Construtora Beter

Atua na construção civil, especialmente nas áreas de engenharia civil, elétrica e mecânica, por administração ou empreitada, bem como a elaboração de projetos, cálculos, estudos e respectiva assistência técnica. A empresa executa grande volume de obras nos mais diversos ramos da engenharia, tais como: pontes e viadutos, obras rodoviárias, ferroviárias e metroviárias, hospitais e edifícios habitacionais, comerciais e industriais.
A carteira de obras alcançava R$ 166 milhões em 1999. Em 23 de março de 2000, foi publicado o aviso de homologação e seu objeto adjudicado, a licitação a favor da empresa, que tem por objetivo a contratação das obras e serviços de engenharia do Aeroporto Internacional de Brasília-DF, pelo valor global de R$ 108 milhões.
No setor de concessões rodoviárias, através da controlada Centrovias – Sistemas Rodoviários S/A, foram investidos R$ 30 milhões em obras, manutenção e modernização das rodovias SP-310 (entre Cordeirópolis e São Carlos) e SP-225 (entre Itiparina e Bauru).
Apesar dos impactos causados pelos altos níveis das taxas de juros e pelo atraso nos pagamentos de seus clientes, a empresa terminou o último exercício (31/12/99) com os seguintes indicadores:

Índice de liquidez corrente
3,35
Índice de liquidez geral
2,54
Relação capital próprio/terceiros
71/29

O resultado final dos últimos três exercícios encerrados foram:

31/12/97
R$    156 mil
31/12/98
R$    143 mil
31/12/99
R$ 2.198 mil

No segundo trimestre deste ano e no semestre, sua receita líquida operacional teve o seguinte comportamento:

04 a 06/2000 04 a 06/1999 01 a 06/2000 01 a 06/1999
Receita líquida de serviços 13.139 6.572 23.844 12.713

A composição da receita bruta no período nos diversos segmentos de atuação foi a seguinte:

Segmentos Participação
Infra-estrutura Aeroportuária 45,8%
Edificações públicas habitacionais 11,3%
Grandes estruturas obras de arte 29,4%
Outros 13,5%
Total 100,0%
A controladora obteve margem bruta de 18,4% no segundo trimestre deste ano, e 13,9% no semestre, sendo que no mesmo período do ano anterior, as margens brutas foram de 7,3% e 2,8%, respectivamente.
No segundo trimestre de 2000, a controladora apresentou lucro líquido de R$ 672 mil, e R$ 799 mil no semestre.
A estrutura patrimonial é equilibrada, com níveis de endividamento baixo. Os resultados operacionais, no entanto, vêm sendo modestos nos últimos exercícios.
Em bolsa, suas ações desvalorizaram 11,7% em 1999, e valorizaram 30,5% este ano.
Nos atuais níveis de preços, apesar dos fracos resultados operacionais que vem obtendo, suas ações se encontram muito depreciadas (7% do patrimônio líquido), tendo relativa atratividade.

Por Carlos Antonio Magalhães
Diretor da Sirotsky & Associados

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorGranóleo pn
Próximo artigoManasa pn

Artigos Relacionados

Últimas Notícias

Contração seguida do PIB configura recessão técnica

A quinta-feira foi marcada pela repercussão dos dados divulgados sobre o Produto Interno Bruto (PIB), a soma de todos os bens e serviços produzidos...

Renova Energia fecha negócio da Brasil PCH

A Renova Energia, em recuperação judicial, concluiu nesta quinta-feira a venda de sua posição majoritária na Brasil PCH, sociedade que reúne 13 usinas de...

ANP aprova novas regras para firmas inspetoras de combustíveis

A Diretoria da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) aprovou nesta quinta-feira (02) a resolução que revisa os requisitos necessários para...

Dia de alta para Petrobras e Braskem

A quinta-feira foi um dia de propensão a risco. “Tivemos uma alta bastante expressiva de alguns papéis na bolsa como Petrobras e Braskem. A...

B3 faz leilão do Fundo de Investimentos da Amazônia

Dia 16 de dezembro, a B3 realizará o leilão de valores mobiliários integrantes da carteira de ações do Fundo de Investimentos da Amazônia (Finam),...