Consórcios de imóveis foram os mais procurados na pandemia

Poupança, fundos de investimento, ações e bolsa de valores e consórcio são os investimentos mais conhecidos do público. Pesquisa recente do Mycon, uma administradora de consórcios 100% digital e que usa inteligência artificial como recurso, aponta que os bens mais desejados do segmento são: imóveis, automóveis e motos.

A administradora é autorizada e fiscalizada pelo Banco Central do Brasil, da mesma forma que os demais consórcios que atuam no mercado. O BC é a única entidade responsável por regulamentar e fiscalizar o segmento de consórcios, com o objetivo de preservar os interesses dos participantes, proporcionando assim total segurança para quem está adquirindo o seu consórcio.

O Mycon, um chatbot baseado em (IA) inteligência artificial, é o recurso tecnológico usado pela empresa. Chatbot é traduzido como um programa de computador que faz o que é programado. Simula uma conversa humana em um chat. Assim, é possível automatizar tarefas repetitivas e burocráticas, como dúvidas frequentes, na forma de diálogo pré-definido entre o usuário e um “robô”.

O Mycon, que tem como lema aplicar a menor taxa do Brasil, apresentou dados da sua operação e revelou que os bens com mais intenção de compra nessa quarentena pelos consorciados são imóveis (55%), automóveis (22%), motos (15%) e serviços, como construção, reformas, cirurgias estética e festas, com 8%.

“É gratificante ver como o Mycon está modernizando e digitalizando o produto consórcio. Através da educação financeira e venda assistida realizada pelo Mycon nosso Chatbot, baseado em (IA) inteligência artificial, conseguimos levar essa opção de compra compartilhada a geração Y que até então desconhecia essa forma de obter crédito para adquirir imóveis, automóveis, motos e serviços”, ressalta Marcio Kogut, CEO do Mycon.

Na fintech, a compra de um imóvel, por exemplo, pode ser programada em até 204 meses (17 anos), com uma taxa de 9,99% por todo o prazo. “Isso é até 10x mais barato que um financiamento e em média 50% menor que a taxa praticada pelos outros consórcios”, diz a empresa.

O Brasil possui mais de 7 milhões de consorciados ativos e mais de R$ 253 bilhões de ativos administrados. O sistema de consórcios cresceu 9,7% e a expectativa de crescimento do setor para 2020 é de 15%, segundo a Associação Brasileira de Administradores de Consórcios (Abac). Os estados que lideram o ranking em vendas são: São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Paraná e Rio de Janeiro.

O Mycon registrou crescimento de 197% no último trimestre e espera triplicar o volume este ano. A expectativa é que a fintech ultrapasse os R$ 300 milhões em vendas até o final de 2020.

Atualmente, a empresa está com uma campanha na TV e no Digital a nível nacional, que contou com mais de R$10 milhões de investimentos. Marcio Kogut explicou à reportagem do MONITOR MERCANTIL como a empresa tem atuado para ampliar sua carteira de clientes.

A Mycon surgiu como a primeira fintech de consórcios sem vendedores humanos (usa inteligência artificial). A empresa segue com essa proposta?

– Sim, esse é o propósito do Mycon – Acabar com a intermediação e promover as conquistas de um jeito simples, justo e humano.
Que abordagem a empresa usa para chegar ao cliente?
– Trabalhamos com uma abordagem mais jovem, transparente sem pegadinhas ou conversa fiada nos canais digitais e através de campanhas em TVs.
De acordo com a pesquisa, imóveis e automóveis puxaram o interesse por consórcio. Acredita na manutenção do ritmo de crescimento, uma vez que pandemia já afetou a economia?
– Sim, o mercado de consórcio só cresce ano após ano e mesmo na pandemia está batendo recorde de vendas.
Qual foi a fonte de inspiração para a criação da Mycon?

– O fato de entender que o produto consórcio é uma maneira inteligente e econômica para planejar a compra de bens sem pagar juros, mas funcionava da mesma forma há mais de 50 anos. Vendido através de vendedores e representantes que muitas vezes não vendiam o produto de forma correta e transparente, então fazer a desintermediação retirando os vendedores e representantes do processo e colocando tecnologias e inteligência artificial seria possível vender o produto da forma correta e principalmente 50% mais barato que os outros consórcios uma vez que não existe pagamento de comissões a terceiros.
Quem é o concorrente da empresa?
– O Modelo do Mycon não tem concorrentes pois a experiência é infinitamente melhor para o clientes e com a menor taxa do Brasil, em média 50% menor que os consórcio tradicionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.

Últimas Notícias

BNDES: R$ 6,9 bi para construção da linha 6 do metrô de SP

Total previsto de R$ 17 bilhões financiados por um consórcio de 11 bancos

Área de oncologia movimenta R$ 50 bilhões no Brasil

Cerca de 625 mil novos casos de câncer são diagnosticados por ano

Títulos públicos prefixados: maiores rentabilidades de julho

Destaque ficou com os prefixados de vencimentos mais longos, representados pelo IRF-M1+

Economia prepara projeto para abrir fundos de pensão ao mercado

Em jogo, patrimônio de R$ 1 trilhão acumulado pelos fundos fechados de previdência.