entretanto, preços de venda e locação do segmento acumulam quedas de 1,32% e 1,18%, respectivamente.

Contas públicas têm superávit de R$ 58,4 bilhões em janeiro

Dívida bruta atinge 89,7% do PIB, o maior percentual da história.

Presidente do Inep é exonerado do cargo

Medida foi publicada no Diário Oficial de hoje; até o momento, não foi anunciado o nome de quem o substituirá.

Primeiro caso de Covid-19 no Brasil completa um ano

Brasil tem novo recorde de mortes diárias, diz Fiocruz; boletim informa que houve ontem 1.148 mortes.