Consórcios de imóveis foram os mais procurados na pandemia

Poupança, fundos de investimento, ações e bolsa de valores e consórcio são os investimentos mais conhecidos do público. Pesquisa recente do Mycon, uma administradora de consórcios 100% digital e que usa inteligência artificial como recurso, aponta que os bens mais desejados do segmento são: imóveis, automóveis e motos.

A administradora é autorizada e fiscalizada pelo Banco Central do Brasil, da mesma forma que os demais consórcios que atuam no mercado. O BC é a única entidade responsável por regulamentar e fiscalizar o segmento de consórcios, com o objetivo de preservar os interesses dos participantes, proporcionando assim total segurança para quem está adquirindo o seu consórcio.

O Mycon, um chatbot baseado em (IA) inteligência artificial, é o recurso tecnológico usado pela empresa. Chatbot é traduzido como um programa de computador que faz o que é programado. Simula uma conversa humana em um chat. Assim, é possível automatizar tarefas repetitivas e burocráticas, como dúvidas frequentes, na forma de diálogo pré-definido entre o usuário e um “robô”.

O Mycon, que tem como lema aplicar a menor taxa do Brasil, apresentou dados da sua operação e revelou que os bens com mais intenção de compra nessa quarentena pelos consorciados são imóveis (55%), automóveis (22%), motos (15%) e serviços, como construção, reformas, cirurgias estética e festas, com 8%.

“É gratificante ver como o Mycon está modernizando e digitalizando o produto consórcio. Através da educação financeira e venda assistida realizada pelo Mycon nosso Chatbot, baseado em (IA) inteligência artificial, conseguimos levar essa opção de compra compartilhada a geração Y que até então desconhecia essa forma de obter crédito para adquirir imóveis, automóveis, motos e serviços”, ressalta Marcio Kogut, CEO do Mycon.

Na fintech, a compra de um imóvel, por exemplo, pode ser programada em até 204 meses (17 anos), com uma taxa de 9,99% por todo o prazo. “Isso é até 10x mais barato que um financiamento e em média 50% menor que a taxa praticada pelos outros consórcios”, diz a empresa.

O Brasil possui mais de 7 milhões de consorciados ativos e mais de R$ 253 bilhões de ativos administrados. O sistema de consórcios cresceu 9,7% e a expectativa de crescimento do setor para 2020 é de 15%, segundo a Associação Brasileira de Administradores de Consórcios (Abac). Os estados que lideram o ranking em vendas são: São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Paraná e Rio de Janeiro.

O Mycon registrou crescimento de 197% no último trimestre e espera triplicar o volume este ano. A expectativa é que a fintech ultrapasse os R$ 300 milhões em vendas até o final de 2020.

Atualmente, a empresa está com uma campanha na TV e no Digital a nível nacional, que contou com mais de R$10 milhões de investimentos. Marcio Kogut explicou à reportagem do MONITOR MERCANTIL como a empresa tem atuado para ampliar sua carteira de clientes.

A Mycon surgiu como a primeira fintech de consórcios sem vendedores humanos (usa inteligência artificial). A empresa segue com essa proposta?

– Sim, esse é o propósito do Mycon – Acabar com a intermediação e promover as conquistas de um jeito simples, justo e humano.
Que abordagem a empresa usa para chegar ao cliente?
– Trabalhamos com uma abordagem mais jovem, transparente sem pegadinhas ou conversa fiada nos canais digitais e através de campanhas em TVs.
De acordo com a pesquisa, imóveis e automóveis puxaram o interesse por consórcio. Acredita na manutenção do ritmo de crescimento, uma vez que pandemia já afetou a economia?
– Sim, o mercado de consórcio só cresce ano após ano e mesmo na pandemia está batendo recorde de vendas.
Qual foi a fonte de inspiração para a criação da Mycon?

– O fato de entender que o produto consórcio é uma maneira inteligente e econômica para planejar a compra de bens sem pagar juros, mas funcionava da mesma forma há mais de 50 anos. Vendido através de vendedores e representantes que muitas vezes não vendiam o produto de forma correta e transparente, então fazer a desintermediação retirando os vendedores e representantes do processo e colocando tecnologias e inteligência artificial seria possível vender o produto da forma correta e principalmente 50% mais barato que os outros consórcios uma vez que não existe pagamento de comissões a terceiros.
Quem é o concorrente da empresa?
– O Modelo do Mycon não tem concorrentes pois a experiência é infinitamente melhor para o clientes e com a menor taxa do Brasil, em média 50% menor que os consórcio tradicionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi em setembro

As vendas de títulos do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 1,238 bilhão em setembro deste ano. De acordo com os dados do...

81% dos brasileiros têm contas em mais de uma instituição financeira

Oito em cada dez brasileiros têm conta em mais de uma instituição financeira, ou seja, controla suas finanças de força desagregada. É o que...

Últimas Notícias

Guedes fica mesmo avaliado com nota baixa

Apesar de abrir a possibilidade de aumentar a crise econômica e do desrespeito ao teto de gastos ou outras regras fiscais para bancar medidas...

Ex-ministro de Temer substituirá Funchal

O ex-ministro do Planejamento Esteves Colnago assumirá o comando da Secretaria Especial de Tesouro e Orçamento da pasta. A nomeação foi confirmada nesta sexta-feira...

Receita Federal abre consulta a lote residual de Imposto de Renda

A Receita Federal abriu nesta última sexta-feira consulta a lote residual de restituição do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) relativo ao mês...

Vendas do Tesouro Direto superam resgates em R$ 1,238 bi em setembro

As vendas de títulos do Tesouro Direto superaram os resgates em R$ 1,238 bilhão em setembro deste ano. De acordo com os dados do...

81% dos brasileiros têm contas em mais de uma instituição financeira

Oito em cada dez brasileiros têm conta em mais de uma instituição financeira, ou seja, controla suas finanças de força desagregada. É o que...