Confecção e calçados estimam alta de 5% em vendas nos próximos meses

Aldo: 'consumidor está renovando guarda-roupa aproveitando novos lançamentos e também porque ou ganharam peso ou emagreceram.'

As lojas de confecção e de calçados, animadas com a renovação do guarda-roupa dos consumidores com a chegada da primavera e do verão, estimam crescimento de 5% nas vendas, de acordo com o Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio) e o Sindicato dos Lojistas do Comércio do Município do Rio de Janeiro (SindilojasRio), que juntos representam cerca de 30 mil lojistas.

De acordo com Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio e do SindilojasRio, o consumidor está renovando o guarda-roupa aproveitando a oportunidade dos novos lançamentos e também porque ou ganharam peso ou emagreceram.

“Os lojistas estão animados com essas possibilidades e estão apostando em novos lançamentos, promoções e liquidações e esperam crescer as vendas em 5% nos próximos meses.”

Ainda segundo o CDL-Rio e o SindilojasRio entre os produtos que estão sendo mais vendidos estão calças, camisas esportes, bermudas e mocassins e tênis para os homens. E para as mulheres vestidos leves, blusas e sandálias com salto e também os chamados modelos de sandálias rasteiras, além do tradicional tênis.

Em julho, as confecções e os calçados foram os que mais venderam, com aumento de cerca de 3,5% em comparação com o mês anterior.

Já segundo o estudo de tendência comportamental realizado pela Mosaiclab, intitulado “Tomorrow’s Consumer – Sociedade 5.0 Latam” e divulgado durante o Latam Retail Show, para os jovens da geração Z (entre 18 e 24 anos), o maior desejo é comprar roupas, calçados e acessórios. Já para os brasileiros da geração X (entre 40 e 59 anos), eletrodomésticos e eletrônicos para o lar têm 45% da preferência, seguido pelas viagens nacionais, com 43% da intenção de compra.

O levantamento foi feito entre 15 de agosto e 4 de setembro com 4.930 pessoas de 14 países da América Latina (Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, México, Peru, Uruguai, Equador, Guatemala, Venezuela, Paraguai, Costa Rica e Panamá), com perfil representativo da população de 18 anos ou mais de cada país.

Segundo o estudo, as quatro categorias com mais potencial de crescimento nos próximos 5 a 10 anos no Brasil são: viagens nacionais; roupas, calçados e acessórios; eletrodomésticos e eletrônicos para o lar e internet. Também aparece o desejo de comprar produtos de tecnologia de uso pessoal, como celular, veículos e imóveis.

Entre as 35 categorias pesquisadas, viajar pelo Brasil desponta com 44% do desejo de consumo nos próximos 5 a 10 anos, sobretudo para 56% dos brasileiros da geração babyboomers (de 60 a 80 anos) e de 47% geração da Y (de 25 a 39 anos). Entre os babyboomers, também há forte intenção de usar aplicativos de transporte e serviços de internet.

Analisando por gênero, o desejo de viajar é maior entre as mulheres (48%). Elas também querem adquirir cosméticos, artigos de decoração, roupas e acessórios. Já os homens preferem comprar eletrodomésticos e eletrônicos para o lar (42%) e internet (46%).

Quanto mais alta a renda dos brasileiros, mais a vontade de adquirir bens ou serviços, como viagens nacionais ou internacionais, compra de veículos, de itens de decoração ou reforma do lar, cosméticos, alimentação em bares ou restaurantes e produtos financeiros.

Entre a população da classe mais baixa, os maiores desejos de consumo são as roupas, calçados e acessórios; eletrodomésticos e eletrônicos para o lar, as viagens nacionais e os serviços de internet. Se há crianças na casa, cresce a vontade e a necessidade de adquirir roupas, calçados e acessórios, eletrodomésticos e eletrônicos para o lar, alimentos funcionais e saudáveis, TV a cabo, brinquedos e seguros.

Leia também:

Em um ano, varejo farmacêutico cresce 14,69% e bate R$ 66 bi

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Para 48%, recém-formados são os mais afetados no mercado de trabalho

Pesquisa feita com mais de 9 mil pessoas descobriu que 25% fazem parte da Geração Nem Nem, que não trabalha nem estuda.

SP registra queda de 13% em mortes de trânsito ante setembro de 2020

Número de óbitos caiu de 455 em setembro do ano passado para 396 no mesmo período de 2021.

Últimas Notícias

Lei de Melhoria do Ambiente de Negócios no Brasil

Por Letícia Luzia de Sousa Ramos e Renata Homem de Melo.

Para 48%, recém-formados são os mais afetados no mercado de trabalho

Pesquisa feita com mais de 9 mil pessoas descobriu que 25% fazem parte da Geração Nem Nem, que não trabalha nem estuda.

SP registra queda de 13% em mortes de trânsito ante setembro de 2020

Número de óbitos caiu de 455 em setembro do ano passado para 396 no mesmo período de 2021.