Conceição

Quem não foi ao debate sobre desenvolvimento com pleno emprego, no início da semana no Clube de Engenharia (RJ), perdeu a oportunidade de ver um show da professora Maria da Conceição Tavares. Apesar de não estar entre os palestrantes (Carlos Lessa, Saturnino Braga, Alosio Teixeira e J. Carlos de Assis), Conceição não perdeu a oportunidade de se manifestar e – como de costume – não deixou pedra sobre pedra. Aplaudidíssima, a professora mostrou a inviabilidade de crescimento nos moldes atuais da economia mundial – e não só no Brasil e nos países em desenvolvimento, mas também na Europa e Japão. Só os Estados Unidos – emissor da moeda mundial – teria condição de sustentar crescimento, como ocorreu na década de 90, absorvendo a poupança mundial.

China
Vedete dos últimos anos, a China também mereceu reparos de Maria da Conceição Tavares. Para a professora, o país asiático cresceu “apenas” nos últimos 20 anos. “O Brasil cresceu durante 40 anos a taxas elevadas, até o modelo se esgotar”. A China está aumentando seu passivo externo e vai enfrentar problemas adiante; a única possibilidade de continuar o sucesso seria conseguir transformar o yuan em moeda conversível, insistiu Conceição, no debate promovido pela chapa Engenharia e Soberania, que concorre ao Clube de Engenharia.

Quem diria
Maria da Conceição Tavares só poupou – pasmem – o economista Roberto Campos. Segundo a professora, até ele – símbolo de entreguismo para muitas gerações – rompeu com o FMI, no governo Castello, quando o regime militar queria criar estatais e investir em infra-estrutura.

Até ele
O economista João Paulo de Almeida Magalhães, integrante do Conselho Editorial do MM, lembra que Roberto Campos instituiu, no governo Castello Branco, uma espécie de controle de saída de capitais, segurando parte do dinheiro das multinacionais.

Dois pesos
Provocação do MST com a chamada “grande imprensa”: lei do governo Lula proíbe o plantio de transgênicos. No entanto, produtores rurais – sobretudo do Rio Grande do Sul – vêm estimulando o plantio de grãos geneticamente modificados e nem por isso se viu algum “jornalão” pedindo o enquadramento dos produtores por incitação ao crime.

Atraso
Com o novo Código Civil, que reduziu a multa por atraso na cota condominial de 20% para 2%, houve aumento de 20% na inadimplência, segundo a Principal Administração e Empreendimentos. Para melhorar esse índice, a empresa apostou no marketing de relacionamento e implantou um sistema de atendimento personalizado. Isso propiciou crescimento em volume de clientes e cobranças efetivadas. No ramo de cobranças, um dos principais clientes da Principal é a Caixa Econômica Federal.

Artigo anteriorCusto menor
Próximo artigoMinoritários no vôo
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.

Cem anos de Celso Furtado

A atualidade de um dos mais importantes intelectuais do planeta.

A Disneylândia espacial dos trilionários

Jornada nas estrelas escancara a desigualdade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Taxar dividendos aumentou investimentos na França

Redução, nos EUA e na Suécia, só elevou distribuição de lucros.

Petroleiro tem maior produtividade da indústria no Brasil

Mesmo com setor extrativista, participação industrial no PIB caiu de 25% para 20%.

Exportação cresce, mas só com produtos pouco elaborados

Superávit de quase US$ 7 bilhões até a quarta semana de julho.

Bolsonaro comanda pior resposta à pandemia da AL

Para formadores de opinião, Brasil foi pior até que a estigmatizada Venezuela.