Como fica o mercado imobiliário após a alta da Selic

Aumento atrapalha o consumidor que, ainda, tem dúvida na compra de um imovel novo.

Depois de quase seis anos, a Selic voltou a subir. A taxa estava estacionada no piso histórico de 2% ao ano desde agosto de 2020, mas o Comitê de Política Monetária (Copom) quebrou o ciclo e fez o ajuste para os atuais 2,75% a.a. Muitos setores vão ser afetados por esse aumento e com essa mudança, surge uma inquietação sobre um possível sinal de encarecimento para o bolso dos brasileiros e isso não seria diferente para o mercado imobiliário. Segundo Dowglas Melo, dono da Urban House Imobiliária, sócio da Midas Go Land Bank e especialista no mercado imobiliário, esse aumento atrapalha o consumidor que, ainda, tem dúvida na compra de um imovel novo.

“Uma reação que pode ser desfavorável para quem ainda não se decidiu na compra do seu imóvel. Descontos e facilidades tendem a ser reduzidas para diminuir os impactos dos reajustes que podem vir após o aumento da taxa. A dica ideal é: comprar e financiar o imovel o quanto antes”, comenta o especialista no mercado imobiliário.

Seja para quem vai construir como para quem pretende comprar um imóvel, a Selic serve como referência dos juros para parte dos investimentos de renda fixa e para algumas operações de crédito, como o parcelamento. “O financiamento na imobiliária de fato é uma das linhas de crédito que são diretamente e rapidamente afetadas pela alta da Selic. O setor teve grande crescimento no ano passado apesar da pandemia e esse aumento foi motivado pelas quedas das taxas de juros e por vários incentivos para aquisição de imóveis e moradia”, argumenta Dowglas Melo.

Para entender melhor essa relação, é importante frisar que a Selic (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) é a taxa média de juros paga pelo governo brasileiro em empréstimos tomados de instituições bancárias. Segundo Pesquisa do Mercado Imobiliário, realizada pelo departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP, em dezembro de 2020 foram comercializadas 8.799 unidades residenciais novas na cidade de São Paulo. O resultado foi 103,2% superior comparado às vendas de novembro (4.331 unidades) e ficou 26,1% acima das 6.980 unidades comercializadas em dezembro de 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fed: BCs devem adotar política restritiva para baixar preços

Segundo economista, entidade reconheceu riscos de uma inflação mais 'entrincheirada'.

Últimas Notícias

Cruzeiros marítimos estão em busca do tempo perdido

O setor quer recuperar o tempo que a pandemia atrapalhou

Fundos de investimento: R$ 8 bi de captação líquida

Renda fixa foi o destaque do primeiro semestre

Petrobras faz oferta de recompra de títulos globais

Interessados têm prazo até 12 de julho

Inscrições para Prêmio de Inovação em Seguros da CNseg

Premiação acontecerá em dezembro para três categorias

Abavt apresenta propostas para Dpvat

Ministério da Economia cria grupo de trabalho para discutir solução