Construção fecha trimestre com alta de 30% em relação ao pré-covid

O indicador Juntos Somos Mais, que apura as vendas de indústrias para o varejo da construção, indicou que no terceiro trimestre de 2020, o setor teve uma performance aproximadamente 30% melhor do que no período pré-Covid. A parcial de outubro indica continuidade no comparativo, com crescimento também de 30%.

Com um ecossistema que reúne mais de 80 mil varejistas, 500 mil profissionais da construção civil em todo Brasil e mais de 20 empresas de serviços e indústrias ligadas à construção civil, a Juntos Somos Mais vem acompanhando o desempenho do setor ao longo dos meses.

No início da pandemia, em abril, a expectativa em relação ao desempenho de vendas para 2020 era muito ruim. Pesquisa realizada no dia 17 daquele mês com representantes das indústrias indicou que apenas 11% dos respondentes acreditavam que o ano de 2020 teria um faturamento superior ao ano de 2019, outros 11% que 2020 seria similar à 2019, enquanto 22% que a queda seria de até 10% e 56% entendiam que a queda seria entre 10% e 30%. A pesquisa mais recente, realizada em outubro de 2020, aponta que 89% acreditam que este ano será de crescimento no faturamento versus o ano anterior e 11% que o faturamento de 2020 será similar ao ano anterior.

A alta na demanda e a mudança de perspectivas implicaram em desafios de produção para a indústria. Em outubro de 2020, 66% das indústrias indicaram ter aumentado a produção, com 44% operando no limite produtivo. Além de restrições de capacidade produtiva, também há dificuldades em se conseguir matérias primas como embalagens, cobre e outras. As lojas de material de construção têm então indicado falta de produtos e o preço tem subido como atesta o CUB Médio Brasil, indicador de custos da construção, que registrou em agosto de 2020 um aumento de 1,24% em relação a julho do mesmo ano, configurando o maior aumento percentual de um mês em relação ao anterior desde junho de 2016.

Há vários fatores contribuindo para o desempenho do setor. O primeiro deles está ligado a uma mudança de comportamento do consumidor que, estando mais tempo em casa, tem valorizado mais a sua casa e classificado “pequenas reformas” como um “item importante, não supérfluo”. A taxa de juros nos menores patamares da história conjugada com um déficit habitacional que cresceu de 2012 a 2017 (último dado disponível) também têm motivado a demanda por obras e reformas.

Entretanto, a partir de análise de dados internos e também indicadores como a Pesquisa Mensal de Comércio e a Pesquisa Mensal Industrial do IBGE, dados do SNIC (Sindicato Nacional da Indústria do Cimento), ABECIP (Entidades de Crédito Imobiliário) e ABRAINC (Incorporadoras Imobiliárias), a área de Inteligência da Juntos Somos Mais concluiu que o auxílio emergencial foi responsável por 75% do crescimento. “O setor deve continuar se beneficiando do aporte gerado pelo auxílio emergencial. Estimamos que por volta de 17,3% do faturamento do setor entre maio e agosto de 2020 tenha vindo desta fonte”, comenta Ivan Ormenesse, responsável pela área na Juntos Somos Mais.

Consequentemente, o fim do auxílio emergencial traz incertezas sobre cenários de crescimento no próximo ano. Ainda assim, 89% das indústrias pesquisadas esperam aumento de faturamento em 2021, sendo que 33% esperam crescimento acima de 10%. A falta de material, entretanto, não deve se repetir na mesma escala atual, já que a expectativa das indústrias pesquisadas é que 78% conseguirão atender a demanda.

“A construção civil é uma indústria que depende das expectativas futuras para projetar seu crescimento. Nos últimos anos o setor sofreu com queda de PIB e aos poucos aprendeu a viver na crise”, explica Antonio Serrano, CEO da Juntos Somos Mais, que ainda destaca: “O desempenho nos últimos meses foi surpreendente, porém o ano foi atípico e devemos estar preparados para diversos cenários em 2021. O pequeno varejista da construção fez rapidamente sua lição de casa, se adaptando a vendas remotas, mas precisa avançar de forma mais estruturante em gestão e digitalização do seu comércio”.

Ana Borges
Colunista.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigos Relacionados

IPCA teve leitura acima do esperado

Composição do índice foi, no geral, negativa; dinâmica parece favorecer novas revisões nas expectativas de inflação à frente.

Juros nos EUA e fim de semana pesam sobre Bolsas globais

Futuros das Bolsas americanas continuaram o movimento de correção do fim da sessão de ontem.

Preocupação com crise da Evergrande deve interromper alta do Ibovespa

Incertezas sobre gigante do setor imobiliário segue fazendo preço nas principais Bolsas mundiais nesta sexta-feira.  

Últimas Notícias

Pitch Night Mulheres no Comando

Grupo de mulheres investidoras anjo autofinancia startup de tecnologia lideradas por elas mesmas.

Limite de R$ 1 mil para saques entre 20 h e 6h deve dividir opiniões

Crescimento de golpes obriga BC a adotar medidas restritivas Na tentativa de evitar fraudes, o Banco Central adotou esta semana duas medidas restritivas: limite de...

Brasileiros começam a descobrir a Mesa proprietária

No Brasil o conceito ainda é desconhecido para a maioria das pessoas, mas é possível ganhar dinheiro trabalhando como trader no mercado financeiro e...