Confiança da indústria sobe em maio

Alta veio depois de quatro quedas consecutivas, diz FGV.

O Índice de Confiança da Indústria, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), subiu 0,7 ponto na passagem de abril para maio deste ano. A alta veio depois de quatro quedas consecutivas. Com o resultado, o indicador chegou a 104,2 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, e retornou ao patamar de março deste ano.

O resultado foi influenciado pelo aumento do otimismo dos empresários da indústria brasileira em relação aos próximos meses, quesito medido pelo Índice de Expectativas, que subiu 2,1 pontos e chegou 99 pontos. Já o Índice da Situação Atual, que mede a confiança no presente, recuou 0,5 ponto e atingiu 109,5 pontos.

“O avanço da vacinação, embora lento, e a recuperação de economias externas, ampliando as exportações, são elementos que tendem a contribuir com a melhora das expectativas para o próximo semestre”, afirma a economista da FGV Claudia Perdigão.

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada da indústria subiu 1,1 ponto percentual, para 77,8%.

Já segundo o Levantamento de Conjuntura, elaborado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), em abril, as vendas reais da indústria paulista apresentaram crescimento de 0,9% em relação a março, excluídos os efeitos sazonais. O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) atingiu 80%, alta de 0,2 ponto percentual em comparação a março, mantendo-se acima da média histórica (79,4%). Já as horas trabalhadas na produção tiveram recuo de 0,2% em abril.

Segundo as entidades, apesar do agravamento da pandemia do novo coronavírus, a indústria paulista teve um desempenho melhor em abril deste ano do que na passagem de março para abril do ano passado, quando os indicadores tiveram quedas expressivas de 21,5% nas vendas reais, de 20,2% nas horas trabalhadas e de 11,5 pontos percentuais no Nuci. “Uma das razões para a recuperação da indústria neste ano é o aprendizado acumulado ao longo dos meses, refletindo na adoção de protocolos eficientes, e permitindo a continuidade da atividade dos setores industriais”, dizem as entidades.

A expectativa é que, no restante deste ano, a atividade industrial seja estimulada pelas exportações, pelos baixos estoques e também pelo progresso da vacinação.

Por outro lado, a pesquisa Sensor apresentou aumento de 5 pontos em maio, fechando em 53,9 pontos. Números acima dos 50 pontos indicam melhora da atividade industrial paulista no mês. Dentro dessa pesquisa, três indicadores apresentaram um bom crescimento no período. O indicador mercado apresentou um bom resultado, passando de 47,2 pontos em abril para 51,7 em maio. As vendas também cresceram, avançando 3,3 pontos no período e fechando com 54 pontos. Investimentos também tiveram outro bom resultado, com aumento de 10,8 pontos em relação a abril, somando 53,8 pontos em maio.

Por outro lado, o indicador do nível de emprego desacelerou, passando de 51,9 pontos em abril para 51,2 pontos em maio. Apesar disso, por estar acima dos 50 pontos, o indicador ainda indica aumento do emprego no mês de maio. Quanto aos estoques, eles permaneceram com níveis abaixo do planejado pelas empresas, passando de 51,6 pontos para 53 pontos em maio. Segundo as entidades, neste caso, número superior a 50 pontos indica estoque abaixo do desejável.

Com informações da Agência Brasil

Leia também:

Confiança do consumidor brasileiro sobe 3,7 pontos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Queda na indústria atinge todos os grupos de intensidade tecnológica

Perdas no primeiro trimestre de 2022 vão de 2,3% a 8,7%.

Últimas Notícias

B 3 lança novos produtos para negociação de estratégias de juros

Operações são estruturadas de contratos futuros de DI, DAP e FRC

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

JBS tem governança fraca, mas perfil de negócio forte

Brasil corre risco de desabastecimento de diesel

Alerta foi feito inclusive pela direção da Petrobras

Lucros das empresas subiram 55% no primeiro trimestre

Em abril, quase metade das categorias de trabalhadores não conseguiu repor inflação.

PIB dos EUA cai mais que previsto, porém inflação perde ritmo

Recessão não está descartada, segundo analistas.