Como sair das dívidas e equilibrar orçamento

131
Febraban. Imagem: divulgação

Chega a mais de 67 milhões de brasileiros inadimplentes inscritos em cadastros negativos de crédito. Nesse universo, 20% das famílias que estão endividadas têm mais de 50% de sua renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas, de acordo com dados divulgados recentemente pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

O portal de educação financeira Meu Bolso em Dia, da Febraban, tem conteúdo educativo e informativo gratuito que pode ajudar no desafio de organizar a vida financeira, poupar e investir. Este ano, já foram mais de 3 milhões de acessos.

Há guias ensinando passo a passo a entender o endividamento e suas principais causas, como sair das dívidas e como planejar melhor o uso do salário. Há, ainda, dicas sobre planejamento financeiro, criação de poupança, investimentos e relação com o dinheiro, além de informações que ajudam a entender e usar produtos e serviços bancários, em linguagem acessível a diferentes perfis da população e faixas etárias.

Complementando as matérias do portal Meu Bolso em Dia, a Federação lançou em novembro de 2021, com apoio do Banco Central a Plataforma de Educação Financeira com cursos e ferramentas personalizadas de acordo com o perfil e necessidade do usuário.

Espaço Publicitáriocnseg

Para quem busca renegociar suas dívidas, a plataforma pode ajudar a mapear a vida financeira e a desenvolver um plano sustentável e duradouro de pagamento. O Índice de Saúde Financeira do Brasileiro (I-SFB), exclusivo da plataforma, é uma ferramenta por meio da qual é possível fazer um diagnóstico individual para identificar vulnerabilidades e personalizar estratégias de solução para reequilíbrio das finanças.

“O objetivo do Meu Bolso em Dia é oferecer ferramentas e educação financeira para que os brasileiros possam, ao longo do tempo, aprender a lidar melhor com sua renda e seus investimentos, estar mais preparado para fazer escolhas conscientes e prevenir o superendividamento”, explica Amaury Oliva, diretor executivo de Sustentabilidade, Cidadania Financeira, Relações com o Consumidor e Autorregulação da Febraban.

A plataforma também traz recursos interativos, tarefas e simuladores, de modo que o usuário possa colocar em prática o conteúdo aprendido.

YouTube

No canal do Meu Bolso em Dia no Youtube há vídeos que ajudam a entender os principais temas relacionados às finanças pessoais, web séries como a Cuidando Bem do Seu Dinheiro, formada por quinze vídeos que explicam como usar os produtos financeiros a seu favor e dicas práticas de organização financeira para endividados, para quem tem dificuldade de poupar ou quer investir.

“Há um grande desafio para avançarmos como sociedade, que começa pela educação financeira. Ter cidadãos com maior consciência, informação e engajamento em torno de sua vida financeira tem efeitos positivos para toda a sociedade. Nossa missão é contribuir para que a população use o crédito de forma responsável e faça a gestão de suas finanças pessoais da melhor maneira possível. A combinação entre conhecimento com hábitos saudáveis permite aos brasileiros aproveitar melhor o presente e fazer planos para o futuro”, afirma o diretor.

O portal Meu Bolso em Dia oferece para download diversos guias sobre “Como Sair das Dívidas”, “Crédito Consignado”, “Cartão de Crédito” e “Reserva Financeira”. Também oferece listas para organizar as compras de supermercado, material escolar e os gastos com a revisão do carro e planilhas que fazem todos os cálculos a partir da inserção de entradas de dinheiro e as despesas, permitindo uma fotografia real de como anda o orçamento. O simulador de sonhos, por exemplo, pode ajudar a entender o quanto é preciso guardar por mês para atingir as metas, ensinando o usuário a criar uma disciplina para poupar.

 

 

Dicas para economizar

 

A economia deve começar com os gastos do lar. Na hora das compras no supermercado, por exemplo, é importante fazer uma lista de compras, pesquisar por melhores preços e ativar descontos nos aplicativos dos supermercados, quando há essa possibilidade. Atitudes como comprar frutas da época, evitar o desperdício, criar a própria horta em casa e reaproveitar sobras criando pratos criativos podem ser incorporadas à rotina, contribuindo para a economia dentro de casa.

 

Pequenas mudanças nos hábitos e atitudes podem fazer grande diferença no orçamento. No caso da água, além de verificar e sanar vazamentos (se houver), é possível reaproveitar água da lavagem da roupa para limpar calçada, carro e regar plantas, diminuir o tempo no banho e fechar a torneira ao escovar os dentes.

No caso da energia, o hábito de tirar das tomadas os equipamentos que não estão sendo utilizados, mudar o chuveiro elétrico para a posição verão; evitar que lâmpadas fiquem ligadas desnecessariamente e substituir as lâmpadas convencionais por outras de led podem trazem economia.

Outra dica é colocar papéis, contratos, extratos e as contas em ordem, para não esquecer de pagar as contas na data, evitando juros. Vale analisar faturas e boletos de telefonia, internet, serviços financeiros, academia de ginástica e assinaturas de aplicativos, por exemplo, para ver se encontra alguma despesa que se possa enxugar.

Fazer uma lista dos projetos para o ano e estabelecer metas ajudam no planejamento de poupança. A poupança tem de ser uma obrigação e deve entrar no orçamento.

Se a situação financeira da pessoa já estiver comprometida, a primeira orientação é listar todas as contas fixas e atrasadas e tentar renegociá-las com os credores. Ou, ainda, trocar dívidas com juros mais altos, como cheque especial e cartão de crédito, por outras opções mais baratas, com juros menores. E restringir gastos supérfluos por um tempo, tendo em mente que pequenas despesas podem gerar um grande gasto no fim do mês, assim como as pequenas parcelas.

Também é importante começar a construir uma reserva de emergência, ainda que os recursos para isso sejam modestos no início, por ser um importante recurso para garantir mais tranquilidade. Ela pode ajudar a cobrir eventuais situações inesperadas, oferecer mais segurança em relação às finanças familiares e, consequentemente, uma rotina com menos preocupações.

Leia também:

Dívida da maioria de empresas inadimplentes passa dos R$ 10 mil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui