Como financiar o combate ao coronavírus? 10 observações

‘Ideias monetaristas foram por terra depois da crise de 2008/09. Agora é a vez dos dogmas fiscais’.

A coluna abre espaço para o professor Pedro Rossi (IE/Unicamp), que listou dez importantes e inadiáveis medidas para combater a Covid-19 sem matar a economia:

1 – Primeiro é preciso largar o dogmatismo fiscal e rasgar a fantasia neoliberal. Temos que esquecer aquele papo de que não tem dinheiro, de que o Estado está falido. Por que isso é mito/mentira. Tem dinheiro.

2 – Não há restrições financeiras para o gasto público, além das regras instituídas. O governo gasta, depois o Banco Central avalia a base monetária/meta de juros e recolhe dinheiro em troca de dívida. O governo não precisa de dinheiro prévio, nem de taxar pra depois gastar.

3 – Não faz sentido achar que tem que tirar de alguém para poder gastar. Não precisa tirar do policial e do professor, não precisa cortar 25% do salário de funcionários públicos. Isso só vai atrapalhar a recuperação econômica no pós-crise sanitária. A PEC Emergencial é estúpida.

4 – Quem ganha e quem perde? Qualquer gasto público é redistributivo. Se o Estado garantir renda para o mais pobres, $ para a saúde e para que o sistema econômico não colapse, uns ganham mais do que outros. Mas, ao evitar um caos social, a sociedade como um todo sai ganhando.

5 – O que vai acontecer se a dívida pública subir 10% do PIB, um caos social? Não, isso vai acontecer se o governo não gastar agora.

6 – O aumento de dívida NÃO precisa ser revertido em seguida. Alias, o padrão do comportamento das dívidas soberanas mostram: dívida pública não se paga, se rola. A tentativa de reduzir dívida em seguida da crise sanitária por meio de um forte ajuste fiscal seria trágica.

7 – Além de rasgar a fantasia neoliberal, devemos largar os mitos cultivados pela esquerda. A dívida pública não é um problema moral. Não há limite mágico para a dívida pública. Dar calote na dívida em moeda nacional não faz nenhum sentido.

8 – Não faz sentido vender as reservas cambiais! Não precisa vender dólar para financiar gastos em reais, isso mantém a dívida líquida constante e aumenta a vulnerabilidade externa. Se for usar, que financie importação de medicamentos ou empresas endividadas em dólar.

9 – Quem acha que serão dois meses de aumento de gastos e depois voltamos para austeridade fiscal, tá enganado. O custo social disso seria enorme. Dívida pública se estabiliza com crescimento. Enquanto houver desemprego e capacidade ociosa, a política fiscal pode ajudar.

10 – Essa crise vai mudar paradigmas em termos de política fiscal. A realidade é tao chocante que as pessoas abandonam os dogmas. As ideias monetaristas foram por terra depois da crise de 2008/09. Agora é a vez definitiva dos dogmas fiscais.

Observação final do professor Rossi: para o pessoal que aponta a Conta Única do Tesouro como nossa solução (tem R$ 1,2 trilhões, 16% do PIB), isso é questão jurídica/contábil. Retirando as regras fiscais do caminho, usa-se a Conta Única. Retirando a proibição do BC financiar o Tesouro Nacional, não há limites para o gasto público.

 

Escuro

O ex-ministro da Fazenda Maílson da Nóbrega, o especialista em inflação (atingiu a maior marca do país em 1988) afirmou que a equipe econômica do Governo Bolsonaro é brilhante, mas parece perdida. Imagina se não brilhasse.

 

Influenza

Em 2020, o Estado do Rio de Janeiro registrou 121 caos de influenza/SRAG (Síndrome Respiratória Aguda Grave) e três casos de H1N1, sem mortes. Já no ano passado, foram 2.432 casos de influenza/SRAG e 168 casos de H1N1, com 62 óbitos.

 

Faz sentido?

O Ministério da Saúde antecipou a vacinação contra gripe para evitar que idosos adoeçam e lotem os hospitais. Só que todos estão confinados para não contrair coronavírus. Quarentena que por óbvio evita contaminação por influenza. Vão expor os idosos e os profissionais de saúde.

 

Rápidas

Cesar Augusto Barbiero deixa Secretaria Municipal de Fazenda do Rio de Janeiro para comandar a Cdurp, empresa da prefeitura responsável pelo Porto Maravilha *** De acordo com pesquisa da empresa de segurança digital Avast, 58% das pessoas disseram que não recebem um suporte tecnológico ou o conhecimento de que precisam quando trabalham em casa ou em um local público do empregador, o que torna a segurança um problema crescente.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.