Consumidores do Sudeste são os que mais usam cartão para comprar mantimentos

6 em cada 10 dos estados do Sudeste usam cartão para comprar mantimentos, mesma proporção de inadimplentes

65
Senhora e senhor olham rótulos de alimentos em supermercado
Rótulos de alimentos em supermercado (foto de Tânia Rêgo, ABr)

A pesquisa “Perfil e Comportamento do Endividamento Brasileiro 2023” mostra que os brasileiros da região Sudeste são os que mais utilizam cartão de crédito para comprar mantimentos em supermercados; 61% deles afirmam que recorrem ao método.

O levantamento, realizado pela Serasa em parceria com Flexpag e Opinion Box, também descobriu que 58% dos consumidores da região contam que já tiveram e não conseguiram pagar dívidas de cartão de crédito. O número ultrapassa a média nacional, de 55%.

As pendências financeiras não resolvidas mais comuns entre a população do Sudeste incluem ainda empréstimos (30%) e dívidas com lojas (26%), por exemplo, com crediários, carnês e cartões de marcas. Na sequência, aparecem as dívidas com cheque especial ou limite de conta (17%) e problemas ao emprestar o nome a terceiros (15%).

Leia também:

Espaço Publicitáriocnseg

Entidades lançam movimento em defesa do parcelado sem juros | Monitor Mercantil

Os consumidores da região apontam ainda os principais motivos que os levaram ao endividamento. No topo da lista aparecem fatores como desemprego (23%) e redução na renda (22%).

Vale a pena destacar que 41% dos entrevistados dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo afirmam ter certeza de que quitarão as dívidas em breve.

Quitação de dívidas parceladamente

De acordo com o levantamento feito pela empresa de renegociação de dívidas QuiteJá com uma grande instituição financeira, houve um notável aumento de 81,40% no interesse das comunicações sobre o Programa Desenrola Brasil em comparação às comunicações feitas previamente.

“Isso reflete o desejo dos beneficiários de melhorar seu conhecimento financeiro e lidar de forma eficaz com suas dívidas”, afirma Luiz Marchiori, chefe de Negócios da QuiteJá.

Além disso, ao analisar as opções de pagamento, a pesquisa revelou uma tendência clara entre os beneficiários. Houve um aumento de 20,25% na escolha de parcelamento, indicando uma preferência por opções de pagamento flexíveis e uma queda de 37,11% nas opções de pagamento à vista, o que sugere que os beneficiários estão mais inclinados a escolher planos de parcelamento que atendam às suas necessidades financeiras em detrimento de maiores descontos praticados nos pagamentos à vista.

“A educação financeira desempenha um papel crucial na capacitação dos beneficiários para fazer escolhas financeiras informadas e gerenciar suas dívidas de forma responsável”, avalia o executivo.

Lançado em julho deste ano pelo Governo Federal, o Desenrola Brasil, em sua primeira fase, contemplava a extinção de dívidas bancárias de até R$ 100. O Programa contempla dívidas bancárias e não bancárias – como contas de luz, água, varejo, educação – e beneficiará pessoas que ganham até dois salários mínimos ou que estejam inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo federal (CadÚnico), e que tenham dívidas de até R$ 5 mil.

Leia também:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui