Confiança do brasileiro atinge pior nível desde o início da pandemia

O Índice Nacional de Confiança (INC) de março, pesquisa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) junto à Behup, caiu cinco pontos em março, se comparado com fevereiro, atingindo 76 pontos. O dado é o pior registrado desde o início da pandemia. Duas regiões brasileiras chamam a atenção pelo pessimismo: Nordeste, com 69 pontos; e o Sul, com queda de 8 pontos, chegando aos 70 pontos. A pesquisa ainda revela que no Centro-oeste a queda na confiança foi ainda mais brusca, de 13 pontos, saindo do campo otimista – acima de 100 – para o pessimista – abaixo de 100. A variação do indicador é de 0 e 200 pontos. Os pesquisadores ouviram neste mês 1.500 pessoas de todas as regiões do país.

O agravamento das crises econômica e sanitária provocadas pela propagação das novas variantes do novo coronavírus somadas ao fim do auxílio emergencial e às implementações das medidas restritivas para o comércio, bares, restaurantes e de mobilidade urbana são os fatores que influenciaram nesta queda de confiança.

Em janeiro do ano passado, quando não se tinha ainda a notícia de que havia grande número de contágios provocado pelo novo coronavírus no Brasil, a confiança estava em 100 pontos. Logo em seguida, este índice mais otimista foi caindo até maio e junho de 2020, meses que já registravam 77 pontos. Depois, começou a subir um pouco mais até outubro, época em que chegou a 87 pontos, até começar a cair lentamente. O INC mede a confiança e a segurança do brasileiro em relação à sua situação financeira ao longo do tempo e indica a percepção do estado da economia para a população em geral. Além disso, também visa a prever o comportamento do consumidor no mercado. Os dados foram coletados em todas as classes sociais.

O Nordeste agrega os consumidores mais pessimistas do Brasil. Em março, o INC registou 69 pontos naquela região. No Sul houve queda de fevereiro para março (8 pontos), chegando a 70 pontos. A diminuição mais brusca, no entanto, foi no Centro-Oeste, com 13 pontos. Esta região, inclusive, saiu do campo otimista de fevereiro (110 pontos) para o pessimista (97). O Sudeste caiu de 80 para 75 enquanto que o Norte foi a única localidade que a confiança subiu um ponto de um mês para outro (foi de 91 para 92 pontos).

De acordo com a pesquisa, 54% dos consumidores entrevistados enxergam que sua situação financeira está ruim ou péssima, 6% a mais que em fevereiro. Do número total, apenas 25% dos brasileiros se veem bem financeiramente, 4% a menos que no mês passado. Do total, 61% acham que o Brasil está caminhando para a direção errada.

Do universo de entrevistados, 65% perdeu o emprego ou conhece alguém que ficou desempregado nos últimos seis meses e 49% acha que tem grandes chances de isso acontecer daqui para frente, por causa da economia. Opiniões mais globais feitas em cima deste assunto são ainda mais alarmantes. É que 72% acreditam que o desemprego vai aumentar no Brasil a partir de agora. Este número subiu 11% em relação a fevereiro.

Os brasileiros também estão menos dispostos a gastar neste momento. A falta de dinheiro ocasionada pela inexistência do auxílio emergencial e o fechamento dos postos de trabalho por conta da crise econômica influenciaram diretamente na confiança do consumidor brasileiro. Hoje, apenas 22% dos entrevistados se sentem mais confiantes em investir parte de suas economias em bens de grande valor como carro ou casa. No mês passado, 27% diziam estar com esta confiança. Os números são, praticamente, os mesmos quando as pessoas são perguntadas em relação a bens de valor médio necessários para as casas como geladeira ou fogão. Em março, só 21% mostram confiantes em fazer este tipo de compra, 6% a menos do que em fevereiro.

Já pesquisa do Banco Digital Modalmais em parceria com AP Exata, divulgada na sexta-feira, mostra que a popularidade do governo Bolsonaro mantém a tendência negativa e, caso continue em queda, na próxima semana a aprovação ficará abaixo da linha dos 30%. O percentual de pessoas que avaliam a gestão como ruim/péssima é agora de 43,7%. 30,5% consideram o governo bom/ ótimo e 25,8% avaliam como regular.

Os movimentos do presidente da República, para tentar se colocar como um defensor das vacinas e da união em torno do combate à Covid-19, não convenceram os internautas. Vídeos de Bolsonaro negligenciando a imunização, ironizando a Coronavac e estimulando o não uso de máscaras viralizaram nas redes.

Em relação ao Comitê de Combate à Pandemia, ele foi descredibilizado por governadores que não participaram da formação do grupo. Não houve, nas redes, manifestações que reforçassem a ideia de que o presidente quer realmente ouvir outros segmentos da sociedade para traçar estratégias governamentais. Os movimentos também não foram suficientes para ampliar as menções positivas a Bolsonaro.

A popularidade mantém a tendência negativa e, caso continue em queda, nesta semana, a aprovação ficará abaixo da linha dos 30%. O percentual de pessoas que avaliam a gestão como ruim/péssima é agora de 43,7%; 30,5% consideram o governo bom/ótimo e 25,8% avaliam como regular.

Leia mais:

Prefeitos defendem mudanças na política externa

Sem isolamento, Brasil lidera mortes no mundo

Artigos Relacionados

1 em 3 trabalhadores recorre a aplicativos para conseguir renda

Durante a pandemia, número aumentou em 11,4 milhões.

Pacheco vai instalar CPI da Pandemia após dia da Inconfidência

Porém, disse que poderá ser no dia 22...dia 27...quem sabe?

Renan Calheiros é o relator da CPI da Covid

Senador foi alvo de operação do MPF que investigouo o desvio de cerca de R$ 260 milhões de verbas públicas da saúde.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Campos marítimos do pós-sal estão em decadência

Os campos marítimos do pós-sal já produziram cerca de 16 bilhões de barris de óleo equivalente ao longo de sua história, ou seja, 63%...

Motoboys protestam em São Paulo

Entregadores tomaram ruas de São Paulo contra baixa remuneração e péssimas condições de trabalho

BC altera norma para segunda fase do open banking

Medida complementa regulamentação que estabelece requisitos técnicos de fase que vai permitir compartilhamento de dados e transações de clientes.

Confiança do consumidor medida por Michigan ficou abaixo do esperado

Índice registrou leitura de 86,5 na prévia de abril e o esperado era 89.

Escolha de conselheiros da ANPD preocupa por conflito de interesses

Entre os indicados há diretores e encarregados de dados pessoais de grandes empresas da internet.