COMPANHIA VALE DO RIO DOCE

Maior complexo mina/usina
Brucutu poderá produzir 30 milhões de toneladas de minério de ferro por ano
O maior complexo mina/usina em capacidade inicial de produção implantado no mundo foi inaugurado nesta quinta-feira pela Companhia Vale do Rio Doce (CVRD). Trata-se do Projeto Brucutu, onde foram investidos cerca de US$ 1,1 bilhão, localizado no município de São Gonçalo do Rio Abaixo, a 93 quilômetros de Belo Horizonte. Ele já possui capacidade instalada para produzir 30 milhões de toneladas de minério de ferro por ano, marca que será atingida a partir de 2008.
Não há projeto em minério de ferro no mundo com capacidade inicial de produção próxima do que foi alcançado com Brucutu, segundo a Vale. O gerente do projeto da mineradora, João Rabelo, informou que a vida útil da mina, estimado em 30 anos, ainda poderá ser ampliada ao longo do tempo. “A reserva conhecida é para 30 anos de operação, mas ainda está em pesquisa e em 5 anos deveremos acrescentar mais reserva à mina”, informou a jornalistas pouco antes da inauguração formal da unidade.
A mina de Brucutu levou 1 ano e 3 meses para ser concluída. Na primeira fase, de testes, com início imediato, vai produzir 12,2 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. Na segunda fase, em 2007, a produção deve subir para 23 milhões de toneladas, antes da capacidade total instalada a ser alcançada em 2008. Com reservas de 737 milhões de toneladas, Brucutu é a maior mina do complexo de Minas Centrais da Vale, que conta ainda com as minas de Congo-Soco, Água Limpa e Andrade.
A grandiosidade do projeto pode ser vista pelos seus números. No pico das obras, cerca de 26 mil pessoas, entre empregados próprios e de empresas contratadas pela Vale, trabalharam na implantação de Brucutu. A partir de agora, a mina contará com aproximadamente 2.500 pessoas na operação permanente, sendo 543 aprendizes preparados pelo programa Formação Profissional, desenvolvido em parceria com o Senai. No encerramento das obras, foi contabilizado um consumo de 145 mil metros cúbicos de concreto, o equivalente a três estádios do porte do Mineirão. Além de emprego e renda, a atuação da Vale na área contribuiu com a realização de diversos projetos de responsabilidade social corporativa.
A Vale tem como estratégia corporativa a proteção ambiental e a criação de condições para que as comunidades vizinhas às suas operações tenham oportunidades efetivas de mobilidade econômica e social. Com este objetivo, desenvolve uma série de programas para garantir o desenvolvimento sustentável das suas áreas de atuação.
Apenas por meio da Fundação Vale do Rio Doce (FVRD), devem ser investidos cerca de R$ 2,1 milhões em ações de responsabilidade social na região das Minas Centrais. Outros R$ 7,1 milhões, em investimentos diretos da CVRD, já foram direcionados, este ano, a projetos sociais diversos na região. Na área de meio ambiente, entre outras ações, a empresa manterá o monitoramento constante da qualidade do ar por meio de equipamentos instalados em pontos estratégicos das áreas de influência da mina e da qualidade das águas superficiais. Atualmente, a Vale já reutiliza 80% da água necessária ao seu processo industrial. Mensalmente, será realizado, também, o monitoramento sismográfico para avaliar o nível das vibrações do terreno na região.
Por meio do programa Vale Ambiente, serão promovidas ações de caráter pedagógico, para envolver as comunidades nas soluções dos problemas sócio-ambientais. Parceria da Vale com as prefeituras municipais, o Vale Ambiente beneficia cerca de 20 mil pessoas no Estado de Minas Gerais, entre professores da rede pública de ensino, alunos e líderes comunitários, através da realização de cursos, seminários e palestras. No Complexo Minas Centrais, o Vale Ambiente atende atualmente os municípios de Barão de Cocais, Rio Piracicaba, Sabará, Santa Bárbara, Bela Vista de Minas e São Gonçalo do Rio Abaixo, entre outros.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTirando a mesa
Próximo artigoCidadania ignorada

Artigos Relacionados

Os EUA lavam mais branco

Lavagem de dinheiro através de imóveis tem poucos obstáculos na pátria de Tio Sam.

Apagão já foi tragédia, volta como farsa

Modelo de mercantilização da energia é o culpado.

Volume de reservatórios pode cair a 6% em novembro

Quadro crítico poderá ser alcançado em 2 meses, mesmo com tarifaço.

Últimas Notícias

Reforma do IR trará impacto negativo para o caixa das empresas

O projeto de reforma tributária do Imposto de Renda aprovado na Câmara no início de setembro merece atenção especial do setor produtivo. O alerta...

A paz é o caminho

Por Paulo Alonso.

Setor farmacêutico ganha aliado para agilizar contratações

Farmácias e drogarias passaram a integrar o aplicativo Closeer, responsável por conectar empresas e trabalhadores autônomos. Oportunidades de trabalho no segmento devem crescer até...

Taxa de desemprego entre os mais pobres é de 36%

Queda em renda indica aumento na desigualdade durante a pandemia; jovens já são 42% dos empregos temporários no primeiro semestre.