Contas&conta$

O exagero recorrente do conservadorismo nas coisas relativas ao andar de baixo estima em cerca de R$ 3 bilhões anuais os gastos extras causados pela aprovação provisória do salário mínimo de R$ 275. A mesma comoção esteve ausente, porém, do noticiário e dos papers dos analistas em relação aos gastos de R$ 145 bilhões com juros da dívida pública no primeiro ano do governo Lula. Aos escandalizados com o dinheiro extra destinado ao mínimo, recorde-se que o ervanário embolsado pelos rentistas, em 2003, supera a soma de todas despesas dos Três Poderes no âmbito federal (descontados apenas os gastos com Previdência Social). Ou a cerca de18 vezes o orçamento geral anual de todas universidades federais.

Os eleitos
A Rússia tem cerca de 700 famílias de milionários, num total 2 milhões de pessoas, ou cerca de 1,5% da população, segundo o Instituto de Pesquisas Sociais (IPS) da Academia das Ciências da Federação Russa. A fortuna dessa aristocracia totaliza US$ 2 trilhões. Os milionários pós-União Soviética apontam como suas principais qualidades energia, iniciativa, capacidade de trabalho, profissionalismo e alto nível educativo: “Nos últimos anos, formou-se uma elite “jovem” que já não participou das primeiras privatizações no início da década de 90. É uma geração qualitativamente nova de milionários que têm, em média, de 40 a 45 anos de idade. São inteligentes, talentosos, aproximando-se, freqüentemente da elite intelectual. Com sua competitividade e interesse pelo progresso da economia russa, os novos milionários podem de fato ser muito úteis para toda a população do país em geral, desenvolvendo os setores econômicos socialmente orientados, necessidade da qual se fala hoje muito”, defende a vice-diretora do Instituto de Pesquisas Sociais, Natalia Tikhonova.
Apesar dessa percepção, digamos indulgente, ela salienta que 25% dos ricaços russos consideram impossível passar toda a vida “com a consciência limpa”.

Tudo a favor
“Não houve nada contra.” Essa síntese, produzida por um analista do mercado financeiro para explicar o incremento de 5 mil brasileiros no contingentes dos milionários do país no primeiro ano do governo Lula, é a melhor tradução do sucesso da política do ministro Antônio Palocci no andar da cima. Por nada contra, entenda-se juros altos, bolsa em alta e valorização do real em relação ao dólar. Por tudo a favor, subentenda-se desemprego recorde, PIB de -0,2%, queda de 15% dos salários etc. etc.

Às avessas
O Private Bank, lançado esta semana pelo Banco do Brasil, para clientes com mais de R$ 1 milhão para aplicar, traz embutido uma nova concepção de aconselhamento financeiro: o opposite adviser (aconselhamento às avessas em tupiniquim). Ela está implícita na composição do Fórum de Economia, que se reunirá mensalmente um dia após a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) para traçar cenários “que municiarão os gerentes do Private Bank”. Fazem parte do fórum economistas como o ex-presidente do Banco Central Gustavo Loyola, especialista, durante o reinado tucano, em previsões sobre a vida eterna do câmbio sobrevalorizado.

Pré-história
A proposta de um índice “alternativo” para reajuste das tarifas de telefonia, que substituiria o IGP-DI e refletiria os custos do setor, feita pela Associação Brasileira de Prestadoras de Serviço Telefônico Fixo (Abrafix), não esconde quem seria o beneficiado. As despesas com amortização, tarifas de uso de rede e serviços de terceiro teriam os maiores pesos no cálculo do índice setorial. São valores difíceis de serem acompanhados e confirmados. Simulação feita pela consultoria que assessorou a Abrafix mostra que o índice, de junho de 2003 a maio de 2004, ficaria em 7,3%; no mesmo período, o IGP-DI foi de 8%; o IPCA se limitou a 5,6%. E, afinal de contas, a indexação não é coisa de dinossauros, extinta no Brasil?

Quimera
A Associação Brasileira das Agências de Publicidade do Rio de Janeiro (Abap Rio) debate, no próximo dia 30, um tema oportuno: A Publicidade em Ano Eleitoral. A idéia é discutir questões legais sobre o tema e estimular a criatividade com ética nas campanhas. Caio Cezar Valli, presidente da associação, fará a abertura do evento. Interessados podem se inscrever pelos telefones (21) 2552-0496 ou 2551-7849.

Artigo anteriorApartheid
Próximo artigoImagem
Marcos de Oliveira
Diretor de Redação do Monitor Mercantil

Artigos Relacionados

No privatizado Texas, falta luz no inverno e no verão

Apagões servem de alerta para quem insistem em privatizar a Eletrobras.

A rota do ‘Titanic’: ameaça de apagão não é de agora

‘Por incrível que pareça, no Brasil, térmicas caras esvaziam reservatórios!’

TCU confirma que União paga R$ 3,8 bi de juros e amortização por dia

Mais de ¼ dos títulos da dívida pública vencem em 12 meses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Últimas Notícias

Água, saneamento e crescimento para todos

Há pouco tempo para implantação das metas do novo marco legal.

Automação das matrículas acelera com o uso de biometria facial

Cresce procura por soluções tecnológicas de Reconhecimento Ótico de Caracteres para operações como cadastro dos alunos nos sistemas escolares

Mercado ainda digere Fomc e MP da Eletrobras passa no Senado

O Ibovespa fechou em queda de 0,93%, na esteira dos receios globais e das discussões envolvendo a MP.

Relator vota contra autonomia do BC, mas vista adia julgamento no STF

Lewandowski vota por derrubar a lei, sancionada em fevereiro, que dá autonomia ao BC, mas pedido de vista de Barroso interrompe julgamento.

Abbas recebe credenciais de embaixador brasileiro

Diplomata Alessandro Candeas entregou nesta semana suas credenciais ao presidente da Palestina, Mahmoud Abbas.