Compre pequeno

Alterações na legislação que rege as compras do setor público podem garantir que bens e serviços até o valor de R$ 50 mil reais sejam fornecidos exclusivamente por micro e pequenas empresas. A adoção de regras como essa pode representar, apenas no governo federal, um aumento de 30% nas compras junto ao segmento, que poderia ter um faturamento adicional de R$ 28,8 bilhões e uma geração de 674,1 mil postos de trabalho. As propostas foram apresentadas pelo Sebrae.

Mais um
O secretário de Energia e Indústria Naval do Rio de Janeiro, Wagner Victer, aproveitou palestra na Câmara de Comércio Americana para anunciar a instalação de mais um estaleiro no estado, o Intercan, dos grupos Superpesa e Carvalhão, que já investiram cerca de US$ 5 milhões no projeto. A unidade irá funcionar em uma parte do estaleiro Caneco, no Cajú, e irá produzir módulos de compressão para as plataformas P-51, P-52 e P-54. O valor das encomendas já supera a casa dos US$ 100 milhões.
“O Intercan é um estaleiro offshore. Ele reativará parte do estaleiro Caneco; estamos em fase final de negociação para a reabertura. Estamos negociando com um pool de bancos. Dentro dos próximos 30 dias, se não tivermos fechado acordo, tenho outras duas instituições interessas no estaleiro Caneco”, disse o secretário fluminense.

Queixas
O ministro da Fazenda, Antônio Palloci, se reúne hoje com o empresariado fluminense. Da pauta constam a questão tributária, particularmente o que diz respeito à Cofins; o desenvolvimento do setor da construção civil, incluindo um programa de construção de casas populares; e aspectos logísticos do Porto de Sepetiba, entre outros. A reunião será na Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Posse
O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Rio de Janeiro (Sinduscon-Rio), Roberto Kauffmann, será empossado hoje como presidente do novo Conselho Empresarial da Indústria da Construção. A posse será durante o encontro com o ministro Palocci.

Tropeço
Esclarecendo nota publicada nesta coluna na quarta-feira, a gerente da Caixa Econômica esclarece que o problema de mau atendimento na agência situada no Ministério da Fazenda, no Rio, ocorreu porque o funcionário é surdo e não entendeu direito as instruções. O que, se mostra que a Caixa está cumprindo seu papel de empresa socialmente responsável – além da lei – empregando deficientes físicos, mostra também que precisa de assessoria para melhor aproveitar seus funcionários com necessidades especiais.

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVolta
Próximo artigo“Verdinhas”

Artigos Relacionados

‘EUA do Mar’ seria considerado crime de lesa-pátria

Na terra de Biden, entregar navegação a estrangeiros é impensável.

Governo Bolsonaro não dá a mínima para a indústria

País perde empregos de qualidade e prejudica desenvolvimento.

Taxa sobre exportação de petróleo renderia R$ 38 bi

Imposto aumentaria participação do Estado nos resultados do pré-sal.

Últimas Notícias

Fundos de investimento poderão atuar como formadores de mercado na B3

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou os fundos de investimento a atuarem como formadores de mercado na B3, a bolsa do Brasil. A...

ABBC: Selic deve subir 1,50 ponto percentual

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) se reúne na próxima terça-feira (7) para decidir sobre a nova Selic, a taxa básica...

Ibovespa fecha a semana em alta

(alta de 0,013%). O volume representou uma extensão do movimento positivo registrado na quinta-feira (2), quando o índice fechou com forte alta de 3,66%,...

China: Incentivos fiscais para investidores estrangeiros

A China anunciou que estendeu suas políticas fiscais preferenciais para investidores estrangeiros que investem no mercado de títulos da parte continental do país. A...

Brasileiro teria renda 6 vezes maior com indústria forte

Entre 1950–70, PIB do País foi multiplicado por 10.