Conta não fecha

Em 2016, o setor de seguros faturou R$ 132 bilhões (excluindo a receita do seguro-obrigatório – DPVAT – e do VGBL). Dez anos antes, esse valor foi de R$ 44 bilhões. Ou seja, no período, uma evolução de 200%. Na década, o IGPM cresceu 89%; o IPCA, 82%; o dólar comercial, 60%. “Ou seja, o mercado de seguros brasileiro superou com folga esses indicadores”, informa o consultor Francisco Galiza.

Porém, esse aumento não foi uniforme. O seguro saúde cresceu 295%, o seguro de pessoas variou 264%, enquanto que o seguro de automóvel variou 144%. Essa diferença de taxas resultou em mudanças nas posições dos ramos. Em 2006, o automóvel liderava o setor com 30% do total da receita. No ano passado, caiu para terceiro, com participação de 25%. Nesse mesmo período, o segmento de pessoas passou de 21% para 26%. O destaque foi para o seguro saúde, de 21% para 27%, assumindo a liderança. Galiza explica que, em uma crise, o último seguro a ser cortado é o de saúde, devido ao medo que o segurado tem de ficar desassistido por não confiar no setor público.

Porém, não há como dissociar a liderança dos polpudos aumentos que planos e seguros de saúde tiveram nos últimos anos, bem acima da inflação. Para um IPCA abaixo de 4% nos últimos 12 meses, a ANS, que deveria regular o setor, autorizou reajuste de 13,55%. Os seguros empresariais, não controlados pela agência, tiveram alta bem maior, na casa de 20% – aliás, índices muito similares em diferentes seguradoras, comprovando a extrema concentração de mercado e parca concorrência. A principal alegação para os aumentos várias vezes superiores à inflação é a alta dos custos de exames e internações, com a desculpa da alta do dólar. Mas nos últimos 12 meses a cotação da moeda norte-americana caiu 7,7% – é preciso buscar outro culpado.

Há pouco menos de um ano, o presidente de uma grande seguradora disse que todos perdem no setor, clientes e empresas, e que, nesse ritmo, em quatro anos não haveria mais seguro saúde. Restam três anos, e as seguradoras estão fazendo o possível para tornar a previsão, realidade.

 

Vidraça

Que tal os irmãos Wesley e Joesley aproveitarem as delações para explicitar suas relações com a mídia? Poderiam começar explicando por que irrigaram os jornalões com uma página do Banco Original, todo dia, durante pelo menos quatro meses.

 

Respeite a vida

No mês em que se pretende chamar a atenção da sociedade para o alto número de acidentes e mortes no trânsito, a ValeCard preparou uma lista com sete dicas para auxiliar a reduzir as ocorrências: respeite e use a faixa de pedestre; nunca ingira bebida alcoólica e dirija; nunca dirija ao celular ou pegue objetos dentro do veículo com carro em movimento; observar as condições do veículo antes de viajar; sempre use o cinto de segurança; respeite os limites de velocidade; dirija com segurança.

No mundo, pelo menos 3 mil pessoas morrem diariamente em ocorrências no trânsito. O Brasil aparece em quinto lugar no ranking mundial de mortes no trânsito.

 

Tecnicamente quebrados

Desde 2007, o montante mundial das dívidas públicas mais que duplicou, passando de US$ 28,7 trilhões para mais de US$ 61 trilhões, sendo um terço deste montante é dos Estados Unidos, que viram seu débito triplicar. Cada cidadão estadunidense tem sobre os seus ombros mais de US$ 60 mil de dívida federal, recorde mundial, anota o boletim semanal Resenha Estratégica.

 

Rápidas

Após o sucesso nas cidades de São Paulo e Belo Horizonte, o aplicativo de táxi exclusivo para mulheres FemiTaxi chega ao Rio de Janeiro. É composto apenas por motoristas do sexo feminino *** Os elementos de uma boa comunicação estarão em discussão na segunda edição do Intensive Leadership Academy (ILA), que acontece 9 e 10 de junho, em Curitiba. Mais informações: www.ilabr.com.br *** Como transformar os processos da sua empresa por meio de APIs: o tema vai ser discutido no evento Apix, que será realizado em 30 de maio, em São Paulo *** A Sonda, de TI, anunciou Reginaldo Ladvig como novo vice-presidente da unidade de Plataformas *** A sétima edição do evento sobre o mercado imobiliário de Portugal promovido pelas imobiliárias Porta da Frente (Portugal) e Judice & Araujo (Brasil) será realizado em 1° de junho, às 9h, no Hotel Pestana Rio Atlântica, em Copacabana. Inscrições: https://pt.surveymonkey.com/r/ZQ8B55J *** Especialistas debaterão, 31 de maio, os “Desafios da política fiscal para a retomada do crescimento”. O seminário é promovido pelo Ibre e contará com a presença do (ainda) ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira. Informações e inscrições: http://portalibre.fgv.br *** Em 1 e 2 de junho, acontecerá o VII Encontro Brasileiro de Advogados Criminalistas (Ebac), em João Pessoa, na Paraíba, organizado pela Abracrim. O presidente da entidade no Rio, James Walker Júnior, participará da palestra “Advocacia Criminal como Proteção da Dignidade Humana”

Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

É a saúde (além da economia), estúpido!

Vacinação e estímulos à economia andam juntos; Brasil fica para trás em ambos.

Cortes poupam petroleiras e ‘bolsa refrigerante’

Para liberar auxílio emergencial, governo prejudica setores essenciais.

Inflação e PIB expõem falácia do Teto dos Gastos

‘Faz sentido?’, pergunta Paulo Rabello. ‘Claro que não’.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Lula livre. Até quando?

Jurista: Necessidade de proteger Moro e os procuradores da Lava Jato.

Produtividade na indústria cai com menor produção na pandemia

Para 2021, as perspectivas são melhores, em razão do início da vacinação da população.

Demanda por bens industriais cresceu 0,6% em janeiro

Ipea apontou avanço de 6,6% no trimestre móvel encerrado no primeiro mês de 2021.

Aumenta consumo de pornô por público feminino

Relatório de site de entretenimento adulto revela que 39% do acessos são de mulheres.

Abertura de empresas tem alta de 13,4% em novembro

Segundo Serasa, sociedades limitadas impulsionaram índice; comércio teve alta estimulada por Black Friday e festas de fim de ano.