Concentração movida a isenção de impostos

A renda média mensal do 0,1% de brasileiros que ocupa o topo da pirâmide é de R$ 161.146,38. O topo do topo, 0,01% da população, tem renda média mensal é de R$ 2.213.187,12, valor 964,5 vezes superior à média brasileira. Os números são de Marc Morgan Milá, que levantou dados nas declarações de Imposto de Renda para trabalho na Paris School of Economics, ao final de 2015, com supervisão de Thomas Pikety, o economista francês que colocou a questão da desigualdade de renda de volta às discussões. O estudo difere dos números levantados pela Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (Pnad) e também mostra concentração superior à revelada por pesquisas menos abrangentes. Somente a partir do final de 2014 a Receita Federal passou a divulgar mais dados brutos das declarações de IR da pessoa física.

Milá conclui que desde 2006, pelo menos, a concentração de renda no Brasil tem aumentado, quase alcançando o pico registrado no final dos anos 1980, quando levado em conta o total da renda, e não somente a que é alcançada pelos impostos. Uma das principais distorções do sistema tributário brasileiro é a isenção de Imposto de Renda dos lucros e dividendos, criada pelo Governo Fernando Henrique Cardoso em 1995. Em 2013, as receitas isentas dos 71,4 mil brasileiros mais ricos foram de R$ 233,7 bilhões, a preços de 2016.

Pelos dados do IR, a concentração no país só encontra paralelo entre o 0,01% mais rico dos Estados Unidos. Esses dados são apenas de renda, uma variável fluxo, e não de riqueza, uma variável estoque. A riqueza é sempre mais concentrada, em qualquer país. Os 51,4 mil brasileiros mais ricos possuíam, em 2013, uma média patrimonial de R$ 24,8 milhões (a preços de 2016). Outro estudo, realizado por Pedro Souza, pesquisador do Ipea, que abrangeu um período de 1928 a 2012, mostra que a queda de desigualdade acontecida nos últimos anos no Brasil se deu apenas na base, persistindo a concentração da renda nas mãos dos mais ricos. Os 10% que ocupam o topo concentram entre metade e dois terços da renda desde 1974; 0,1% ficaram com 8% a 15% da renda no período.

O que querem os franceses

A área da saúde ocupou o topo das preferências dos investidores franceses no Brasil em 2015, revela pesquisa divulgada pela Câmara de Comércio França-Brasil de São Paulo (CCFB-SP), com 25% do interesse, seguida pela de tecnologia da informação, com 16%, e o setor industrial, com 10%. Energia, meio ambiente e óleo e gás tiveram apenas 3% das escolhas, à frente apenas do setor de moda (2%).

O estudo mostra que o volume total de empresas que entraram em contato com a entidade interessadas em investir no país, 308, é pouco inferior aos 312 que procuraram informações em 2014.

Previdência e saúde

Uma análise da realidade dos fundos de previdência complementar fechada e planos de saúde no Brasil será realizada em simpósio que a Associação de Aposentados e Pensionistas do Banco do Brasil (AAPBB) realiza em 12 e 13 de abril, no Rio de Janeiro.

No primeiro dia, estão confirmadas participações, entre outros, de Ruy Brito, presidente da AAPBB; Antonio José de Carvalho, membro do Conselho Deliberativo da Previ; Ronaldo Tedesco, presidente do Conselho Fiscal da Petros; José Roberto Ferreira, diretor-superintendente da Previc; Antonio Augusto de Miranda e Souza, diretor de Administração da Funcef; e Luiz Alberto Menezes Barreto, presidente da ADCAP – Postalis.

No dia 13 haverá palestras e debates com Williams Francisco da Silva, membro do Conselho Fiscal da Previ; Loreni Senger Correa, membro do Conselho Deliberativo da Cassi; e Isa Musa de Noronha, presidente da FAABB, entre outros.

O simpósio será no Clube da Aeronáutica (Praça Marechal Âncora, 15 – Centro). Participação deve ser confirmada até 16 horas do dia 8 através do endereço eletrônico aapbb@aapbb.org.br ou pelo telefone (21) 2509-0347.

Corpo diplomático

Os Embaixadores do Rio se reuniram nesta terça-feira, no Copacabana Praia. Estiveram presentes apaixonados pela cidade que mereceram a distinção nestes 20 anos, como Ana Botafogo, Franklin Toscano, Liliana Rodriguez, Sergio Costa e Silva, Sérgio Malta e Arnaldo Bichucher, além dos diretores Aloysio Teixeira, Bayard Boiteux, Joana Teixeira, Cláudio André de Castro-Bourbon, Rawlson de Thuin, George Irmes e Sonia Lucas. O futuro embaixador Arapuan Netto, reitor da Unisuam, falou sobre sua instituição.

Rápidas

A XXI edição do Seminário Internacional de Café de Santos acontecerá nos dias 4 e 5 maio de 2016 no Sofitel Jequitimar, na Praia de Pernambuco, em Guarujá. Mais informações podem ser obtidas em www.seminariocafesantos.com.br *** A exposição Retratos, do fotógrafo Helcio Peynado, fica em cartaz no Passeio Shopping (RJ) até 30 de abril *** “Repatriação de recursos não declarados no exterior” é o tema de curso no Ibef-Rio em 28 de abril, na sete da entidade (Av. Rio Branco, 156/4º andar – Ala C – Centro – RJ). Inscrições pelo telefone (21) 2217-5566.

Artigo anteriorAs liberdades da mídia
Próximo artigoFim do pacto
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

Mirem-se nos exemplos da Shell e da Exxon

Petrobras é fundamental para o desenvolvimento brasileiro.

Governo pode – e deve – controlar progresso tecnológico

Tecnologias transformadoras do século 20 não teriam sido possíveis sem liderança do Estado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Preço do diesel avança pelo quarto mês consecutivo

Combustível ultrapassou R$ 4 em fevereiro e os dois tipos, comum e S-10, registraram valores acima de todos os meses de 2020.

Antítese da véspera

Ontem o dia foi completamente diferente da terça-feira, em que começamos o dia raivosos, suavizando mais tarde.

Rio fecha bares à noite e adota toque de recolher

Bares e restaurantes agora só podem funcionar das 6 às 17h; em SP, diretor do Butantan defende que estado seja colocado em fase mais restritiva.

PEC emergencial e pedidos por seguro-desemprego

Mercados europeus fecharam mistos na quarta-feira; indicadores da Zona do Euro tiveram desempenho acima do esperado.

Setor de eventos terá parcelamento e isenção de impostos

Projeto foi aprovado pela Câmara e segue para o Senado.