Conselhos de empresas do Brasil têm menos de 30% de mulheres

Uma empresa de capital aberto deve ter um mínimo de três a cinco conselheiros em seu Conselho de Administração, dependendo do segmento de listagem, com percentual obrigatório de independentes. Neste meio, a presença das mulheres ainda é pequena, mesmos diante do fato de que a ampla maioria (93%) têm um ou mais diplomas além do ensino superior, sendo os mais recorrentes os de Especialização ou MBA (57%) e Mestrado (27%).

Uma parcela menor(7%) completou o Doutorado e apenas 2% têm Pós-doutorado. Menos da metade (39%) delas dedicaram entre 1 e 5 anos se preparando antes de assumir o primeiro Conselho, enquanto 8% investiram mais de 5 anos nesse processo. Essas são algumas das conclusões da pesquisa Retrato da Conselheira no Brasil, realizada pela WCD (WomenCorporateDirectors) Foundation com apoio da KPMG Brasil.

O levantamento, inédito no país, também destacou que, entre as principais estratégias de preparo, estão as certificações para conselheiros (47%) e especializações na área de Governança Corporativa (46%). Entre as mulheres que atuam em Conselhos de Administração, 59% operam também em Comitês de Assessoramento ao Conselho – com destaque para os Comitês de RH, Remuneração e Sucessão (30%) e de Estratégia e Inovação (21%). Há, ainda, um grupo expressivo que concilia a carreira de executiva com a de conselheira – são 48% das conselheiras que responderam à pesquisa. Dessas, 28 % são CEO/Presidentes, 26% estão em cargos de diretoria executiva ou head de área em multinacionais e 10% carregam o chapéu de CFO.

Apesar da representatividade feminina ainda estar abaixo dos 30%, a maioria (80%) das conselheiras afirma que suas opiniões são sempre ouvidas e consideradas, enquanto 19% ainda sentem dificuldade em conquistar espaço e 1% diz que raramente têm voz. Sobre remuneração, a maioria das respondentes recebe anualmente de R$ 30 mil a R$ 100 mil (32%) ou atuam pro bono (25%).

“A pesquisa WCD aponta que os principais obstáculos para as mulheres chegarem aos conselhos são, em geral, a falta de networking e relacionamento com a comunidade de governança e falta de engajamento de stakeholders com a diversidade nos conselhos”, afirma Marienne Coutinho, Sócia da KPMG no Brasil e Co-Chair da WCD Brasil. “Precisamos cada vez mais de líderes conscientes da importância e benefícios da diversidade nas organizações, especialmente em posições de alta liderança. Havendo a intenção de ter mais diversidade nos conselhos, podemos garantir que há muitas mulheres competentes e interessadas em ocupar esses espaços”, diz.

Segundo ela, uma das principais lições que a pandemia está nos ensinando é que para sobreviver e ter sucesso em um cenário volátil é preciso, além de resiliente, ser disruptivo e inovador. E as empresas que melhor fizeram isso foram as que se beneficiaram de pessoas com ideias, habilidades e experiências complementares e até mesmo antagônicas. “O conselho, como topo da pirâmide, tem a obrigação de ajudar as empresas a navegarem nesse cenário de incertezas e polarização, com o tema ESG e inovação no centro. E não há como falar em ESG e inovação sem diversidade”, afirma.

A ampla maioria das conselheiras é brasileira (98%), branca (97%), têm entre 51 e 60 anos (45%), é mãe (82%), cisgênero (88%), heterossexual (98%), e estão concentradas com residência no Estado de São Paulo (74%). A principal área de formação acadêmica é Administração de Empresas (28%), seguida por Ciências Financeiras, como Economia e Contabilidade (16%), e depois Engenharia e Direito (12%). A área de humanas também tem grande representação, com 9% delas formadas em Comunicação/Marketing e 7% em Psicologia.

Esta primeira edição da pesquisa Retrato da Conselheira no Brasil contou com 226 respondentes, de 10 Estados brasileiros, representantes de 11 setores de atuação. Para chegar a um perfil mais preciso das conselheiras, foram consideradas 200 respostas, considerando mulheres que atuam ou atuaram em Conselho de Administração, Fiscal ou Consultivo/Deliberativo. Desse recorte, 94% (187) das respondentes ocupam atualmente cadeiras em Conselho, sendo 75% em Conselhos de Administração, 70% em Conselhos Consultivos/Deliberativos e 34% em Conselhos Fiscais, sendo que a maioria atua em mais de um tipo de Conselho.

Leia também:

Volume de fusões e aquisições aumentou 51% em 2021

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Tunisianos investem em azeite orgânico para entrar no Brasil

Segundo executivo, Tunísia está em primeiro lugar no ranking global de azeites orgânicos.

População mais pobre está bastante pessimista em relação ao Brasil

Em contrapartida, segundo a Associação Comercial de São Paulo, classes AB e C mostram cada vez mais confiança na economia do país.

Leega lança solução de inteligência de dados marketing das empresas

Marketing Analytics combina arquitetura Cloud, engenharia de dados e machine learning.

Últimas Notícias

Tunisianos investem em azeite orgânico para entrar no Brasil

Segundo executivo, Tunísia está em primeiro lugar no ranking global de azeites orgânicos.

População mais pobre está bastante pessimista em relação ao Brasil

Em contrapartida, segundo a Associação Comercial de São Paulo, classes AB e C mostram cada vez mais confiança na economia do país.

Saques extraordinários já somam 20% do patrimônio do FGTS

Para deputado, 'a nobreza do gasto não justifica o desvio do seu uso'.

Bolsas globais sobem após movimento do BC chinês

Corte de juros na China é um sinal positivo para Brasil, de modo que a Bolsa local possa acompanhar o bom humor global.

Leega lança solução de inteligência de dados marketing das empresas

Marketing Analytics combina arquitetura Cloud, engenharia de dados e machine learning.